Pular para o conteúdo principal

Um ferido na Charqueada

No final do século XIX, um processo criminal tinha que vencer algumas etapas: o auto de denúncia, com descrição do crime pelo promotor; o auto de corpo de delito, exame procedido em caso de ferimentos e homicídios; interrogatório de réus e vítimas; depoimentos de testemunhas e deferimento do juiz.*

Em 1890, quando era Delegado de Polícia o Coronel Isidoro Neves da Fontoura, houve uma briga na Charqueada do Paredão e o documento abaixo revela parte do processo de averiguação.


Charqueada do Paredão - fototeca Museu Municipal
Isidoro Neves da Fontoura
- fototeca Museu Municipal
Eis o conteúdo do documento assinado por Isidoro Neves da Fontoura:


Acervo documental Arquivo Histórico: pasta Polícia

Estado do Rio Grande do Sul. Delegacia de Policia do termo da Cachoeira, 24 de Janeiro de 1890.

Achando-se n'esta Delegacia, remettido pelo Inspector do 10.º Quarteirão d'este Districto, o individuo de nome Braz Severo Pereira, ferido no Estabelecimento Paredão em o dia de hontem, em consequencia de briga, torna-se preciso proceder na pessôa do mesmo a o respectivo Auto de Corpo de delicto, para o que nomeio peritos aos Cidadãos Doutores Candido Alves Machado de Freitas e Viriato Gonçalves Vianna, que serão notificados para comparecerem hoje em minha casa de residencia afim de serem juramentos [sic], devendo a deligencia ter lugar em Seguida, ás 11 horas da manhã em presença das testemunhas Cidadãos Viriato Vieira e Alarico Ribeiro, que tambem serão notificados. Era Supra.
I. Neves

Viriato Gonçalves Vianna
- fototeca Museu Municipal

A briga não causou lesões fatais ao homem, pois o próprio agredido compareceu à delegacia de polícia para as providências necessárias. O delegado Isidoro então nomeou como peritos para procederem ao auto de corpo de delito os médicos Candido Alves Machado de Freitas, nome que viria a ser fundamental na instalação do hoje Hospital de Caridade, e Viriato Gonçalves Vianna. Ambos foram depois intendentes de Cachoeira, bem como o próprio Isidoro Neves da Fontoura. Para testemunhar o exame seria notificado Alarico Ribeiro, que fez história como escritor, tendo exercido inicialmente as funções de promotor público em Cachoeira. 

Alarico Ribeiro
- fototeca Museu Municipal
Documentos como o acima transcrito podem parecer desinteressantes, ou menos atrativos que outros, mas são significativos por revelarem atos do cotidiano e o envolvimento de homens célebres com coisas comezinhas, como sói a qualquer ser humano.

* Extraído de Elementos a serem considerados na análise de processos criminais envolvendo escravos e libertos nas décadas finais do Império, de Silvana O. Fanni.

(MR)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne