Pular para o conteúdo principal

Bancos para a Praça do Mercado e da Igreja

Corria o ano de 1906. A Intendência Municipal, sob o comando do Dr. Cândido Alves Machado de Freitas, buscava empreender melhorias nos espaços urbanos da então acanhada cidade da Cachoeira. As duas principais praças, a da Igreja (atual Dr. Balthazar de Bem) e a do Mercado (oficialmente Praça José Bonifácio desde o século XIX), já rivalizavam em movimento. A primeira, pela vizinhança da Igreja Matriz, do prédio da Intendência e do Teatro Municipal; a segunda, pela localização do Mercado Público e de casas comerciais importantes.

Teatro e Intendência Municipal - Fototeca Museu Municipal

Igreja Matriz - Fototeca Museu Municipal
Dentre as melhorias pretendidas para as duas praças estavam a arborização e a colocação de bancos para os frequentadores. Para tanto, a Intendência passou a receber propostas de empreiteiros dispostos a fabricarem e colocarem os bancos nos jardins das praças. Apresentaram-se, em maio de 1906, João d'Araujo Bastos e Crescencio da Silva Santos, o construtor do Mercado Público (1882).

Mercado Público na Praça José Bonifácio - Fototeca Museu Municipal

As propostas eram para 12 bancos em cada praça, dispondo-se Crescencio a executá-los em madeira de lei, com pés de ferro, sendo firmes no chão, com encosto e pintados de verde. Na sua proposta consta um desenho singelo do modelo do banco a ser empregado junto ao Mercado. Custo: 500 mil réis para os da Praça da Igreja e 300 mil réis para os da Praça do Mercado.

IM/S/SE/CR-006 - 22/5/1906
A proposta de João d'Araujo Bastos, igualmente para a confecção e colocação de 12 bancos na Praça do Mercado, estabelece que seriam executados em angico e louro, ao custo individual de 35 mil réis, perfazendo um total de 420 mil réis. Na Praça da Igreja, os 12 bancos teriam pés de ferro e assentos de louro. Cada unidade sairia por 25 mil réis a um total de 300 mil réis.

IM/S/SE/CR-006 - 25/5/1906

Os tempos passaram, ambas as praças sofreram várias intervenções, restando em melhor estado a antiga Praça da Igreja, hoje Dr. Balthazar de Bem. A Praça do Mercado, paulatinamente empobrecida ao longo das décadas, nada mais guarda dos tempos em que assim era chamada. Sequer o Mercado que lhe dava nome foi mantido. 

Dos velhos bancos sonhados para as antigas praças restam apenas registros fotográficos. Tais registros, ainda que inferiores em tecnologia, mesmo assim são capazes de revelar ao nosso olhar espaços de mansidão e cuidado cada vez mais difíceis de encontrar.

Bancos na antiga Praça do Mercado - Fototeca Museu Municipal
Banco na Praça da Igreja, fronteira ao Teatro Municipal - Fototeca Museu Municipal
MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da

O açoriano que instalou a Vila Nova de São João da Cachoeira

O que pouca gente sabe é que a autoridade máxima que procedeu à instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira era açoriano de nascimento.  Trata-se do Ouvidor Geral, Corregedor e Provedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa, autoridade constituída que veio à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição para instalar a Vila Nova de São João da Cachoeira no dia 5 de agosto de 1820. Naquele ato, providenciou na abertura dos livros da Câmara, conduziu a escolha e a posse dos três primeiros vereadores e mandou levantar o pelourinho, símbolo da autonomia político-administrativa, segundo a legislação portuguesa. Abertura do Livro 1.º da Câmara, feita por Joaquim B. de Senna Ribeiro da Costa em 3/8/1820  - CM/OF/TA-008 - foto Cristianno Caetano Deste homem pouca coisa se sabe. Natural dos Açores, tinha sido juiz de fora da Ilha Graciosa, em 1803. Era casado com Inácia Emília de Castro Borges Leal, tendo dois filhos: José e Joaquim José.  No mesmo