Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2018

Bilhete de amor

Muitas vezes os livros resguardados no Arquivo documentam histórias que extrapolam o seu propósito, ou melhor, guardam em suas páginas amareladas pelo tempo rabiscos que não deveriam estar ali... No afã da pesquisa, não raras são as vezes que surpresas interrompem a rotina do pesquisador, permitindo que ele fuja do objeto de seu trabalho para se lançar em divagações e suposições. Numa destas tão caras e importantes tarefas, eis que ao folhear um antigo livro de receita e despesa da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário, ano 1834, a pesquisadora Ucha Mór localizou, dentre suas páginas, um bem dobrado bilhete escrito a lápis. Livro 2.º de Receita e Despesa da Irmandade do Rosário A caligrafia revela pessoa rudimentarmente iniciada no alfabeto. Trata-se de uma mulher de nome e tempo ignorados. Bilhete manuscrito a lápis Diz o bilhete mal traçado em um rasgo irregular de papel: quirido velinho eu te ispereito da a tarde e tu não apareseu eu acho que ja so esqueci

Brasil - Campeão do Mundo!

Há 60 anos, no dia 29 de junho de 1958, o Brasil conquistava seu primeiro título na Copa do Mundo de Futebol. Depois de uma campanha fracassada em 1954 e do trauma da derrota para o Uruguai, no Maracanã, em 1950, a Seleção Brasileira chegou ao final da Copa de 1958 para combater a Suécia, a dona da casa, vencendo o confronto por 5 a 2! Mesmo derrotada, a torcida sueca aplaudiu o campeão de pé! A imprensa escrita do país saudou aos quatro ventos a primeira conquista mundial do Brasil no futebol. Os jornais de Cachoeira do Sul, Jornal do Povo  e O Comércio,  foram porta-vozes da emoção que os cachoeirenses já haviam experimentado pelas ondas do rádio, então único veículo a transmitir as partidas da Copa do Mundo: Jornal do Povo - edição de 1/7/1958, p. 1 - Acervo de Imprensa do AH BRASIL CAMPEÃO DO MUNDO ESTOCOLMO, Suécia, 29 (JP) - Uma assistência superior a 53 mil pessoas lotou literalmente esta tarde o belo Estádio de Rasunda, de Solma [sic], nesta Capital onde o Bra

Gregório da Fonseca, filho dileto

Cachoeira do Sul é berço de personalidades ilustres nos mais diversos campos, oferecendo uma significativa relação de nomes de homens e mulheres que se destacaram em outras plagas. Vez em quando, retornam ao torrão natal para rever familiares e amigos e interagirem com o cotidiano da cidade. Um destes filhos ilustres foi o engenheiro militar e escritor Gregório Porto da Fonseca, nascido em 17 de novembro de 1875, filho de Marcos Gonçalves da Fonseca Ruivo e de Luiza Mariana Porto da Fonseca. Adolescente, empregou-se como caixeiro em uma loja de Cachoeira, onde passava recitando versos do poeta Olavo Bilac, esquecendo-se das suas tarefas... Mais tarde, no Rio de Janeiro, tornou-se amigo pessoal do poeta e um dos fundadores da Liga da Defesa Nacional, entidade que existe até hoje e que prega o civismo e o patriotismo. Gregório Porto da Fonseca - ABL Reformado da carreira militar, Gregório Porto da Fonseca tornou-se diretor da Secretaria da Presidência no governo provisório de G

Um simples requerimento - uma janela para o passado

Diz Anna Fran.ca Roiz. Pereira, residente em Porto Alegre, por seu procurador abaixo assignado, que tendo subido extraordinam.te o preço dos alugueis de casas, e a fim de fazer face ao pagam.to da que aluga p.ª sua moradia e de sua numerosa familia, vem respeitosam.te pedir a V.S.ª se digne ordenar q. d'esta data em diante lhe seja pago o aluguel da casa occupada pela Guarda Municipal, pelo preço de quarenta mil reis mensaes; attendendo tambem a q. é um edificio que está sugeito a m.tos estragos, cujas reconstrucções correm por conta da proprietaria supp.e, como succedeu por occasião do conflicto de 25 de Março de 1891, q. nenhuma indemnisação teve a supp. do Governo Federal como era de justiça, attendendo mais a que com o pagam.to da décima urbana que integralm.te faz a supp.e, nao fica oneroso aos cofres municipaes o acrescimo que pede: Portanto P. a VS.ª se digne deferir o q. requer E  R. M.ce Cachoeira 31 de Março 1894 Policarpo Perª de Carvº e S.ª  (IM/S/SE/CR