Pular para o conteúdo principal

Cuidados com Sangas e Valos na Cachoeira de 1849

O cuidado com o meio ambiente não é uma prática nova, embora se saiba que fosse atitude esparsa no passado.
José Bonifácio de Andrada e Silva, o Patriarca da Independência, é sabidamente o primeiro e grande personagem da nossa história com preocupações do gênero, e isto remonta ao primeiro quartel do século XIX!
Em razão disto, o Edital abaixo reproduzido, que está preservado no acervo do Arquivo Histórico, revela atitude de bom senso e de preocupação com o meio ambiente na Cachoeira de 1849!
A nossa zona urbana está assentada em terreno cortado por muitas sangas e valos, oferecendo estes acidentes naturais barreiras ao desenvolvimento urbano. Vencer tais barreiras sem descuidar da preservação ambiental é um desafio ainda hoje. E o interessante do Edital é que ele dispõe sobre obras de aterro, exigindo que uma cobertura vegetal seja feita, em uma clara demonstração de que as autoridades do passado sabiam da necessidade de tratar com vegetação terrenos suscetíveis de desmoronamento.
Eis o texto do documento, cujos signatários foram o então Vereador Presidente da Câmara, Dr. José Pereira da Silva Goulart, médico, e o Secretário Fabiano Pereira da Silva:

CM/OF/Editais/Caixa 6 - 13/2/1849
A Camara Municipal desta Villa, manda faser publico, para conhecimento de quem convier fazer pelo menor preço, o aterro de 250 braças de vallos existentes dentro desta Villa, sendo 160 braças nos vallos da Aldeia, 16 braças nos da bica, e 74 braças nos que existem na estrada que vai para o Amorim; devendo quem se propozer faser dito aterro, plantar de leiva a extenção de 60 braças de vallo que partem da estrada que vai para o Cemiterio, até a sanga onde se conclue dito vallo, e neste lugar deverá plantar húa forte estacada de salso, para aqual estacada proporá preço separado; devendo aquem convier apresentar suas propostas nesta Camara, té o dia vinte edois do corrente mez; não excedendo estas propostas, para o aterro de todos os vallos, áq.ta de dusentos equarenta e trez mil reis, importancia designada para dita obra. E para que chegue ao conhecimento de todos, se mandou lavrar o presente edital. - Paço da Camara Municipal da Villa da Cachoeira, aos treze dias do mez de Fevereiro de 1849. - Dor. Je. Pereira da Silva Goulart Vor. Prezidente

Os editais eram afixados em local de grande afluência de público, sendo a maneira encontrada para que todos pudessem ter acesso ao disposto no documento e cumprir com os preceitos legais. Hoje, mesmo que de forma reduzidíssima em razão da multiplicidade das mídias, ainda há quem faça uso deste tipo de divulgação. Um bom exemplo disto são os nossos decantados anúncios fúnebres, que não são editais, mas da mesma forma atendem ao preceito de atingir o maior número possível de pessoas na divulgação de seus conteúdos.

Comentários

  1. Que espetáculo Mirian, vira e meche e ele reaparece, nosso velho e conhecido ancestral, Dr. Goulart, desde ontem campereava teu blog, obrigado !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, o Dr. Goulart definitivamente fez história! Abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Casa da Aldeia: uma lenda urbana

Uma expressão que se tornou comum em nossos dias é a da "lenda urbana", ou seja, algo que costuma ser afirmado pelas pessoas como se verdade fosse, no entanto, paira sobre esta verdade um quê de interrogação!  Pois a afirmação inverídica de que a Casa da Aldeia é a mais antiga da cidade é, pode-se dizer, uma "lenda urbana". Longe de ser a construção mais antiga da cidade, posto ocupado pela Catedral Nossa Senhora da Conceição (1799), a Casa da Aldeia, que foi erguida pelo português Manoel Francisco Cardozo, marido da índia guarani Joaquina Maria de São José, é mais recente do que se supunha. Até pouco tempo, a época tida como da construção da casa era dada a partir do requerimento, datado de 18 de abril de 1849, em que Manoel Francisco Cardozo: querendo elle Suppl. Edeficar umas Cazas no lugar da Aldeia ecomo Alli seaxe huns terrenos devolutos na Rua de S. Carlos que faz frente ao Norte efundos ao Sul fazendo canto ao este com a rua principal cujo n

O que tinha e o que faltava na Cachoeira do Sul de 50 anos atrás...

Cachoeira do Sul, outubro de 1973. O Clube de Diretores Lojistas,  hoje Câmara de Dirigentes Lojistas de Cachoeira do Sul - CDL, lançou um "volante", o que hoje chamamos de fôlder, ressaltando as potencialidades do município.  Interessante verificar a forma como a notícia chegou aos lares cachoeirenses através das páginas do Jornal do Povo,  que circulou no dia 23 de outubro daquele ano: O QUE CACHOEIRA DO SUL TEM E O QUE FALTA O Clube de Diretores Lojistas, sempre preocupado na promoção de Cachoeira do Sul sob todos os aspectos, tomou a iniciativa de imprimir um volante, relacionando o que esta cidade tem, de destaque, e o que lhe falta. Em reunião que o CDL realizou na noite de quarta-feira, foi este assunto abordado, pois uma das grandes preocupações de Gentil Bacchin, vice-presidente do CDL, em exercício, relaciona-se com a limpeza da cidade, assunto que está merecendo novas normas da administração municipal, mas que exige maior colaboração da população. O VOLANTE O volan

Bagunça na 7

Em 1870, quando a moral e os bons costumes eram muito mais rígidos do que os tempos que correm e a convivência dos cidadãos com as mulheres ditas de vida fácil era muito pouco amistosa, duas delas, Rita e Juliâna, estavam a infernizar moradores da principal e mais importante artéria da Cidade da Cachoeira. Diante dos "abusos" e das reclamações, chegou ao subdelegado de polícia da época, Francisco Ribeiro da Foncêca, um comunicado da Câmara Municipal para que ele tomasse as necessárias providências para trazer de volta o sossego aos moradores. Rua 7 de Setembro no século XIX - fototeca Museu Municipal A solicitação da Câmara, assinada pelo presidente Bento Porto da Fontoura, um dos filhos do Comendador Antônio Vicente da Fontoura, consta de um encadernado do Fundo Câmara Municipal em que o secretário lançava o resumo das correspondências expedidas (CM/S/SE/RE-007), constituindo-se assim no registro do que foi despachado. Mais tarde, consolidou-se o sistema de emitir as corresp