Pular para o conteúdo principal

Antigas profissões na Cachoeira

Entre 1820 e 1900, período em que Cachoeira foi administrada pela Câmara Municipal (1820 a 1889), pela Junta Administrativa (1890 a 1892) e pela Intendência Municipal (1892 a 1930), havia categorias de empregados públicos e de autônomos que acabaram desaparecendo com o tempo, dada a extinção dos serviços prestados e a modernização da sociedade. Algumas profissões sobrevivem, mas já são raras de encontrar. Vejamos algumas delas:

1820 a 1889
- ajudante de corda: ajudante do agrimensor
- professor de primeiras letras
- ama ou criadeira: mãe de leite
- aguateiro: vendedor de água em pipas
- arruador: medidor de terrenos
- aferidor: conferente de pesos e medidas
- boticário: farmacêutico
- capitão-do-mato: caçador de escravos fugitivos
- jornaleiro: operário diarista
- cirurgião do Partido: médico contratado pela Câmara
- acendedor de lampiões: acendia os lampiões da iluminação das ruas ao anoitecer
- zelador de lampiões: cuidava da manutenção dos lampiões de iluminação das ruas
- tropeiro
- lavrador
- cubeiro: recolhia os cubos com dejetos humanos
- alcaide: oficial de justiça

Vila da Cachoeira - 1848 - em primeiro plano, um tropeiro


1890 a 1892
- mascate: vendedor ambulante
- inspetor de aulas públicas: inspecionava o ensino público
- zelador do relógio da Igreja Matriz
- vendedor de couro
- tamanqueiro
- porteiro contínuo da Câmara
- afiador ambulante de facas
- carcereiro: guarda da cadeia
- estafeta: carregador de malas do correio

1892 a 1930
- retratista: fotógrafo
- funileiro
- negociante
- costureira
- barbeiro
- cervejeiro
- sapateiro
- carpinteiro
- alfaiate
- empreiteiro ou construtor de obras
- carroceiro
- caixeiro viajante: vendedor

Cachoeira ao tempo da Intendência - fototeca do Museu Municipal
Fonte: Folheto do Arquivo Histórico "Cachoeira: Indústria e Comércio através dos Tempos".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne