Pular para o conteúdo principal

Rei Momo preparando-se para a estrepitosa arrancada

Em 2018 não haverá carnaval de rua em Cachoeira do Sul. Ou melhor, o carnaval com apoio institucional não terá os tradicionais desfiles de rua. Mas como carnaval é paixão, alguns blocos carnavalescos irão levar a folia para as ruas, fazendo seu tributo a Momo e aos folguedos típicos desta época.

Os desfiles de rua há muito aconteciam em Cachoeira e tais registros aparecem na imprensa desde 1900, quando surgiu O Commercio, jornal de que foi preservada a coleção.

Há 100 anos, os cachoeirenses de então reuniram-se na Praça das Paineiras para ver os corsos passarem, atirando-se ao "jogo do confete e serpentina". Em 1928, alguns blocos, como os Grooms  e Os Fidalgos promoveram "um animado corso na Avenida". Havia também o bloco Os Futuristas, "do Alto", e o Sai da Frente.

Em 1938, O Commercio, edição do dia 16 de fevereiro, traz a seguinte notícia em sua primeira página:

"Rei Momo" preparando-se para a estrepitosa "arrancada". Rei Momo vae iniciar, esta semana, seus preparativos para a retumbante "arrancada" de 26 e 28 de Fevereiro e 1.º de Março. 
Assim, hoje, quarta-feira, está projectada uma forte "investida" á residencia do sr. Edwino Schneider.

Casa adquirida por Edwino Schneider em 1928 - Fototeca Museu Municipal

Sabbado, ao que consta, haverá, no Commercial, um baile burlesco, entre cujos blocos surgirão, com aquella animação que os caracterisam, o desacatante "Carurú" e os ruidosos "Casados" e "Solteiros".

Bloco carnavalesco defronte à sede do Clube Comercial - AP João Carlos Mór

Também é provavel que, neste dia, os diversos cordões das ruas façam a sua exhibição, notadamente: "Floresta-Aurora", o terror dos paralelepípedos; "Filhas do Trabalho" e o "Bloco dos Sargentos", cujos dois ultimos obtiveram, no carnaval passado, um grance successo.
Por sua vez, o Concordia e Sociedade Italiana não ficarão, indubitavelmente, sem darem uma nota magnifica, distincta, assim como a do anno transcurso, que foi fulgurante.
Pelo que observamos, parece que apezar das "crisias" e outras "brusuras" (como diz o Bichinho), teremos um carnaval regular, pois o movimento no sentido de organizações de blocos vae estendendo, sendo confeccionadas letras e adaptadas musicas para sambas, canções e marchas.
São as seguintes as marchas e canções das "enfezadas turmas" do Commercial:
"Maria Sapeca", "Ama secca", "Eu dei", "Que horas são?", "Nos callos não me pise", "Apanhar não é prazer", "Vem, meu bem", "Você gosta de brincar", "Yes, nós temos bananas" e "Vacca preta".

Bloco carnavalesco Fica Firme - década de 1930 - Clube Comercial
- AP João Carlos Mór

Como se vê, há muito Momo reina sobre as plagas cachoeirenses e o povo, mesmo em situações adversas, acha um jeito de render-lhe divertidas homenagens.

MR

Comentários

  1. O Clube Comercial era onde hoje se encontra o arquivo. A fachada não mudou nada. Show!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da

O açoriano que instalou a Vila Nova de São João da Cachoeira

O que pouca gente sabe é que a autoridade máxima que procedeu à instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira era açoriano de nascimento.  Trata-se do Ouvidor Geral, Corregedor e Provedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa, autoridade constituída que veio à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição para instalar a Vila Nova de São João da Cachoeira no dia 5 de agosto de 1820. Naquele ato, providenciou na abertura dos livros da Câmara, conduziu a escolha e a posse dos três primeiros vereadores e mandou levantar o pelourinho, símbolo da autonomia político-administrativa, segundo a legislação portuguesa. Abertura do Livro 1.º da Câmara, feita por Joaquim B. de Senna Ribeiro da Costa em 3/8/1820  - CM/OF/TA-008 - foto Cristianno Caetano Deste homem pouca coisa se sabe. Natural dos Açores, tinha sido juiz de fora da Ilha Graciosa, em 1803. Era casado com Inácia Emília de Castro Borges Leal, tendo dois filhos: José e Joaquim José.  No mesmo