Pular para o conteúdo principal

Marista Roque: de quartel da Guarda a Ginásio Municipal

O Colégio Marista Roque está a um ano de completar seu 90.º aniversário. No ano anterior, 1928, às vésperas do início efetivo de seu funcionamento, importantes medidas foram tomadas para que Cachoeira ganhasse, a exemplo do que já havia em Santa Maria, um ginásio que oferecesse aos estudantes do município a oportunidade de optarem por um curso comercial ou ginasial que também lhes permitisse prestar exames de preparatórios para cursos superiores.

Colégio Marista Roque - colegiomarista.org.br

A primeira tentativa de estabelecimento de uma escola de orientação marista se deu em 1907, quando Irmão Climaco e Irmão Geraldo estiveram em visita a Cachoeira para escolher um local para abertura de um ginásio. No ano seguinte, foi fundado por eles o Colégio Nossa Senhora da Conceição, na Rua Saldanha Marinho, com funcionamento regular até 1914.

A segunda tentativa, muito bem sucedida, começou com a assinatura de um contrato entre a Associação Champagnat, mantenedora dos maristas, e a Intendência Municipal para cessão do prédio do antigo quartel da Intendência, erguido em 1895 na Rua Saldanha Marinho. O contrato, de 12 cláusulas, assinado em 9 de janeiro de 1928 pelo intendente em exercício João Neves da Fontoura e pelo irmão Weibert, representante do irmão provincial Geraldo, previa, dentre outras coisas, a construção pela Intendência de duas salas para aulas e fazer as reparações necessarias no predio. Enquanto funcionasse, o estabelecimento de ensino seria isento de taxas e impostos municipais e do pagamento do abastecimento de água e esgotos, correndo por conta da Associação as construcções e installações dos serviços que se fizerem. 

Ginásio Municipal Roque Gonzales  - antigo quartel da Guarda Municipal
- Fototeca Museu Municipal

Para garantir a manutenção do ginásio, a Intendência comprometeu-se a dar uma subvenção annual de treis contos de reis, desde a installação do Collegio e durante os primeiros cinco annos, podendo esta subvenção ser prorrogada por mais tempo, no todo ou em parte, se assim o entender a Municipalidade, o que ficou acertado na cláusula terceira.

A cláusula seguinte estabelecia um compromisso duplo: No decurso de dez annos, a Intendencia Municipal obriga-se a vender a Associação Champagnat pelo preço de cem contos de reis (100:000$000) o predio de que trata o presente contracto, o que veio a se concretizar em 1.º de setembro de 1938, mas não como compra e venda, mas em forma de doação da Prefeitura Municipal, representada pelo Prefeito Reynaldo Roesch, à União Sul-Brasileira de Educação e Ensino, representada pelo irmão Afonso, provincial dos maristas.

Reynaldo Roesch - Galeria de Prefeitos

A cláusula sétima do contrato determinava à Associação Champagnat a obrigação de instituir e manter, com o número necessario de professores, um curso commercial identico ao que mantem o Gymnasio Municial Santa Maria e um curso Gymnasial até o 3.º anno inclusive, de modo a que os alumnos possam prestar exames finaes de preparatorios, para cursos superiores, de accordo com a legislação correspondente, como filial do alludido Gymnasio de S. Maria. Esta cláusula foi cumprida regiamente até 1994, quando foi extinto o então curso Técnico em Contabilidade. 

As demais cláusulas previam a manutenção e conservação do prédio pela Associação, incluindo as instalações sanitárias exigidas, o estabelecimento de um internato, desde que fosse ministrado o ensino gratuitamente a dez alumnos indicados pelo Intendente Municipal, dos quaes dois internos, quando houver internato e definiam a obrigação dela installar o Collegio em março de 1929, devendo funccionar todos os cursos desde que haja matricula correspondente de 20 alumnos, pelo menos. O que foi igualmente cumprido, entrando o Gymnasio  Municipal Roque Gonzales em funcionamento a partir de 21 de janeiro de 1929. A escola mantém, até os dias de hoje, bolsas de estudos e projetos gratuitos para crianças e jovens da comunidade.

Pátio interno do colégio - aproximadamente 1929
- Acervo Colégio Marista Roque

Para as obras de adaptação do antigo prédio da Guarda Municipal para nele funcionar o ginásio a Intendência assinou, em 27 de setembro de 1928, contrato com a firma Scarano & Filhos para o serviço de construcção de um augmento no predio á rua Saldanha Marinho, destinado ao Gymnasio Municipal.

A assinatura foi firmada por José Carlos Barbosa, intendente municipal, e Miguel Scarano, sócio principal de Scarano & Filhos, vencedores da concorrência pública. O prazo estipulado para a conclusão da obra era o de 120 (cento e vinte) dias decorridos da assignatura do presente contracto, sob pena de multa de 20% sobre o seu valor.

O Colégio Marista Roque é responsável pela formação de muitas gerações de cachoeirenses e nome de referência na história da educação em Cachoeira do Sul. Mas chegou a esta condição graças às reiteradas tentativas dos irmãos maristas e à boa acolhida dos gestores municipais. Seguiram a máxima de uma antiga casa comercial - a Casa Augusto Wilhelm - que dizia: Insista, periga ter!

Fonte: IM/G/AB/C-004, pp. 34v. a 35v. e 50 a 51v.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne