Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2017

1.º de Maio - Dia do Trabalho

Não passará despercebido entre nós o dia de hoje, o popular 1.º de maio, consagrado por todos os operarios do mundo civilizado á glorificação do trabalho. As dignas sociedades "Liga Operaria Internacional Cachoeirense e Beneficente 1.º de Maio" festejal-o-ão devidamente, bem como a laboriosa classe operaria desta cidade. A nota acima, extraída da edição do jornal O Commercio do dia 1.º de maio de 1901, dá mostras de que Cachoeira, então com duas entidades ligadas aos trabalhadores, não deixava passar em branco o Dia do Trabalho. A Sociedade Beneficente Liga Operária Cachoeirense foi fundada em 1.º de novembro de 1897 e a União Operária 1.º de Maio em 25 de fevereiro de 1900; ambas possuíam, em seu quadro de associados, trabalhadores oriundos de diferentes categorias, como indústria, comércio, profissionais liberais, pequenos proprietários, advogados, médicos, militares. Maestro Roberto Silva - fundador e 1.º presidente da Liga Operária Internacional Cachoeirense

21 de abril: dia para lembrar Tiradentes

Vem de tempos a associação de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, à ideia de liberdade e independência. Aguerrido e impetuoso, foi alçado à condição de herói por suas ações contrárias ao estabelecido na época em que o Brasil sequer tinha a condição de país. Joaquim José da Silva Xavier - o Tiradentes - opiniaoenoticia.com.br Muito tempo depois da execução de Tiradentes como criminoso, ocorrida no dia 21 de abril de 1792, é que sua morte foi tida como heroica. Na esteira do engrandecimento de sua figura, veio a determinação do dia 21 de abril como feriado nacional. A Lei n.º 1266, de 8 de dezembro de 1950, consagrou a data "à glorificação de Tiradentes e anseios de independência do País e liberdade individual." Imagem: Faculdade Jangada Recorreu-se ao acervo de imprensa do Arquivo Histórico para buscar notícias relacionadas ao dia 21 de abril, extraindo-se uma de época anterior e outra da primeira vez que a comunidade cachoeirense gozou o feriado d

A Semana Santa de 100 anos atrás

A edição do jornal O Commercio  do dia 11 de abril de 1917, assim registrou as atividades da Semana Santa: Semana Santa. -  Como era de esperar, revestiram-se de muito esplendor as solemnidades da Semana Santa. Quinta-feira Santa, na occasião da missa cantada, mais de 300 pessoas de todas as classes sociaes receberam a santa communhão. A' tarde, querendo commemorar o facto essencialmente caridoso de Jesus Christo na vespera de sua morte ter lavado os pés aos doze apostolos, para mostrar aos homens a necessidade de amor reciproco, o vigario da parochia, acolytado por dous sacerdotes, praticou a cerimonia de lavar os pés a doze meninos devidamente preparados em bancos sobre estrados. Acabado o acto, o revmo. padre Feliciano* pronunciou eloquente discurso sobre a caridade christã. Sexta-feira Santa foram feitas, de manhã, todas as cerimonias religiosas prescriptas, sendo cantada a Paixão de Nosso Senhor. A's 17,20 sahiu a procissão do encontro, que foi extraordinaria

60 Anos sem Liberato e Jenny

Há exatos 60 anos perecia em pavoroso acidente de avião, no aeroporto de Bagé, o jovem e promissor político cachoeirense Dr. Liberato Salzano Vieira da Cunha, então no desempenho das importantes funções de Secretário de Educação e Cultura do Rio Grande do Sul, no governo de Ildo Meneghetti. Pereceram com ele a esposa Jenny Figueiredo Vieira da Cunha, além de outras 38 pessoas que estavam a bordo do Curtiss-Comander C-46 , prefixo PP-VCF, da Viação Aérea Riograndense - VARIG. Liberato S. Vieira da Cunha 20/12/1920 - 7/4/1957 - Arquivo particular João Carlos A. Mór Jenny F. Vieira  da Cunha 14/11/1922 - 7/4/1957 - Arquivo particular João Carlos A. Mór Naturais de Cachoeira, Liberato nasceu em 20 de dezembro de 1920, filho de Antônio Peixoto Vieira da Cunha e Angelina Salzano Vieira da Cunha. Jenny, nascida em 14 de novembro de 1922, era filha do comerciante Achylles de Lima Figueiredo e Filadélfia Carvalho de Figueiredo. O casal deixou na orfandade quatro filhos menore

Reiniciados os trabalhos da parceria Arquitetura UFSM/Arquivo Histórico

Foram retomadas as atividades dos acadêmicos do Curso de Arquitetura da Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, Campus Cachoeira do Sul, no trabalho de seleção e identificação do acervo cartográfico e de plantas arquitetônicas do Arquivo Histórico. Os acadêmicos assessorados pela pesquisadora Mirian Ritzel Os acadêmicos Andreza Oliveira Nunes, Gustavo Severo e Schayane Dias, sob a coordenação da Prof.ª Ms. Letícia de Castro Gabriel e acompanhamento das assessoras do Arquivo Histórico, tiveram o primeiro encontro da segunda etapa de trabalho na última terça-feira, dia 4, quando se depararam com plantas arquitetônicas bastante significativas, como as do engenheiro-arquiteto alemão Júlio Rieth, responsável por um bom número de residências construídas em Cachoeira, onde morou com a família, e outras de casas e espaços ainda existentes. O trabalho tem sido de grande valia, ainda que não concluído, porque já permitiu mostras da riqueza do material que em breve poder