Pular para o conteúdo principal

Coca-Cola X Kola Soel

Provavelmente toda pessoa, em qualquer momento da sua vida, experimentou ou experimentará uma Coca-Cola, o refrigerante mais popular, mais vendido e mais difundido pelo mundo.

Publicidade da Coca-Cola em 1890
- http://origemdascoisas.com/a-origem-da-coca-cola/

Criada nos Estados Unidos no final do século XIX (1886), a Coca-Cola nasceu de um dos tantos experimentos do farmacêutico John Pemberton, que estava atrás de uma bebida que pudesse ser consumida livremente numa época de puritanismo religioso e com forte campanha antiálcool. Além do mais, pelos ingredientes originais, a bebida também apresentava uso medicinal.

Pemberton não usufruiu do sucesso de sua criação, pois vendeu a fórmula em 1888 por 1.750 dólares para Frank Robinson. Em 1891, Asa Griggs Candler, farmacêutico e empresário, comprou-a de Robinson, transformando a marca num grande negócio que muito prosperou com seus próximos investidores.

No Brasil, a Coca-Cola chegou em 1941, durante a II Guerra Mundial, instalando-se em Recife para atender aos soldados americanos que operavam em uma base militar naquela cidade.

O interessante é que no mercado local, já na década de 1920, havia um produto cujo nome remete ao do famoso refrigerante e que parecia guardar, em sua essência, a proposta original do farmacêutico Pemberton, ou seja, de também ser usado como remédio. Trata-se da Kola Soel.

Anúncio do produto no jornal O Commercio, de 14/3/1928 
A Kola Soel, segundo o anúncio, era o maior tonico que existe. Tinha o poder de reparar organismos enfraquecidos, cansados, raquíticos. Também oferecia vantagens para as senhoras que amamentam não só porque augmenta o leite, mas porque tonifica a creança. E terminava a propaganda dizendo: Garante-se 1/2 kilo de 15 em 15 dias. 

Coca-Cola e Kola Soel guardam pontos em comum. Nascida a famosa marca de uma mistura de folhas de coca e noz de cola, ingredientes com efeito sobre náuseas e dor de cabeça, depois de muitos experimentos de Pemberton, necessitou de boa adição de açúcar para suprimir o amargor. A congênere, pelo que se deduz do anúncio, certamente também utilizava uma porção generosa de açúcar, fórmula sempre eficaz para garantir quilos extras aos seus consumidores. E apesar dos idos tempos em que ambas surgiram (a Kola Soel obteve registro em maio de 1916), seguem firmes e fortes no mercado, atendendo a segunda pelo nome atual de Kola Fosfatada Soel. 

MR

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da

O açoriano que instalou a Vila Nova de São João da Cachoeira

O que pouca gente sabe é que a autoridade máxima que procedeu à instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira era açoriano de nascimento.  Trata-se do Ouvidor Geral, Corregedor e Provedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa, autoridade constituída que veio à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição para instalar a Vila Nova de São João da Cachoeira no dia 5 de agosto de 1820. Naquele ato, providenciou na abertura dos livros da Câmara, conduziu a escolha e a posse dos três primeiros vereadores e mandou levantar o pelourinho, símbolo da autonomia político-administrativa, segundo a legislação portuguesa. Abertura do Livro 1.º da Câmara, feita por Joaquim B. de Senna Ribeiro da Costa em 3/8/1820  - CM/OF/TA-008 - foto Cristianno Caetano Deste homem pouca coisa se sabe. Natural dos Açores, tinha sido juiz de fora da Ilha Graciosa, em 1803. Era casado com Inácia Emília de Castro Borges Leal, tendo dois filhos: José e Joaquim José.  No mesmo