Pular para o conteúdo principal

Bancos para embelezar as praças

Uma notícia publicada no jornal O Commercio, datada de 2 de maio de 1906, na seção Noticiario, fala dos melhoramentos materiais pretendidos pelo vice-intendente em exercício, Dr. Candido Alves Machado de Freitas, e que para tal fim o município contrairia um empréstimo de vinte contos de réis, para o que já havia feito consulta ao Conselho Municipal. Aqueles eram tempos em que o administrador do município só podia contrair dívidas mediante autorização dos conselheiros, correspondentes hoje aos vereadores. Segundo a notícia:

(...) 

Entre outros melhoramentos que s. s. tem já executado, tenciona muito breve dar começo ao embellezamento da Praça do Mercado, mandando continuar o nivellamento e a arborisação da mesma, collocar bancos, construir calhas, passeios etc.

Diante dos melhoramentos noticiados, dois construtores da Cachoeira daquele tempo enviaram propostas à Intendência credenciando-se a executarem os bancos para as duas principais praças: a do Mercado, hoje José Bonifácio, e a da Conceição, hoje Dr. Balthazar de Bem. 

Bancos na Praça do Mercado (1913) - Museu Municipal


Banco na Praça da Conceição - Museu Municipal


Interessante observar a forma simples com que os profissionais ofereciam seus préstimos, o que mudou muito de lá para cá. Hoje, toda e qualquer obra pública exige dos postulantes à sua execução uma série de documentos e comprovações das credenciais. Os tempos mudam, assim como o grau das exigências.

O primeiro a mandar sua proposta foi o construtor Crescencio da Silva Santos que, fosse hoje, faria constar de seu documento a grande obra que havia executado para o município, ainda ao tempo do Império, quando construiu o Mercado Público. Crescencio oferecia seus serviços para execução dos bancos das praças, descrevendo o material a ser empregado e fazendo constar do documento um desenho singelo do modelo dos bancos:

O abaixo assignado propoem-se a suprir os 12 Bancos p.ª jardim com 10 palmos de comprimento, 3 pés de ferro em cada um, sendo os sarrafos de assento e encosto seguros com parafuzos com porca, a madeira a impregar-se toda de Louro, e pintadas a tinta verde, os 12             500:000

Os 12 Bancos para a prassa do Mercado, firmes no chão com madeira de lei e assento e encosto de tabôa de louro firmados a prego, e pintados, os 12 p.r a quantia de            300:000

Cachoeira, 22 de Maio de 1906

Crescencio da S.ª Santos

IM/S/SE/CR-006 - 22/5/1906


O outro proponente, João d'Araujo Bastos, fez constar em sua proposta o seguinte:

Proposta p.ª os bancos da Praça do Mercado e Praça da Igreja

O abaixo assignado propõem-se a construir doze bancos na Praça do Mercado, de accordo com indicação que é madeira angico e louro, custando cada banco 35$999, e todos (12 bancos) 420$000
12 Bancos na Praça da Igreja, com pés de ferro e assento de louro, custando cada banco R$ 25$000 e todos (12 bancos) R$ 300$000
Ditos bancos construidos com pintura.
Cachoeira, 25 de Maio de 1906
João d'Araujo Bastos


IM/S/SE/CR-006 - 25/5/1906


O ano de 1906 não foi fácil para o município de Cachoeira, cuja economia foi assolada pela seca e pela invasão e destruição de nuvens de gafanhotos. Mesmo assim, o vice-intendente Candido A. M. de Freitas conseguiu "atacar" várias obras de melhoramento urbano, como construção de calçadas e arborização das duas principais praças. Os bancos foram das últimas melhorias recebidas pela Praça do Mercado e Praça da Conceição e não é possível afirmar, ainda, que tenham sido ou não executados pelos construtores Crescencio da Silva Santos e João d'Araujo Bastos. De qualquer forma, suas propostas ficaram registradas para a posteridade nos velhos escaninhos da Intendência, estando hoje à disposição dos pesquisadores no acervo do Arquivo Histórico. Qualquer dia, nas infindáveis e deliciosas buscas, talvez surja a comprovação documental de quem os executou.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne