Pular para o conteúdo principal

Materializando o passado

O passado pode se materializar quando lemos um documento produzido há muito tempo. As palavras, com sua força expressiva, são capazes de descrever cenários, desvendar sentimentos. Por isto história e literatura são tão próximas e tão parceiras na reconstituição do tempo.


Esta é a sensação despertada por uma ata de sessão extraordinária da Câmara Municipal que registrou acontecimento festivo do dia 31 de janeiro de 1830, época em que a Vila Nova de São João da Cachoeira se constituía de poucas ruas, almas* e fogos**. Naquele dia, os vereadores saíram trajados de gala e se dirigiram à Igreja Matriz, depois participaram de uma procissão pelas ruas. A descrição do secretário que lavrou a ata é destes registros que de fato permitem que o passado ganhe corpo:

Ata de sessão extraordinária de 31/1/1830 - CM/OF/A-002
- fl. 36

CM/OF/A-002, fl. 36v - Acervo documental Arquivo Histórico

[Anotado na folha 36]
SeSsão Extra-Ordinaria do dia 31 de Janeiro 1830 =

Dada a hora, e feita a chamada achárão-se presentes Seis Senhores Vereadores, faltando com causa o Senhor Pinto.

Declarou o Senhor Presidente aberta a Sessão.

Leu o Secretario a Acta da antecedente, que ficou approvada.
Seguio a Camara vestida de Grande Galla, a Igreja Matriz, por entre concurrencia de pôvo; ali postada huma Guarda do Bacthalhão e Estrangeiros Numero vinte e trez, commandada por hum Cappitam, e hum Tenente, estando toda a Tropa ricamente vestida, se fizerão as continencias do custume; e o Muito Reverendo vigario de Capa d’Aspergé, veio á porta da Igreja receber a Camara. Tomando a Camara aSsento mais se arrebatou pela concurrencia do Povo, e a parte, que tomárão neste festejo. As Auctoridades, vestidas de Galla Grande coadjuvárão ao brilho; fazendo realizar a elegancia com que esteve ornada a Igreja; as Alfaias as mais ricas; as luzentas Bambicullas, que tremião; o Throno illuminado, fazião recuar a vista, sucumbir a imaginação, e expontaneamente apparecia a saptisfação geral. Então emtrou a Missa Solemne, emtoada pelo Muito Reverendo vigario, seguido da melhor Musica de Paiz; expoz-se o Senhor no Trono; e na sua Expozição, e segundo o custume a Tropa deu quatro salvas, sendo de trez descargas cada huma. Nam houve Sermão por falta de Orador. No fim se emtrou o Te Deum, solemnisado pela orquestra, e muzica, seguido de trez descargas: não faltando no fogo artificial de ar, cujo estrepido reSsoava de continuo; cujo fumo, formava como que huma nuvem dença.
Emtam se recolhêo a Camara, adiada a Sessão, e ás quatro horas da tarde, achando-se reunida a Camara na Salla das Sessoens, se encaminhou a Igreja Matriz, e depois das Venias do custume princi-
[Anotado na folha 36v]
principiou a ProciSsão, seguida de todas as Irmandades, Clero, e Nobreza; e apoz a Camara, e a Guarda, correndo a Villa se notárão as Ruas matizadas de flores, e folhagens, e as janellas guarnecidas ricamente, e occupadas pelo bello sexo, ornado emtam com elegancia, e os ares estrepidando de continuo com o fogo artificial.
Recolhida a ProciSsão, ao emtrar do Sol, se emSserrou o Sacramento; todos se recolherão, e chegando a Camara a Salla das Sessoens, Declarou o Senhor Presidente feichada a SeSsão extraordinaria.

E para constar se lavrou esta Acta, em que assignárão.

Eu João Jozé da Silva, Secretario a escrevÿ ---
[Anotado rente à margem direita]
Jozé Custodio Coelho Leal
Ignacio Roiz’. de Carv.o
Antonio Xavier da Silva
Joze Gomes de Oliveira
Gaspar Fran.co Glz.’
Manoel Alvares dos Santos Pessôa


CM/OF/A-002, fls. 36 e 36v


Esta postagem homenageia a nossa colega Maria Lúcia Mór Castagnino, a Ucha, cuja aposentadoria se impôs, privando-nos de sua presença e precioso auxílio. Muitos dos documentos da nossa história passaram por ela, traduzindo e materializando as informações do passado.

Ucha transcrevendo documento

*almas: pessoas, habitantes
**fogos: casas, lares

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da

O açoriano que instalou a Vila Nova de São João da Cachoeira

O que pouca gente sabe é que a autoridade máxima que procedeu à instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira era açoriano de nascimento.  Trata-se do Ouvidor Geral, Corregedor e Provedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa, autoridade constituída que veio à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição para instalar a Vila Nova de São João da Cachoeira no dia 5 de agosto de 1820. Naquele ato, providenciou na abertura dos livros da Câmara, conduziu a escolha e a posse dos três primeiros vereadores e mandou levantar o pelourinho, símbolo da autonomia político-administrativa, segundo a legislação portuguesa. Abertura do Livro 1.º da Câmara, feita por Joaquim B. de Senna Ribeiro da Costa em 3/8/1820  - CM/OF/TA-008 - foto Cristianno Caetano Deste homem pouca coisa se sabe. Natural dos Açores, tinha sido juiz de fora da Ilha Graciosa, em 1803. Era casado com Inácia Emília de Castro Borges Leal, tendo dois filhos: José e Joaquim José.  No mesmo