Pular para o conteúdo principal

Gregório da Fonseca, filho dileto

Cachoeira do Sul é berço de personalidades ilustres nos mais diversos campos, oferecendo uma significativa relação de nomes de homens e mulheres que se destacaram em outras plagas. Vez em quando, retornam ao torrão natal para rever familiares e amigos e interagirem com o cotidiano da cidade.

Um destes filhos ilustres foi o engenheiro militar e escritor Gregório Porto da Fonseca, nascido em 17 de novembro de 1875, filho de Marcos Gonçalves da Fonseca Ruivo e de Luiza Mariana Porto da Fonseca. Adolescente, empregou-se como caixeiro em uma loja de Cachoeira, onde passava recitando versos do poeta Olavo Bilac, esquecendo-se das suas tarefas... Mais tarde, no Rio de Janeiro, tornou-se amigo pessoal do poeta e um dos fundadores da Liga da Defesa Nacional, entidade que existe até hoje e que prega o civismo e o patriotismo.

Gregório Porto da Fonseca - ABL

Reformado da carreira militar, Gregório Porto da Fonseca tornou-se diretor da Secretaria da Presidência no governo provisório de Getúlio Vargas, pós-revolução de 1930. No ano seguinte, ingressou na Academia Brasileira de Letras, onde ocupou a cadeira de número 27.

Gregório da Fonseca algumas vezes retornou a Cachoeira e em uma delas, em junho de 1918, envolveu-se com campanha em prol do Hospital de Caridade, protagonizando uma conferência literária no Cinema Coliseu Cachoeirense que o jornal O Commercio, em sua edição do dia 19 de junho, assim descreveu:

Gregorio da Fonseca. Domingo a tarde realizou-se a conferencia litteraria deste nosso illustre conterraneo, em beneficio do Hospital de Caridade, como fôra préviamente annunciado. 


Grande Álbum de Cachoeira, de Benjamin Camozato - 1922

Pouco depois das 3 horas, os srs. Ernesto Barros e dr. Arlindo Leal foram, de automovel, á residencia da progenitora do conferencista, trazendo-o ao Coliseu, onde Gregorio desembarcou, acompanhado daquella respeitavel senhora, emquanto a banda musical Estrella Cachoeirense executava uma marcha festiva. 
O Coliseu, em cujo interior tocou a referida banda encheu-se litteralmente. Dizer-se que essa conferencia constituiu um successo extraordinario não é exprimir-se bem o acontecimento que ficou indelevelmente gravado no espirito e nos sentimentos dos que tiveram a felicidade de assistil-o.


Interior do Coliseu Cachoeirense
- Grande Álbum de Cachoeira, de Benjamin Camozato - 1922

A apreciação dessa bellissima pagina da nossa litteratura, a "Arte", já está feita pelos competentes e seria, por certo, uma inaudita temeridade nossa tentar pôl-a em relevo.
Baste-nos dar uma pallida noticia sobre a impressão causada, tanto mais que a Cachoeira é sobretudo suspeita desde que se trate de realçar o merito de seu filho dilecto, como é o capitão Gregorio da Fonseca.
Muitas vezes a conferencia foi entrecortada de applausos vibrantes, que traduziam o enthusiasmo e o arrebatamento do auditorio ante a soberana belleza das imagens da dissertação, e, ao terminal-a, o conferencista recebeu uma extraordinaria ovação.
Pelas jovens Coralia Carvalho e Horaida Pinheiro foram-lhe offertados dois artisticos ramalhetes de flores naturaes.
Do Coliseu um grande numero de familias, amigos e admiradores levou-o até ao Club Renascença, onde lhe foi offerecida uma taça de champagne.
Nessa occasião, em nome da sociedade cachoeirense, o saudou o dr. Arlindo Leal, a cuja saudação respondeu Gregorio da Fonseca, visivelmente emocionado.
A banda de musica, que o acompanhára, executou varias peças em frente ao Renascença, durante o tempo em que ali permaneceu o nosso illustre conterraneo, sendo após acompanhado até á casa de residencia de sua venerando Mãi.
O Commercio, associando-se a essas manifestações de admiração e carinho, deixa consignadas nestas ligeiras linhas, as suas homenagens ao brilhante visitante. (O Comércio, 19 de junho de 1918, p. 2).

Clube Renascença - Rua Sete de Setembro - Fototeca Museu Municipal

Gregório da Fonseca faleceu no Rio de Janeiro em 23 de abril de 1934. Havia sido nomeado embaixador do Vaticano, posto que não chegou a assumir.

Em 2014 e novamente em 2015, o Arquivo Histórico recebeu a visita do bisneto de Gregório, Júlio Fonseca do Amaral, que veio à terra natal do bisavô pesquisar mais sobre sua história, ocasião em que doou à biblioteca da instituição um volume com duas das conferências do literato Gregório da Fonseca: Estética das Batalhas e O ciúme dos deuses.


Júlio Fonseca do Amaral - bisneto de Gregório da Fonseca
- pesquisa no Arquivo Histórico (2015)
Obra doada ao Arquivo Histórico
MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa da Aldeia: uma lenda urbana

Uma expressão que se tornou comum em nossos dias é a da "lenda urbana", ou seja, algo que costuma ser afirmado pelas pessoas como se verdade fosse, no entanto, paira sobre esta verdade um quê de interrogação!  Pois a afirmação inverídica de que a Casa da Aldeia é a mais antiga da cidade é, pode-se dizer, uma "lenda urbana". Longe de ser a construção mais antiga da cidade, posto ocupado pela Catedral Nossa Senhora da Conceição (1799), a Casa da Aldeia, que foi erguida pelo português Manoel Francisco Cardozo, marido da índia guarani Joaquina Maria de São José, é mais recente do que se supunha. Até pouco tempo, a época tida como da construção da casa era dada a partir do requerimento, datado de 18 de abril de 1849, em que Manoel Francisco Cardozo: querendo elle Suppl. Edeficar umas Cazas no lugar da Aldeia ecomo Alli seaxe huns terrenos devolutos na Rua de S. Carlos que faz frente ao Norte efundos ao Sul fazendo canto ao este com a rua principal cujo n

O que tinha e o que faltava na Cachoeira do Sul de 50 anos atrás...

Cachoeira do Sul, outubro de 1973. O Clube de Diretores Lojistas,  hoje Câmara de Dirigentes Lojistas de Cachoeira do Sul - CDL, lançou um "volante", o que hoje chamamos de fôlder, ressaltando as potencialidades do município.  Interessante verificar a forma como a notícia chegou aos lares cachoeirenses através das páginas do Jornal do Povo,  que circulou no dia 23 de outubro daquele ano: O QUE CACHOEIRA DO SUL TEM E O QUE FALTA O Clube de Diretores Lojistas, sempre preocupado na promoção de Cachoeira do Sul sob todos os aspectos, tomou a iniciativa de imprimir um volante, relacionando o que esta cidade tem, de destaque, e o que lhe falta. Em reunião que o CDL realizou na noite de quarta-feira, foi este assunto abordado, pois uma das grandes preocupações de Gentil Bacchin, vice-presidente do CDL, em exercício, relaciona-se com a limpeza da cidade, assunto que está merecendo novas normas da administração municipal, mas que exige maior colaboração da população. O VOLANTE O volan

Bagunça na 7

Em 1870, quando a moral e os bons costumes eram muito mais rígidos do que os tempos que correm e a convivência dos cidadãos com as mulheres ditas de vida fácil era muito pouco amistosa, duas delas, Rita e Juliâna, estavam a infernizar moradores da principal e mais importante artéria da Cidade da Cachoeira. Diante dos "abusos" e das reclamações, chegou ao subdelegado de polícia da época, Francisco Ribeiro da Foncêca, um comunicado da Câmara Municipal para que ele tomasse as necessárias providências para trazer de volta o sossego aos moradores. Rua 7 de Setembro no século XIX - fototeca Museu Municipal A solicitação da Câmara, assinada pelo presidente Bento Porto da Fontoura, um dos filhos do Comendador Antônio Vicente da Fontoura, consta de um encadernado do Fundo Câmara Municipal em que o secretário lançava o resumo das correspondências expedidas (CM/S/SE/RE-007), constituindo-se assim no registro do que foi despachado. Mais tarde, consolidou-se o sistema de emitir as corresp