Pular para o conteúdo principal

Postagens

Ponte do Jacuí

A Ponte do Jacuí, uma das obras mais demoradas e cheia de percalços da nossa história, estava fadada a não funcionar desde que começou a ser planejada. Depois de mais de duas décadas da concorrência para a sua construção, que se deu em 13 de julho de 1849, vencendo Ferminiano Pereira Soares a licitação, só em 1871 ela foi concluída por outro empreiteiro, Giuseppe Obino.  Pilares da Ponte do Jacuí - foto Méia Albuquerque De uso efetivo, a Ponte do Jacuí perfez o período de 1871 a 1894, quando um incêndio de seu leito, atribuído a revolucionários, decretou a sua inutilidade. Logicamente que a supressão de tão importante meio de circulação e acesso causou na municipalidade sérias consequências, especialmente na economia da região. Em 25 de setembro de 1900, um documento da Secretaria de Negócios das Obras Públicas do Estado do Rio Grande do Sul referiu necessidade de conserto na ponte, ficando a cargo do município de Cachoeira a sua conservação. No ano seguinte, a 23 de março, a mesma sec
Postagens recentes

1971 - GNT campeão da Taça Brasil de Bochas

 Há cinquenta anos Cachoeira do Sul celebrava com passeata e carnaval a agremiação do Grêmio Náutico Tamandaré que conquistou a Taça Brasil de Bochas.  Por onde se praticava bocha no Brasil, conforme noticiou o Jornal do Povo de 25 de março de 1971, tôdas as atenções principais estão voltadas, a partir de hoje, até domingo, para Cachoeira do Sul, transformada pela maior hierarquia bochófila do Grêmio Náutico Tamandaré, em Capital Nacional da Bocha. Perdoem-nos pelo título que estamos dando a já Capital Brasileira do Arroz, mas, a satisfação de dar acolhida aos Estados de Minas Gerais, Guanabara, Rio e São Paulo, aos altos dirigentes da Federação Gaúcha de Bocha, representantes expressivos da CBD, em seu setor bochófilo, até nos fazem deixar um pouco de lado a modéstia. Recebê-los em Cachoeira do Sul é uma satisfação enorme. JP, 25/3/1971, p. 4 O Jornal do Povo , em seu entusiasmo, não exagerou em dar o título de Capital Nacional da Bocha à cidade, pois de fato o certame fez de Cachoeir

João Neves na Academia Brasileira de Letras

Há 85 anos o advogado João Neves da Fontoura, figura máxima da vida política cachoeirense, foi eleito para assumir a cadeira número 2 na prestigiada Academia Brasileira de Letras - ABL. A eleição se deu em 19 de março de 1936 e a posse ocorreu em 12 de junho de 1937. João Neves com o fardão da ABL -  Museu Municipal O interessante é que João Neves assumiu a cadeira que havia pertencido ao escritor Coelho Neto, a quem, muitos anos antes, conduzira em visita a Cachoeira. O jornal O Commercio  de 25 de março de 1936, na primeira página, traz a notícia: Eleito para a vaga de Coelho Netto. - Foi eleito para a vaga aberta com a morte do grande intellectual brasileiro Coelho Netto, na Academia Brasileira de Letras, o nosso illustre conterraneo e um dos maiores talentos do parlamento nacional - Dr. João Neves da Fontoura, que alcançou esta victoria com grande maioria de votos, e cujo acontecimento muito vem honrar a terra que lhe deu o berço (...) O Commercio , 25/3/1936, p. 1 Quando tomou pos

A "Vila" Oliveira

Um dos mais conhecidos e maiores bairros de Cachoeira do Sul tem sua história atrelada à família que lhe dá nome: Bairro Oliveira. A Vila Oliveira surgiu em torno da chácara da conhecida Viúva Oliveira, na zona norte da cidade, onde, na década de 1920, foi iniciado um loteamento de terrenos. Há na documentação do Arquivo Histórico requerimentos de cidadãos que adquiriram terrenos e solicitavam à Intendência Municipal a devida licença para edificarem. IM/OPV/AOP/Requerimentos – Caixa 16 Um requerimento, datado de 1.º de dezembro de 1920, diz o que segue:  Ill. Snr. Dr. Intendente Municipal                                      Nesta Cidade Oliverio José de Fonseca [sic] vem diser a V.S. o seguinte: QUE comprou a D. Ignacia Amelia de Oliveira um terreno na projectada Villa OLIVEIRA, nos suburbios desta cidade, dentro dos limites sub-urbanos, com 130 palmos de frente por 400 de fundos; QUE no dito terreno vae construir duas pequenas casas de madeira, sendo ambas no valor de UM CONTO DE RE

Pipas marcadas

A inauguração da primeira hidráulica, em setembro de 1921, não resolveu de todo a questão da distribuição de água na cidade, dependendo muitos ainda dos serviços prestados pelos pipeiros. Toda sorte de reclamações chegava à Intendência com relação à venda de água, ora atendo-se ao preço cobrado, às condições higiênicas das pipas e do próprio líquido precioso. Uma correspondência de 4 de março de 1922, existente no acervo documental do Arquivo Histórico, dá mostras que a Intendência Municipal tentava proceder a análises da água comercializada, no sentido de garantir que o abastecimento da população atendesse às normas de higiene: Cachoeira, 4 de Março de 1922 Illm.º Snr. Guilherme Francke Sobrinho. Communico-vos de ordem do cidadão Intendente Municipal, Dr. Annibal Lopes Loureiro que, em virtude das analyses bacteriologicas procedidas nas aguas da fonte situada em terreno de vossa propriedade á rua Conde de Porto Alegre, foi verificado tratar-se de aguas suspeitas, povoadas pelos bacill

Álcool para abastecer automóveis

O emprego do álcool (etanol) como combustível iniciou no Brasil em meados da década de 1920, objetivando incentivar a produção das usinas de cana-de-açúcar e amenizar a dependência que o país sofria do petróleo. Em 1933, por iniciativa do governo Getúlio Vargas, foi criado o Instituto do Açúcar e do Álcool, tornando-se obrigatória a mistura do etanol na gasolina.  Em 1975, quando o Brasil importava 80% do petróleo que consumia, foi criado o Programa Nacional do Álcool. Três anos depois, em 1978, surgiu o primeiro automóvel totalmente a álcool produzido no país - o Fiat 147. Apesar do sucesso do carro e do expressivo número de veículos comercializados entre 1979 e 1987, ainda assim o etanol não conseguia competitividade no mercado e o Brasil continuava ainda dependente do petróleo estrangeiro. Fiat 147 - 1.º carro a álcool do Brasil - www.projetodraft.com/nascimento-e-desenvolvimento-do-primeiro-carro-a-etanol-do-mundo/ A partir de 2003, com a fabricação de automóveis flex-fuel , o merc

Grêmio Náutico Tamandaré - 85 anos

Gremio Nautico Tamandaré Foi fundado, em 18 de Fevereiro p.p. nesta cidade, este Gremio, por cujo motivo recebemos o seguinte officio: "Cachoeira, 28 de Fevereiro de 1936 Redação do "O Commercio": Tenho o praser de communicar-lhe que em sessão realisada no dia 18 do corrente, na séde do Jockey Club, foi fundado nesta cidade o club de regatas Gremio Nautico Tamandaré, tendo sido aclamada e empossada a seguinte directoria: Presidente, Adail Machado de Oliveira; 1.º Vice-Presidente, Mario Guignatti; 2.º Vice-Presidente, Rodolfo Gonzales; 1.º Secretario, Delcassê Bastos; 2.º Secretario, Mena Meirelles; 1.º Thezoureiro, Dante Machado de Oliveira; 2.º Thezoureiro, Edgar Amaro; Guarda Sport, Jayme Porto; Auxiliar, Sebastião Alario. Sem outro motivo para o presente, subscrevo-me respeitosamente. Delcassê Bastos Secretario" Agradecemos a communicação, com votos de crescente prosperidade á nova entidade desportiva. O Commercio , 4/3/1936 Com esta nota o jornal O Commercio, ed