Pular para o conteúdo principal

60 anos da Legalidade

No dia 27 de agosto de 1961, o Jornal do Povo estampou em sua primeira página: Estarrecida a Nação com a Renúncia do Sr. Jânio Quadros. O Vice-Presidente João Goulart deverá completar o quinquenio presidencial - Reina ordem em todo o país.

O episódio da renúncia do Presidente do Brasil abriu um período de insegurança governamental quando os três ministros das Forças Armadas vetaram a sucessão legal e a posse do Vice-Presidente João Goulart, a quem taxavam de comunista. Imediatamente o governador do Rio Grande do Sul, Leonel de Moura Brizola, cunhado de João Goulart - Jango, deflagrou uma campanha para cumprimento do que estava previsto na Constituição com relação à posse do vice em caso de renúncia do presidente, no que foi apoiado por outros governadores. Através de uma cadeia de rádios, Brizola conclamou o povo e a Brigada Militar a apoiarem a posse de Jango. Depois de confrontos, acordos e adesão ao parlamentarismo, Jango conseguiu tomar posse em 7 de setembro daquele ano.

Governador Brizola - Jornal do Povo

Presidente João Goulart - Jornal do Povo

A imprensa de Cachoeira do Sul repercutiu o estado geral daqueles dias da seguinte forma:

Jornal do Povo de  29 de agosto de 1961: 

Manchete da edição de 29 de agosto de 1961 - Jornal do Povo

Govêrno Gaúcho e III Exército Irmanados Pela Manutenção da Ordem e da Legalidade no Brasil. 

A crise social e política e social que tomou conta da Nação desde que, num gesto cujas razões o povo brasileiro ainda desconhece, o presidente renunciou ao cargo, recrudesceu de tal forma nos três últimos dias que, até o meio-dia de ontem, tudo fazia crer que o País etava prestes a mergulhar-se num clima e guerra civil, de imprevisíveis consequências.

O ambiente sombrio que assim envolvia a Nação, entretanto, teve na pessoa do Governador gaúcho Eng.º Leonel de Moura Brizola a maior expressão de resistência democrática á implantação de soluções extra-legais para o Govêrno do País, tendo S. Ex.ª resistido contra tudo e contra todos, missão esta em que teve o apoio da população, de suas entidades representativas das mais diversas camadas sociais, de autoridades eclesiásticas e, o que foi importante e decisivo, do Comando da Quinta Zona Aérea e do III Exército, principalmente dêste último, apoio êste que tranquilizou a família sul rio-grandense que hoje volta ás suas atividades normais num ambiente de relativa  paz e desassossêgo.

O DESENROLAR DOS ACONTECIMENTOS

De acôrdo com as transmissões oficiais do Govêrno do Estado, damos abaixo um resumo do desenrolar dos acontecimentos no dia de ontem:

"Ás 11 horas da manhã de ontem o governador Leonel Brizola fazia sua primeira importante declaração ao microfone da Rádio Guaíba. 

Com gestos dramáticos, após apelar para que todos os pais retirassem seus filhos dos colégios e os mantivessem em casa, o Governador comunicou que o Gal. Machado Lopes, Comandante do III Exército lhe solicitara uma audiência. Como não sabia qual a finalidade da visita, disse o Sr. Leonel Brizola que ela poderia significar a deposição do governador, aduzindo:

- É possível que eu não tenha mais oportunidade de vos falar. Talvez receba agora um ultimatum. E ocorrências muito sérias virão porque não nos submeteremos a golpes nem a soluções arbitrárias. Que nos esmaguem, que nos destruam, que chacinem êste Palácio, porque assim chacinado ficará o país, pois êste é o último reduto da democracia! Mas afirmo-vos que não silenciaremos sem balas. Tanto aqui como lá nos transmissôres da Rádio Guaíba, fôrças da Brigada Militar estão de armas prontas. A Pátria inteira tomará conhecimento do nosso silêncio. Seremos atingidos pela destruição, contra a nossa vontade!"

Com a voz embargada pela emoção e avisando que de um momento para outro as transmissões poderiam ser suspensas em definitivo, relatou o Sr. Leonel Brizola que uma rêde de radio-amadores havia captado as mensagens trocadas pelo Exército, de Brasília com as diversas Unidades, e delas davam conhecimento ao Palácio Piratini.

A matéria segue descrevendo a situação geral, o apoio do III Exército, as comunicações ao povo e o nobre gesto do Arcebispo Metropolitano, D. Vicente Scherer, que ao tomar conhecimento da ameaça de bombardeio do Palácio, para lá se dirigiu e sentando numa das sacadas, avisou que se alguém atirasse que começasse por atingi-lo.

O restante da primeira página do Jornal do Povo repercutiu manifestações diversas da cidade pró-Legalidade: Executivo Cachoeirense Solidariza-se Com Posição Assumida Pelo Governador / UCE suspendeu a greve / AULAS SUSPENSAS / Tropas Federais Alertas Para Manutenção da Ordem / Entidades Operárias Lançam Manifesto a Favor da Constituição / CÂMARA DE VEREADORES LOCAL MANIFESTA-SE PELA LEGALIDADE / Comando de Resistência Congratula-se Com Governador.

A Guarnição Federal emitiu nota do Comando:

Em face dos acontecimentos que presentemente se desenrolam no país, êste Comando vem, por intermédio do JORNAL DO POVO, fazer um apêlo ao povo desta laboriosa, progressista e ordeira cidade de Cachoeira do Sul, no sentido de que, honrando suas nobres e dignas tradições, coopere com as autoridades constituídas, na preservação da ordem e da tranquilidade pública.

BORIS BROMIRSKY

Ten. Cel. Cmt. do 3.º B. E. Cmb. e Guarnição Federal de Cachoeira do Sul.

Há também um longo Manifesto ao Povo Cachoeirense, assinado pelo Prefeito Municipal Moacyr Cunha Roesing, recomendando-lhe confiança e convicção no patriotismo, disciplina, alerta e manutenção das rotinas de trabalho.

Nos dias que se seguiram, as manchetes repercutiram as manifestações da cidade que apoiava a atitude do governador Leonel de Moura Brizola em defesa do cumprimento da Constituição Federal, dando posse ao Vice-Presidente João Goulart.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da

O açoriano que instalou a Vila Nova de São João da Cachoeira

O que pouca gente sabe é que a autoridade máxima que procedeu à instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira era açoriano de nascimento.  Trata-se do Ouvidor Geral, Corregedor e Provedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa, autoridade constituída que veio à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição para instalar a Vila Nova de São João da Cachoeira no dia 5 de agosto de 1820. Naquele ato, providenciou na abertura dos livros da Câmara, conduziu a escolha e a posse dos três primeiros vereadores e mandou levantar o pelourinho, símbolo da autonomia político-administrativa, segundo a legislação portuguesa. Abertura do Livro 1.º da Câmara, feita por Joaquim B. de Senna Ribeiro da Costa em 3/8/1820  - CM/OF/TA-008 - foto Cristianno Caetano Deste homem pouca coisa se sabe. Natural dos Açores, tinha sido juiz de fora da Ilha Graciosa, em 1803. Era casado com Inácia Emília de Castro Borges Leal, tendo dois filhos: José e Joaquim José.  No mesmo