Pular para o conteúdo principal

Peste

Em tempos de sobressaltos em razão de nova peste que espreita a humanidade, o coronavírus, batizado de Covid-19, é bom lembrar que momentos como este já foram vividos inúmeras vezes.

Há 100 anos, o jornal O Commercio noticiava foco de peste bubônica na cidade, pondo em alerta as autoridades sanitárias e o povo:

Infelizmente a peste bubonica, que fôra considerada extincta nesta cidade, reappareceu n'um novo fóco á rua Moron, nos predios n.os 57 e 59.
Esses predios ficam muito proximos ao do sr. José Nunes de Castro, á mesma rua, onde enfermaram gravemente, de peste bubonica, em Janeiro, o sr. Aristodemo Accorsi e sua exma. esposa, que felizmente se restabeleceram.
A nova irrupção da peste nos predios n.os 57 e 59 foi precedida de grande mortandade de ratos e gatos. O primeiro doente atacado de peste nesse predio foi d. Justina Peres, a qual foi attendida pelo dr. José Felix Garcia, e falleceu no 3.º dia depois de ter adoecido. Dias depois enfermou a senhorita Luiza Wolff, de 18 annos de idade, que foi medicada pelo dr. Ricardo d'Elia, sendo tambem attendida em conferencia pelo dr. Bruno de Campos. Essa desventurada moça, attingida pela peste em plena saúde e na flôr da idade, tambem falleceu no 3.º dia de molestia. No mesmo predio residia a preta Rosalina dos Santos, a qual, atacada pela peste na semana ultima, falleceu no domingo, tendo sido tratada pelo dr. Alberto Gradim. Ainda no mesmo predio existe atacado pela peste, em estado grave, o joven Gustavo Wolff, de 16 annos de idade, irmão da finada Luiza Wolff, já victimada pela referida molestia.
Como se vê, o novo fóco já atacou a quatro pessoas, tres das quaes falleceram, estando o outro enfermo em perigo de vida, sob o tratamento do dr. Balthazar.
O governo do Estado e o do municipio, informados do occorrido, determinaram energicas providencias, afim de debellar o mal, não permittindo que Cachoeira hospede a bubonica em estado chronico, como, infelizmente, tem acontecido em outras cidades.
Chegou de Porto Alegre, no dia 7, um desinfectador da hygiene, que tem distribuido veneno para ratos e pó de mosquito á população. Os predios, onde ocorreram casos de peste, serão demolidos, caso não permittam, pelas suas más  condições, uma perfeita impermeabilisação do sólo.
Não podemos regatear applausos á autoridade sanitaria nas medidas de rigor a serem tomadas. Cachoeira infelizmente ainda possue, no seu centro mais povoado, velhissimos predios, incompativeis com o nosso gráu de progresso, , e que, pelas suas pessimas condicções de asseio, são verdadeiros  viveiros de ratos, promptos a tornarem-se, n'uma circumstancia como a actual, em terriveis fócos de peste, a diffundir a epidemia pela cidade. E, por uma estranha circumstancia, pertencem elles a pessôas abastadas, que, pela sua conservação, estão impedindo o progresso da cidade e constituindo uma ameaça á saúde publica.
Felizmente, ao que sabemos, o illustre dr. intendente municipal tomou severas medidas para que taes predios, muitos delles já ameaçando ruinas, sejam immediatamente demolidos. O governo do Estado, por sua vez, está seriamente empenhado para que rigorosas medidas de saneamento libertem o Rio Grande do flagello da peste.
Cumpre que a nossa população auxilie a acção dos poderes publicos. É sabido que o rato é o primeiro animal atacado pela peste. Infeccionado este, a pulga, que elle sempre hospeda, passa ao homem que é por sua vez infeccionado. Tudo, portanto, que contribuir para matar os ratos e as pulgas, deve ser feito. As casas devem ser trazidas no mais rigoroso asseio, lavadas com agua creolinada. Deve ser distribuido veneno aos ratos, podendo as pessoas pobres procural-o na intendencia municipal. Com a acção conjuncta dos poderes publicos e da população, esperamos que a bubonica desappareça para sempre de Cachoeira. 


O Commercio, 10/3/1920, p. 1

Como costuma acontecer com epidemias, as primeiras medidas sempre devem partir da população, no sentido de manter o asseio pessoal e de suas habitações. Com a terrível Covid-19 não é diferente. Casos como da peste bubônica, da gripe espanhola, do H1N1 e do próprio coronavírus, ainda que paire sobre eles uma grande distância de tempo, guardam a mesma essência: seu combate começa pela higiene e medidas de prevenção.

MR

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne