Pular para o conteúdo principal

A Escola e Sua Messe

Em tempos de sonoras discussões a respeito da educação, sobre qual o papel da escola X o da família e sobre reduções de investimentos em área de extrema importância para a qualificação e desenvolvimento do país, vale olhar documentos do passado para perceber neles os sinais de valoração que gerações passadas emprestavam ao ato de ensinar crianças e jovens. 

Retrocedamos ao final do século XIX, mais especificamente a 28 de novembro de 1896, época em que os alunos eram submetidos a exames para avaliação de seu desempenho por uma banca geralmente constituída por autoridades reconhecidas do município (o que conferia credibilidade ao exame e ao parecer). Nos exames, orais e escritos, não restava dúvida da qualificação do aluno e, consequentemente, da eficácia do papel do professor. 

Cada exame gerava uma ata em que a comissão deixava seu parecer devidamente assinado. Pelos termos do documento, é possível verificar que disciplinas constavam do currículo e quais habilidades os alunos deviam demonstrar, o que concede um panorama da oferta de ensino daquela época.

Eis a ata de exames procedidos pela Intendência Municipal na 1.ª Aula Mista, da professora D. Emilia Praia de Sá, escolhida dentre outras tantas que há no acervo documental do Arquivo Histórico:



IM/S/SI/Atas  - Cx. 12 - 28/11/1896


Acta de exames.

Aos vinte e oito dias do mez de Novembro de 1896, a commissão abaixo assignada, constituida pela dignissima Intendencia Municipal, compareceu na sala onde funciona a 1.ª aula mixta, dirigida pela provecta professôra D Emilia Praia de Sá, e passando a proceder as provas de aproveitamento das alumnas e alumnos, que forão arguidos nas seguintes materias: calligraphia, leitura, lingua portugueza, arithmetica e geographia do Estado, pontos que forão satisfatoriamente respondidos por uma consideravel turma de alumnas e alumnos, distinguindo-se entre as primeiras, as alumnas: Alice de Almeida, Mathilde Xavier, Francisca Bemvenuto, Guilhermina Treptow, Sylvia Krieger, Jovelina Soares, Adél Pinheiro, Alfredo Rodrigues, Alice Vieira, Eloina de Almeida e Volfilda Hausen.
A maior parte das alumnas apresentaram tambem primorósos trabalhos da industria feminina, como bordados, crochets, etc. etc, que forão muito apreciados pela commissão e merecerão tanto mais attenção por serem alguns elaborados por meninas de idade muito tenra que mostrão não vulgar habilidade para delicados e bellos trabalhos concernentes ao adôrno domestico.
Portanto, a commissão não póde deixar desapercebido um vóto de louvor a digna professôra que pelo seu methodo de ensino, sua doçura maternal para com as alumnas, sua longa pratica e dedicação ao ensino faz-se credôra de toda a consideração e respeito publico.
Tambem recitou uma bella pesia a alumna D. Alice de Almeida, e um bello discurso análogo ao acto, a alumna D. Mathilde Xavier, que muito impressionou o auditorio.
Em fim, a commissão se exulta de prazer por ver que o ensino dado pela incansavel educadôra muito aproveitará a infancia e futura juventude da terra que foi nosso berço

A commissão

Tiburcio José de Magalhães.
Dionisio Pereira Porto.
Leonel Antonio de Sá.

(IM/S/SI/Atas - Caixa 12)

Além das informações de conteúdos e habilidades exigidas, o documento acima transcrito denota o tanto de respeito que a professora merecia e as qualidades que possuía, consentâneas com a sua época, quando à mulher de bem a profissão oportuna e aconselhável era a do magistério, justamente por aproximá-la, em seu exercício, das qualidades e dons de mãe. As boas alunas, seguindo a lógica daqueles tempos, necessitavam ser preparadas para a produção de objetos para o "adorno doméstico". Outros tempos e outra messe, literalmente... 

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da

O açoriano que instalou a Vila Nova de São João da Cachoeira

O que pouca gente sabe é que a autoridade máxima que procedeu à instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira era açoriano de nascimento.  Trata-se do Ouvidor Geral, Corregedor e Provedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa, autoridade constituída que veio à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição para instalar a Vila Nova de São João da Cachoeira no dia 5 de agosto de 1820. Naquele ato, providenciou na abertura dos livros da Câmara, conduziu a escolha e a posse dos três primeiros vereadores e mandou levantar o pelourinho, símbolo da autonomia político-administrativa, segundo a legislação portuguesa. Abertura do Livro 1.º da Câmara, feita por Joaquim B. de Senna Ribeiro da Costa em 3/8/1820  - CM/OF/TA-008 - foto Cristianno Caetano Deste homem pouca coisa se sabe. Natural dos Açores, tinha sido juiz de fora da Ilha Graciosa, em 1803. Era casado com Inácia Emília de Castro Borges Leal, tendo dois filhos: José e Joaquim José.  No mesmo