Pular para o conteúdo principal

Escravo Fujão

O acervo do Arquivo Histórico de Cachoeira do Sul guarda verdadeiros tesouros. Muitas destas jóias seguem ainda inéditas, aguardando o olhar criterioso de quem, primeiramente,  se disponha a decifrar a arcaica caligrafia e, muitas vezes, a pouca clareza do escriba...

Recentemente, em averiguação de documentos guardados em um arquivo denominado Justiça, não classificado como integrante do Fundo Câmara Municipal e por isto mesmo apartado deste conjunto documental, foi localizado um interessante depoimento de um negro fujão, datado de 4 de maio de 1829.

Transcrito minuciosamente pela assessora técnica Maria Lúcia Mór Castagnino, a Ucha, o documento trouxe à luz do século XXI uma situação certamente corriqueira naquela primeira metade do século XIX, tempo de senhores, de escravos, de fugas e de guerras.

A assessora Ucha Mór em trabalho de transcrição

1829"             Autto de Pregunta
Mº 4
N.º 8              Juizo de Paz                                             J. (?)
                                                                                       Almeida

Antonio Bagamundo natural da Costa forro

Anno de Nassimento de Nosso Jesus Christo de mil oito centos e vinte nove aos quatro Dias do mes de Maio do dito anno em Caza da residencia do Capitãn Bernardo Moreira Lirio Juiz de Páz desta Friguezia e seu Termo onde eu Escrivão vim esendo prezente Antonio Bagamundo para cer perguntado a causa da sua fuga e o Escravo Miguel Escravo de Guilherme Antonio de Athaides e Maria Escrava de Antonio Vicente da Fontoura Disse o seguinte = que sechama Antonio Bragamundo e que sendo Soldado de Artigas fora Prizioneiro no Artaque de Taquarembo e vindo Prizioneiro para Capital sentara Praça no Batalham dos Anriques da Cidade de Porto Alegre onde esteve no Serviço seis mezes seno seu Comandante o Sargento Mor Lourenço Junior de Castro, por tanto Dezertara para seir transportando a Santa fe e que xegando n esta villa encontrara com a Negra Maria, Escrava de Antonio Vicente da Fontoura e lhe preguntara o que Andara fazendo e que ella lhe respondera que seandava aprontando para fugir e que elle dito Antonio Bagamundo que visto ser afim e ella o quizera acompanhar que irião para Santa fe ao que ella respondera que sim e estava pronta como de fato comigo foi e estavão juntos. Quando nos prenderão os Capitains do Mato nos Matos do Otro Lado de Santa Barbara, e Enquanto o Negro Miguel Escravo de Guilherme Antonio de Athaidez hu meu Patricio e foi Prizioneiro no Ataque de Taquarembo Junto comigo, Elogo que elle aqui mevio e convercemos, Eproguntando me elle para onde hia eu lhe dice que tinha Dezertado e que hia Caminhando para Santa fe ao que elle merespondeu que o não deixace pois me quiria a Companhar para o que hia buscar a sua ropa como defato veio e seguimos Junto com a dita negra e fomos todos os tres prezos no mesmo lugar assima dito. E para constar mandou o Juiz Lavrar este de Termo de pregunta em que assinarão perante mim João Alvarez de Almeida. Eu escrivão de Juizo de Paz que o escrevy e a Signey

Lirio.
Custodio Manoel Gomes
Antonio Joze de Almada
Sinal de Antonio Bagamundo
João Alvarez de Almeida
Primeira página do documento - sem classificação


Verso da segunda página - com assinaturas

Comentários

  1. Como sempre incrível o trabalho de vocês, e a oportunidade de ver a prima Ucha devidamente paramentada, fantástico, e não é que se lê o nome do Antônio Vicente da Fontoura ? Que coisa, vira e mexe, a velha a fiar, e eles retornam a nos, assombrar ? Vá se saber, que o diga o Dr. Goulart !

    ResponderExcluir
  2. Maravilhosa pesquisa!A escrava Maria era de faca na bota! E os termos e a escrita da época são inigualáveis em termos de conversação!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne