Pular para o conteúdo principal

Sete de Setembro

SETE DE SETEMBRO

Silencio!... não turbeis na paz da morte
Os manes que o Brazil quasi esquecia!...
E' tarde!.. Eis que espedaça a lousa fria
De um vulto venerando o braço forte!...

Surgiu!.. A magestade traz no porte,
Onde o astro da gloria s'irradia!...
Vem, grande Andrada, adivinhaste o dia!...
Vem juntar ao da patria o teu transporte!...

Recua?!.. Não se apressa em vir saudal-a;
Cobre a fronte brilhante de heroismo,
E soluça!.. O que tem?!. Eil-o que fala;

"Oh! patria que eu salvei do despotismo!
Lá vejo a corrupção que te avassalla!
Não te conheço!.." E se afundou no abysmo!..

                               Felix Xavier da Cunha

Soneto publicado em O Commercio, 4/9/1907
- Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico

O soneto acima, do advogado, jornalista, escritor e político Félix da Cunha, foi publicado pelo jornal O Commercio, edição do dia 4 de setembro de 1907 ao ensejo da comemoração da data da independência do Brasil.

Félix Xavier da Cunha

Apesar dos 110 anos de distanciamento no tempo, os versos do poeta encerram atualidade, ainda que o linguajar e o estilo possam parecer anacrônicos. Na tentativa de atualizar o conteúdo dos versos e permitir o seu entendimento, o poeta poderia ter dito o mesmo assim:

Silêncio. Não perturbemos a paz da morte daqueles que o Brasil já quase esqueceu.
É tarde quando o braço forte de um vulto importante rompe a lage do seu túmulo e surge, com a glória estampada na testa. É José Bonifácio de Andrada e Silva que emerge do túmulo justamente no dia 7 de setembro, quando a pátria também fez a sua passagem do domínio de Portugal para a liberdade. Mas Andrada recua, não tem pressa em sair do túmulo. Cobre a testa, soluça e diz: Pátria que eu salvei do domínio, vejo que a corrupção te destrói! Não te conheço mais! E volta para dentro do túmulo...

Félix da Cunha, que dá nome a uma rua próxima ao endereço do Arquivo Histórico, nasceu e viveu no século XIX, portanto a estética de seus versos é a da sua época. E chama a atenção que a estética muda, mas infelizmente a temática segue a mesma...

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en