Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2015

Desmoronamento da Ponte do Passo da Ferreira

Volta e meia a história se repete, como assim sucede com os efeitos da natureza. As chuvas do mês de julho de 2015 provocaram diversos estragos na cidade, dentre eles o desmoronamento de parte da ponte de Ferreira. Revisando a documentação do Arquivo Histórico, na série Obras e Melhoramentos do Fundo Câmara Municipal, localizou-se uma carta do empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, o homem que entrou para a história como o construtor dos pilares da Ponte do Jacuí, que resistem até nossos dias (embora há muito tenham deixado de suportar a estrutura da ponte), o prédio da Casa de Câmara, Júri e Cadeia e a própria ponte do Passo da Ferreira. Casa de Câmara, Júri e Cadeia - obra de Ferminiano Pereira Soares - fototeca Museu Municipal CM/OM/Ofícios - Caixa 10 Pois a carta, datada de 21 de maio de 1858, dá ciência aos vereadores que Ferminiano encarregou-se de reconstruir a ponte que havia desmoronado com a extemporanea e furiosa enchente  daquele an

A sanga Micaela

Em tempos de chuvas abundantes e dos inúmeros transtornos causados por elas, cabe a cada um de nós fazer um exercício de reflexão a respeito da forma como tratamos o ambiente que nos cerca. O lixo que não encontra o receptáculo próprio vai para a sarjeta e obstrui o caminho natural das águas pluviais, as sangas e córregos viram depósitos de excrementos, objetos, utensílios e equipamentos de toda natureza, quando deveriam apenas escoar livremente seus mananciais... Enquanto o comportamento humano não mudar e as regras de higiene e de cuidados com os espaços públicos e naturais não forem assimiladas pela população, qualquer chuvarada, seja em que tempo for, irá causar danos cada vez maiores e mais traumáticos para todos, direta ou indiretamente. No acervo de imprensa do Arquivo Histórico, existem relatos de incontáveis situações de cheias e suas consequências em Cachoeira do  Sul. Voltemos no tempo 110 anos, através da edição do jornal O Commercio,  de 11 de janeiro de 1905, em