Pular para o conteúdo principal

Exame do leite

A documentação preservada no Arquivo Histórico é preciosa, pois além de fornecer informações sobre rotinas, procedimentos, meios de vida e de organização da sociedade, vez ou outra nos transporta para práticas que buscavam soluções para melhoria dos produtos e serviços oferecidos à população ou serviam para o controle de sua qualidade. É o que podemos verificar através do Boletim de exame de leite procedido no dia 1.º de dezembro de 1912, que relatava o resultado do lacto-decímetro aplicado ao leite comercializado no Mercado Público de Cachoeira.

Mercado Público - fototeca do Museu Municipal

O boletim elenca os nomes dos produtores e vendedores de leite e o resultado do lacto-decímetro, apresentando detalhadamente o teste em dois deles, a saber:

- Coronel Isidoro Neves da Fontoura - leite com 1027
  Resultado do lacto-decímetro: 
  temperatura 22 graus
  água posta para exame 800cc
  leite 4cc
  gordura 4,5%

- Gustavo Germano Drews - leite com 1027
  Resultado do lacto-decímetro: 
  temperatura 20 graus
  água posta para exame 115cc
  leite 4cc
  gordura 6%

Os leiteiros listados eram: Francisco Costa, Carlos Krüger, Waldomiro Trindade, Joaquim Loreto Sobrinho, João André Felix, João A. da Rosa, João C. Schmidt, Affonso Gonçalves, Luiz Diefenbach, Pedro Felix da Silva, Theofilo Lobato, José C. Mausin, Gustavo Lindener, Henrique Longoni, Propicio Severo, João Alípio, Ignacio Rangel, Manoel Luiz, Arthur da Rosa, Luiz Casemiro, Carlos Gama, Felisberto Filis, Vicente Filis da Silva, Fermino Freitas, Alfredo Ristow, Florencio Corrêa, Eduardo C. Oliveira, Coronel Isidoro Neves, Gustavo Germano Drews, Carlos Schumacher, Josephina Estevam, Antonio Felis.


Documento avulso da Intendência Municipal
- 01/12/1912 -

Os resultados sobre o leite dos produtores foi encaminhado ao Engenheiro Chefe Dr. Pereira da Costa pelo empregado Freitas, lotado no Estabelecimento do Mercado Público.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en