Pular para o conteúdo principal

Escravas em arruaça

Na época da Câmara Municipal, mais precisamente no final da década de 1880, o Delegado de Polícia do Termo da Cachoeira contratava cidadãos para exercerem o papel de polícia particular. A atribuição destes cidadãos era, pois, a de zelar pela segurança e ordem pública, reportando ao delegado toda e qualquer ocorrência que verificassem em suas rondas. Outra atribuição deles era a de verificar o estado da iluminação pública que, à época, era feita por lampiões acendidos e apagados diariamente por um encarregado especial, o acendedor de lampiões.

Uma "parte", que era assim o nome do documento emitido pelo encarregado de prestar contas da ronda ao delegado de polícia, emitida em 20 de novembro de 1887, relatou um acontecimento interessante:

DP/D-004 

Quartel da Policia Particular em Cachoeira, 20 de Novembro de 1887.

Parte:

Illm.º Sr.º

Fiz a ronda nas principaes ruas da cidade, até ás 12 horas da noite e confórme as ordens de V.S.; rondei as patrulhas compostas das praças Bento, e Victorino; Muniz e Galdino; Crescencio e Joaquim; Olimpio e Luiz Strell que achavam-se postadas em seus respectivos districtos, as quaes deram-me parte de não ter havido novidade durante o serviço das mesmas, exceptuando a patrulha Muniz e Galdino que apitando soccorro acudi logo ao lugar donde partio o apito, rua General Portinho, e ahi efectuou-se a prisão de Maria, escrava do Sr.º Barão de Kalden e de Marcellino de tal, por offensas a moral, e fiz recolher ambos á cadeia, a ordem de V.S.
Ás 8h 1/2 horas da noite mais ou menos, foram por mim presas: a preta Jacintha, escrava de D. Anna Pereira, e a parda Joaquina, fragrante, por crime de furto de farinha na padaria do Sr.º Antonio Domingos, e immediatamente fiz recolher ambas á cadeia a ordem de V.S., e cujo furto acompanha esta. A illuminação publica na rua Sete e travessas esteve bôa, a da rua do Imperador foi aceza ás 10 1/2 horas.

Deus Guarde a V.S.
Illm.º Sr.º Hilario José de Barcellos, Muito Digno Delegado de Policia deste Termo.
O sargento da policia particular,
Antero Marcellino da Silva

(DP/D-004)

O documento nos mostra como eram as rotinas envolvendo a ordem e a segurança pública da Cidade da Cachoeira em 1887. Dá o nome do delegado de polícia, Hilário José de Barcellos, descendente de tradicionais famílias cachoeirenses, informa os nomes das escravas envolvidas e seus donos, um deles o conhecido Barão de Kalden. Fornece também o nome do proprietário de uma das padarias da cidade, alvo do furto flagrado pelos agentes particulares.

O Barão de Kalden foi administrador da Colônia Santo Ângelo (de imigrantes alemães) e vereador da Câmara Municipal. Outro dado interessante fornecido pelo documento se refere aos nomes das ruas. A citação da Rua General Portinho, cuja lei de denominação ainda não foi localizada, permite saber que em 1887, ou seja, um ano depois da morte do general, aquela via já era assim batizada. A outra rua, a do Imperador, corresponde hoje à Rua 15 de Novembro. A antiga denominação vigorou enquanto o Brasil foi império, adotando o atual nome após a proclamação da República que se deu em 15 de novembro de 1889.

Mais uma vez a constatação é da riqueza de informações que um único documento pode conter. Por tudo isto, fica fácil ao leitor perceber o valor histórico que ele encerra e a importância que manter instituições como o Arquivo Histórico tem para o conhecimento do nosso passado.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da

O açoriano que instalou a Vila Nova de São João da Cachoeira

O que pouca gente sabe é que a autoridade máxima que procedeu à instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira era açoriano de nascimento.  Trata-se do Ouvidor Geral, Corregedor e Provedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa, autoridade constituída que veio à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição para instalar a Vila Nova de São João da Cachoeira no dia 5 de agosto de 1820. Naquele ato, providenciou na abertura dos livros da Câmara, conduziu a escolha e a posse dos três primeiros vereadores e mandou levantar o pelourinho, símbolo da autonomia político-administrativa, segundo a legislação portuguesa. Abertura do Livro 1.º da Câmara, feita por Joaquim B. de Senna Ribeiro da Costa em 3/8/1820  - CM/OF/TA-008 - foto Cristianno Caetano Deste homem pouca coisa se sabe. Natural dos Açores, tinha sido juiz de fora da Ilha Graciosa, em 1803. Era casado com Inácia Emília de Castro Borges Leal, tendo dois filhos: José e Joaquim José.  No mesmo