Pular para o conteúdo principal

Do Auto-bonde ao Mais Rápido - Veículos de História

Em 1909, com o Ato n.º 83, de 12 de outubro, Isidoro Neves da Fontoura, Intendente do Município de Cachoeira, concede a Guilherme Döring o direito à construção, uso e gozo de uma linha de bonde do Porto desta cidade à Estação da Estrada de Ferro e quaisquer outros pontos da zona urbana e suburbana. Apesar da concessão feita, não há registros do funcionamento da mencionada linha.
O Sr. Rodrigo Martinez, em 1919, inaugura empresa de transporte coletivo com auto-bondes com bancos de madeira, com assento para dezoito a vinte pessoas.
Em 1925, João Noronha de Bem coloca em tráfego, nesta cidade, dois auto-bondes, sendo um com bancos comodamente acolchoados.
A Firma J. Budiansky & Cia., estabelecida na cidade com agência de Corretagem e Comissões, coloca em tráfego, em 13 de junho de 1928, um auto-bonde, com circulação entre os extremos norte e sul da cidade. Ainda em 1928, J. Budiansky adquiriu, em Porto Alegre, o auto-ônibus de luxo denominado Itapuca, ficando assim dois veículos em tráfego na cidade.
Transferindo sua residência de Agudo para Cachoeira, José König, em agosto de 1930, inaugura nesta cidade um serviço de transporte coletivo urbano, colocando à disposição da população um auto-bonde com trajeto entre a Praça Balthazar de Bem e o Cemitério Municipal, fazendo também viagens extraordinárias até a Vila Oliveira.*
Juntamente com o Sr. José König, o Sr. Martim Comasseto também possuía dois auto-bondes que faziam o mesmo trajeto e, em novembro de 1931, o Sr. Comasseto inaugura uma linha de auto-bonde para o Alto do Amorim, até os trilhos da Viação Férrea.
A Prefeitura Municipal e o Sr. Theodoro Costa assinam, em 2 de março de 1934, o contrato que, de acordo com despacho proferido em dezembro de 1932, concede ao Sr. Theodoro Costa o direito à exploração do transporte de passageiros, nesta cidade, em auto-ônibus.

Empresa Theodoro Costa

Em março de 1944, é noticiado que Lourenço Anversa S/A compra a empresa de Theodoro Costa e, em julho de 1945, a nova empresa adquire um luxuoso e confortável ônibus com lugares para trinta e três passageiros.
Por Decreto-Lei n.º 62, de 11 de julho de 1947, Mário Godoy Ilha, Prefeito Municipal, declara de utilidade pública o serviço de transporte coletivo de passageiros.
João Carlos Schmidt, comerciante estabelecido à Avenida Brasil, em início de 1947, proprietário da então empresa Marabá, assume a exploração do serviço de transporte coletivo. A empresa Marabá, para melhor atender à população, possuía também quatro caminhonetas-lotação.
No intuito de também oferecer à comunidade o serviço de auto-lotação, Rafik Germanos inaugura em Cachoeira, em novembro de 1951, tal serviço, colocando à disposição da comunidade duas caminhonetas-lotação.
A partir de 8 de maio de 1954, a Empresa Nossa Senhora das Graças, assume o serviço de transporte coletivo com cinco ônibus e quatro caminhonetas-lotação.

Ônibus na Rua Sete de Setembro - Fototeca Museu Municipal

Atualmente o serviço de transporte coletivo continua sendo feito pela Empresa Nossa Senhora das Graças.

*Hoje, Bairro Oliveira.

Fonte: Informativo n.º 9, Ano 5, do Arquivo Histórico do Município de Cachoeira do Sul, janeiro/julho 2001.



Comentários

  1. Em 1948, aos domingos, eu e meu irmão costumávamos "tomar" o ônibus na Praça Balthazar de Bem e íamos até o fim da linha, no Hotel União. Nossos companheiros de "viagem" eram os vizinhos, Martha Helena e Theobaldo Becker.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne