Pular para o conteúdo principal

A Origem de "Grogue"

Quando ouvimos a aplicação da palavra grogue, logo pensamos em alguém que esteja sofrendo os efeitos de uma boa bebedeira, de uma pancada na cabeça ou, quem sabe, do uso de uma substância poderosa...

Pois não é que uma provável origem da palavra, quem diria, associa-se a uma história - estória para alguns - bastante inusitada que fomos encontrar nas páginas do jornal Rio Grande, de Cachoeira, em sua edição de 18 de maio de 1908?
Eis a transcrição da matéria:

ORIGEM DE GROG
--------
Faleceu em uma hospedaria, repentinamente, o opulento capitalista inglês Mr. Heo Ricard Oldam Grimmel, que fazia uma viagem de recreio com o seu primogênito Edward.
Baldados foram os esforços do desolado rapaz para obter o transporto de seu finado pai, em camara ardente, até o lugar de sua residencia.
Nenhuma embarcação a seguir viagem quiz aceitar o corpo.
----
Edward, rapaz de altos recursos, não teve desfallecimento em resolver a objeção.
Arranjou um grande tonel de aguardente de primeira qualidade, acomodou o corpo do finado progenitor dentro, despachou-o á familia, remettendo-lhe o conhecimento que rezava: barril de alcool fino, marca GROG.
Logo depois de embarcado o volume, cujo expeditor pedira para elle o maximo cuidado, por ser artigo fino, um grumete quiz certificar-se do conteúdo e com uma verruma grossa perfurou o tonel donde vasou um liquido amarellado.
Provou a bebida, achou-a magnifica e dentro em pouco toda a tripulação ia matar o bicho pelo orificio feito pelo grumete.
Tres dias eram passados e já o pobre Lord Grimmel achava-se em secco.
----
Chegada a embarcação ao ponto terminal, appareceu a bordo o segundo filho do finado lord, reclamando o corpo de seu pae.
- Não! respondeu o capitão, não conduzimos cadaveres; V. está enganado: é em outra embarcação que deve procural-o.
O moço, que vestia luto pezado, em cujo traje era imitado por umas cincoenta pessoas, que o acompanhavam, protestou assegurando que se não enganava e mostrou ao capitão o seguinte telegramma:
"Papae segue em alcool navio Kaguinche, volume marca GROG; seguirei depois de arrecadar o que aqui deixou. Façam funeraes."
Em vista de semelhante affirmativa, foi chamado o piloto e finalmente toda a população [sic], que asseverava tratar-se não de um cadaver, mas de uma excellente bebida que tinha o nome de grog.
Trazido o volume em questão para o tombadilho, com grande pasmo do consignatario e pavor da tripulação, Mr. Grimmel estava... em secco.
----
Excepção feita do commandante, todo o pessoal de bordo vomitava a um tempo, como se estivesse em alto mar!
E assim se inventou o famoso grog, das iniciais do finado lord G. R. O. G.

Verdadeira ou não a versão que o jornal de 1908 traz, o fato é que há uma bebida quente com este nome, feita à base de rum, água e açúcar.

Outra história relacionada é a de um almirante inglês, de nome Edward Vernon, conhecido por Old Grog em razão do consumo que fazia da bebida, que em 1740 teria mandado os marinheiros aumentarem a quantidade de água do preparado, menos no tonel que serviria aos oficiais!

Almirante Edward Vernon - o Old Grog
A Grogue é pouco conhecida no Brasil. Produzida em quantidade especialmente no Cabo Verde, pode ser consumida pura - tem alto teor alcoólico - ou em infusão com ervas. Na península ibérica sofre também a adição de percebes, pequenos crustáceos muito consumidos na região.

Grogue, a bebida propriamente dita, ou o sujeito que sofre os efeitos dos excessos, é mais uma destas palavras cheias de história e uma das tantas curiosidades que o rico acervo de imprensa do Arquivo Histórico nos oferece.

Comentários

  1. O Inspetor Maigret (personagem criado por Georges Simenon) com frequência é retratado entrando em um bistrô francês e pedindo um grogue, para esquentar-se nos dias de inverno.

    ResponderExcluir
  2. Então a bebida era experimentada por um dos mais conhecidos personagens das histórias policiais.
    Obrigada pelo seu comentário, Ivo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Casa da Aldeia: uma lenda urbana

Uma expressão que se tornou comum em nossos dias é a da "lenda urbana", ou seja, algo que costuma ser afirmado pelas pessoas como se verdade fosse, no entanto, paira sobre esta verdade um quê de interrogação!  Pois a afirmação inverídica de que a Casa da Aldeia é a mais antiga da cidade é, pode-se dizer, uma "lenda urbana". Longe de ser a construção mais antiga da cidade, posto ocupado pela Catedral Nossa Senhora da Conceição (1799), a Casa da Aldeia, que foi erguida pelo português Manoel Francisco Cardozo, marido da índia guarani Joaquina Maria de São José, é mais recente do que se supunha. Até pouco tempo, a época tida como da construção da casa era dada a partir do requerimento, datado de 18 de abril de 1849, em que Manoel Francisco Cardozo: querendo elle Suppl. Edeficar umas Cazas no lugar da Aldeia ecomo Alli seaxe huns terrenos devolutos na Rua de S. Carlos que faz frente ao Norte efundos ao Sul fazendo canto ao este com a rua principal cujo n

O que tinha e o que faltava na Cachoeira do Sul de 50 anos atrás...

Cachoeira do Sul, outubro de 1973. O Clube de Diretores Lojistas,  hoje Câmara de Dirigentes Lojistas de Cachoeira do Sul - CDL, lançou um "volante", o que hoje chamamos de fôlder, ressaltando as potencialidades do município.  Interessante verificar a forma como a notícia chegou aos lares cachoeirenses através das páginas do Jornal do Povo,  que circulou no dia 23 de outubro daquele ano: O QUE CACHOEIRA DO SUL TEM E O QUE FALTA O Clube de Diretores Lojistas, sempre preocupado na promoção de Cachoeira do Sul sob todos os aspectos, tomou a iniciativa de imprimir um volante, relacionando o que esta cidade tem, de destaque, e o que lhe falta. Em reunião que o CDL realizou na noite de quarta-feira, foi este assunto abordado, pois uma das grandes preocupações de Gentil Bacchin, vice-presidente do CDL, em exercício, relaciona-se com a limpeza da cidade, assunto que está merecendo novas normas da administração municipal, mas que exige maior colaboração da população. O VOLANTE O volan

Bagunça na 7

Em 1870, quando a moral e os bons costumes eram muito mais rígidos do que os tempos que correm e a convivência dos cidadãos com as mulheres ditas de vida fácil era muito pouco amistosa, duas delas, Rita e Juliâna, estavam a infernizar moradores da principal e mais importante artéria da Cidade da Cachoeira. Diante dos "abusos" e das reclamações, chegou ao subdelegado de polícia da época, Francisco Ribeiro da Foncêca, um comunicado da Câmara Municipal para que ele tomasse as necessárias providências para trazer de volta o sossego aos moradores. Rua 7 de Setembro no século XIX - fototeca Museu Municipal A solicitação da Câmara, assinada pelo presidente Bento Porto da Fontoura, um dos filhos do Comendador Antônio Vicente da Fontoura, consta de um encadernado do Fundo Câmara Municipal em que o secretário lançava o resumo das correspondências expedidas (CM/S/SE/RE-007), constituindo-se assim no registro do que foi despachado. Mais tarde, consolidou-se o sistema de emitir as corresp