Pular para o conteúdo principal

Uma capela para São João?

Quando D. João VI assinou o alvará que criou o município de Cachoeira, em 26 de abril de 1819, atribuiu-lhe o nome de Vila Nova de SÃO JOÃO da Cachoeira. É provável que as negociações que antecederam a criação da Vila tenham partido da promessa de homenagear D. João VI denominando a novel povoação com o santo de sua devoção. Um documento da época refere a gratidão 

(...) pela Alta Mercê que Vossa Majestade Inclinando seus Reaes Ouvidos as Submissas e reverentes suplicas dos habitantes desta Villa, se dignou liberalizar roborando Sua Majestade esta Graça com aotra especial deDar a esta sua Villa por Patrono o Grande Santo do Seu Immortal Nome (...)  (CM/OF/TA/-008, fl. 01).

Os anos se passaram e nenhuma reverência ao santo se verificou, esvaziando de sentido o nome da Vila. Até que em 21 de janeiro de 1830 a ata da sessão ordinária da Câmara registrou uma curiosa oferta:

CM/OF/A-002, fl. 28v

Vio-se hum Officio do Juiz de Paz da Freguezia desta Villa, João Nunes da Silva, offertando á Camara a quantia de duzentos mil reis em materiais Telha, e Tijollo para quando se houvesse de erigir a Capella de Sam Joam na Praça do Pelourinho; e que quando esta se edifficasse na rua de sua residencia podia a Camara dispôr do Terreno que precizasse; e vista a sua materia, ordenou-se ao Secretario promptificasse o Officio accusando o recebimento daquelle, declarando-se por isso na Acta, que foi recebido com especial agrado.

Certamente em razão de seu nome, o juiz de paz e juiz almotacé (encarregado da taxação dos preços dos gêneros alimentícios) João Nunes da Silva, português de nascimento, era devoto de São João e percebia a "desatenção" da vila com seu padroeiro. A oferta de recursos e materiais para levantamento de uma capela prova isto.

Outra observação interessante que se pode fazer à luz deste documento é o local oferecido, a Praça do Pelourinho (hoje José Bonifácio), o que denota verdadeiramente o deslocamento do eixo de desenvolvimento e a expansão da Vila para além dos domínios da Igreja Matriz. Outra razão era a fé do juiz que queria ter perto de sua residência um local de devoção ao santo.

A capela a São João nunca foi erguida. O santo de devoção de Sua Majestade D. João VI e do juiz João Nunes da Silva nem sequer teve força para permanecer atrelado ao nome de Cachoeira. Histórias como esta, envolvendo atos de fé e decisões políticas, são uma das tantas possibilidades oferecidas pelo rico acervo documental do Arquivo Histórico.

Que neste Dia do Patrimônio Histórico-Cultural lembremos da significação e importância que a existência e manutenção de instituições como o Arquivo Histórico podem ter para a conservação e disseminação da memória e para a afirmação da nossa identidade cultural.

MR

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne