Pular para o conteúdo principal

Moradores da comunidade São Miguel - 1922

Um abaixo-assinado remetido à Comissão Executiva do Partido Republicano de Cachoeira, em 24 de fevereiro de 1922, além de nos dar ideia da força da política partidária naqueles tempos, é excelente documento para levantamento dos moradores da comunidade de São Miguel, próximo de Restinga Seca, à época ainda distritos de Cachoeira. Os moradores de São Miguel comprometiam-se, ao assinarem o documento, a votar nos candidatos recomendados pelo "benemérito chefe do Partido Republicano Dr. Borges de Medeiros". O candidato apoiado por Borges, e consequentemente pelos moradores da localidade, era o Dr. Annibal Lopes Loureiro, que havia "prometido satisfazer as nossas justas aspirações".
Assinaram o documento:
- Ernesto Rossi
- Antonio Bolzan
- Eugenio Dotto
- Celeste Cantarelli
- Raphael Cantarelli
- Alexandre Albino Dotto
- João Rossi
- Pedro Mozzaquatro
- José Mozzaquatro
- Carlo Cirolini
- Jacob Mozzaquatro
- Luis Bolzan
- Francisco Cantarelli
- Januario Alves Faria
- Angelo Rossi
- José Cirolini
- Carlos Bolzan
- David Cantarelli
- João Busanello
- Francisco Bolzan
- Valentim Busanello
- Mariano Dotto
- Antonio Dotto
- Pedro Daniel
- Augusto Burin
- Antonio Baldissera
- Estachio Nunes
- Angelo Marin
- Augusto Noro
- João Dotto
- Valentino Pozzati
- Pedro Bolzan
- Angelo Cerolin
- Domingos Moro
- Bizomin Cerolin
- Benjamin Sbicigo [sic]
- João Bolzan
- Augusto Mozzaquatro
- José Bolzan
- David Dotto
- Angelo Dotto
- Antonio Druzian
- João Baldissera
- Silvio Juliani
- Candido Marcuzzo
- Achylles Dalforno
- David Felin
- Pedro João Venturini
- Alfredo Dalmaso
- Joze Casasola
- Luis Agostinho Zago
- Valentim Brodoni
- Antonio Beviaqua [sic]
- Federico Lovato
- Antonio Taschetto
- Alessandro Nogara
- Angelo Noro
- Angelo Geremia Lovato
- Luiz Taschetto
- João Zavareis
- Paulino Bertoluzzi
- Emilio Marin
- Antonio Bolzan
- Antonio Pozztti [sic]
- Pedro Pivetta
- João Forgiarini

Eleições - documento avulso

Assim como há o documento acima referido no acervo documental do Arquivo Histórico, existem vários relativos a eleições de distritos que pertenceram a Cachoeira e a outros municípios, constantes de relações de eleitores. Dentre eles: Colônia Nova Berlim da Forqueta, Colônia Encantado e Picada Eckert, todos pertencentes então a Lajeado; Vila de São Jerônimo, Vila de Santo Amaro, Triunfo, Taquari, Costa do Sutil, distrito de São João Batista de Camaquã, Encruzilhada e Freguesia de Candelária, então distrito de Rio Pardo. Toda esta documentação está à disposição dos pesquisadores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da

O açoriano que instalou a Vila Nova de São João da Cachoeira

O que pouca gente sabe é que a autoridade máxima que procedeu à instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira era açoriano de nascimento.  Trata-se do Ouvidor Geral, Corregedor e Provedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa, autoridade constituída que veio à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição para instalar a Vila Nova de São João da Cachoeira no dia 5 de agosto de 1820. Naquele ato, providenciou na abertura dos livros da Câmara, conduziu a escolha e a posse dos três primeiros vereadores e mandou levantar o pelourinho, símbolo da autonomia político-administrativa, segundo a legislação portuguesa. Abertura do Livro 1.º da Câmara, feita por Joaquim B. de Senna Ribeiro da Costa em 3/8/1820  - CM/OF/TA-008 - foto Cristianno Caetano Deste homem pouca coisa se sabe. Natural dos Açores, tinha sido juiz de fora da Ilha Graciosa, em 1803. Era casado com Inácia Emília de Castro Borges Leal, tendo dois filhos: José e Joaquim José.  No mesmo