Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2015

Proposta para substituição da iluminação pública por novo invento

A iluminação de uma cidade, a exemplo de outros serviços que estão a cargo da administração pública, é boa indicadora do nível de investimento e do estágio de evolução tecnológica atingido pelo município. Cachoeira experimentou variadas formas de iluminar suas vias e casas. Do acendedor de lampiões às primeiras experiências com luz elétrica, o tempo percorreu dois séculos... E os avanços da ciência aconteciam bem longe daqui! Uma carta remetida ao presidente e demais vereadores da Câmara, em 6 de maio de 1886, é uma prova das inovações que a segunda metade do século XIX estava atingindo na área.  E também demonstra o interesse que os concessionários do contrato da iluminação pública municipal tinham no investimento em novas tecnologias e no seu repasse comercial. CM/DA/OM/Caixa 3 Eis o conteúdo: Os abaixo assignados, concessionarios do contrato da illuminação publica que se faz na Cidade da Cachoeira , participão a distinta corporação Municipal dessa Cidade, que pre

Melhoramentos urbanos

A década de 1920 foi uma das mais profícuas em melhoramentos urbanos na história de Cachoeira do Sul, resultado de um momento de grande crescimento econômico e de forças políticas trabalhando em uníssono. São desse período a construção da primeira e da segunda hidráulicas, do Château d'Eau, do calçamento de trechos importantes no centro e bairros, do ajardinamento das principais praças e passeios públicos. 20 de setembro de 1921, inauguração da 1.ª Hidráulica - Grande Álbum de Cachoeira, de Benjamin Camozato Reservatório R2 , 2.ª Hidráulica, 1925 - fototeca Museu Municipal Uma nota do pedreiro Pedro Simões , paga pela Intendência Municipal por diversos serviços prestados em outubro de 1926, dá mostra do grande canteiro de obras instalado em Cachoeira naquele tempo: Diversos serviços de pedreiro executados para a Municipalidade, a saber: Colégio Elementar: 10,5 m de calha coberta de tijollo a 5$000 .........................................     52

Doce Cachoeira

Vez por outra a equipe do Arquivo Histórico, em meio à sua rotina de organizar documentos oficiais, localiza recortes, lembranças, páginas avulsas de jornais e revistas que pessoas da comunidade trazem, no propósito de que sirvam para subsidiar estudos ou mesmo compor com outros documentos, quem sabe, um aspecto da nossa rica história. Pois em uma das pastas submetidas à análise, eis que um recorte de jornal ilustrado com linda aquarela do Château d'Eau de pronto chamou a atenção. Trata-se do jornal Zero Hora, edição de 13 de setembro de 1999, que traz a coluna do escritor cachoeirense Liberato Vieira da Cunha.  Com o título "Doce Cachoeira", a coluna não está assinada pelo seu titular, mas sim por um interino, o escritor Carlos Urbim, recentemente falecido. Recorte do jornal Zero Hora, edição de 13-9-1999 O texto de Urbim, colorido como tudo que ele escrevia, remete o leitor a uma doce Cachoeira, aquela que Liberato Vieira da Cunha tantas vezes canta e decan

Praça do Pelourinho - embrião do coração da cidade

A Praça do Pelourinho, atual José Bonifácio, foi a primeira a ser demarcada no recinto da então Vila Nova de São João da Cachoeira, no ano de 1830. Uma vez definida a extensão da praça, a Câmara começou a conceder terrenos em seu entorno, o que pouco a pouco acabou por povoar as imediações daquele espaço. Um requerimento do cidadão Jozé Domingues Severo, remetido à Presidência da Província em 29 de maio de 1849, que solicitava terreno na Rua do Loreto, atual Sete de Setembro, permite a reconstituição de como era o processo deflagrado pela Câmara para atendimento do pedido e também levanta uma planta da então Praça do Pelourinho, revelando a conformação física de espaço que se tornou o coração da cidade. CM/OF/Requerimentos/Caixa 8 O teor do requerimento era o seguinte: Diz Jozé Domingues Severo, morador na Villa da Caxoeira, que achando=se devoluto na mma. Villa na Rua do Loreto hum terreno de setenta Palmos de frente ao Este, fundos meia quadra, devedindo=se pello Norte com