Pular para o conteúdo principal

Inauguração e consagração da Igreja de Lutero

No dia 19 de abril de 1931, a comunidade alemã de Cachoeira pôde comemorar a realização de um sonho que teve início quando os primeiros imigrantes trocaram a colônia pela cidade: o de ter uma igreja para celebração da sua fé.

Naquele dia, oito meses depois do início da construção da então chamada Igreja de Lutero, no Bairro Rio Branco, grande foi a reunião de luteranos. Integrantes da comunidade local e das cidades vizinhas buscavam posicionar-se nas imediações da esquina da Rua Venâncio Aires (hoje Presidente Vargas) com Deoclécio Pereira (atual Isidoro Neves) para assistirem aos atos de inauguração e consagração do templo.

Construção do Templo Martim Lutero - Museu Municipal


O jornal O Commercio, de 22 de abril de 1931, em sua primeira e segunda páginas, traz pormenorizada descrição dos atos que se sucederam desde sábado, dia 18, quando na gare da Estação Ferroviária foram recebidos diversos convidados para o ato inaugural. No domingo, dia marcado para a festa, apesar de ter amanhecido nublado, o clima era de alegria, como se o sol estivesse a iluminar todos. 

O Commercio, 22/4/1931, p. 1


Às 7 horas, os sinos do templo repicaram festivamente, lançando pelo espaço as suas ondas sonoras e annunciando o dia anciosamente esperado. A's 8 1/2, novo tanger de sinos avisava a chegada da hora, e antes das 9 já um grande numero de exmas. familias e cavalheiros, aguardava, no local, o começo da cerimonia. A's 9 25 entraram no salão  do Collegio Brasileiro-Allemão, que, durante longos annos, serviu de templo, 8 sacerdotes: o sr. prior Funke, representante da União das Igrejas Evangelicas Allemães; o sr. pastor Becker, de Candelaria; sr. pastor Gustavo Reusch, de São Miguel; sr. pastor Plottnick, do Agudo; sr. pastor Riehn, do Lageado; sr. pastor Wipf, do Paraiso; sr. pastor emeritus Ahrens, desta cidade; e o sr. pastor Carlos Hünnermund, director espiritual da Comunidade Evangelica de Cachoeira, que celebrou o culto de despedida do velho templo, o qual foi insufficiente para conter os crentes que affluiram.

Terminadas as orações de agradecimento, que duraram pouco mais de 10 minutos, organizou-se um grande cortejo, indo á frente os sacerdotes, que empunhavam os paramentos do novo altar, seguidos dos alumnos do Collegio Brasileiro-Allemão com seus professores, depois os cavalheiros e em seguida exmas. sras., senhoritas e crianças.

O prestito entrou pela rua Commendador Fontoura e desta passou á rua Ernesto Alves para entrar na rua Dr. Deoclecio Pereira. A 4 de fundo, mais ou menos, já os primeiros participantes estavam á frente da nova igreja e os ultimos ainda vinham na esquina da rua Commendador Fontoura, isto é, a duas quadras de distancia.

A descrição do jornal dá a medida da grandiosa assistência que se postou para celebrar o grande acontecimento e testemunhar os atos inaugurais.

O acto inaugural

Chegados á frente da igreja, o sr. Rodolpho Müller, presidente da Communidade Evangelica, após proferir ligeira allocução, entregou a chave do novo templo ao sr. pastor Carlos Hünnermund, director espiritual da mesma, que a abriu, nessa occasião, em nome de Deus Pai, Filho e Espirito Santo.

A orchestra do sr. Walter Ritter executou um bello coral, que tornou solemne o momento, entrando então o povo, para tomar logar nas confortaveis bancadas, nas cadeiras e nas galerias lateraes, superiores, do templo e ficando muita gente de pé, por falta de localidades.

Vitrais e bancadas do Templo Martim Lutero - foto Robispierre Giuliani


Dentre as autoridades presentes, a notícia refere o prefeito municipal, Leopoldo Ribeiro dos Santos Souza, e o pastor Acacio Goulart, diretor espiritual da Congregação Metodista; também representantes da imprensa local e de Porto Alegre e famílias procedentes das localidades de Candelária, Agudo, Paraíso, Botucaraí, São Miguel, Santa Cruz, Santa Maria e São Pedro. 

Após a execução de um preludio ao orgão, pelo maestro Curt Dreyer, teve inicio o culto divino, com uma allocução pelo sr. pastor Carlos Hünnermund. Depois de um coral, cujos acompanhamentos foram feitos, ao orgão, pelo professor Guilherme Weihmann, o sr. prior Funke procedeu ao acto da consagração da nova igreja.

O órgão do novo templo, segundo o jornal, com 18 registros, era um instrumento de excelência e, assim como os sinos e os objetos de paramentação do altar, procedia da Alemanha.

Do bello pulpito de madeira esculpida, offerecido pela Sociedade Auxiliadora de Senhoras, o pastor Hünnermund fez o primeiro sermão na Igreja de Luthero, tomando por thema o Apocalypse, cap. 21, verso 2 a 3.

(...)

A's 11 horas e 20 minutos terminou o culto divino. Na occasião da sahida, o maestro Curt Dreyer executou, ao orgão, a Fuga de Bach, de Beethoven, em mi-bemol maior, fazendo-se uma collecta em beneficio dos fundos da igreja, pois a construcção deixou uma divida approximada a 25:000$000.

Era de notar o regosijo entre os membros da communidade local e suas familias, por terem, finalmente, alcançado a realização de uma esperança afagada ha tantos annos.

Templo Martim Lutero - foto Méia Albuquerque

Depois da inauguração, os membros da Comunidade e famílias confraternizaram nos salões da Sociedade Atiradores Concórdia, onde havia fartas mesas com café, cucas e doces e se desenrolaram atrações.

À noite, entre as 19 e 20 horas, as portas da nova igreja estiveram abertas à visitação. Fartamente iluminada, foram muito apreciadas as suas instalações e objetos litúrgicos. Depois, todos afluíram novamente ao salão da Sociedade Atiradores Concórdia, onde foram recebidos pela orquestra dos irmãos Mernak e Stracke, com a participação de Rodolfo Müller. Procederam-se diversos discursos, assim como apresentações musicais, declamações e cantos. A festa prolongou-se até perto de meia-noite e todos os convivas saíram com a certeza de que a frase proferida pelo pastor Hünnermund era carregada de verdade: "Alegria repartida é dupla alegria".

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne