Pular para o conteúdo principal

Um livro para o centenário de Cachoeira

Em 1920, ano do primeiro centenário da instalação do município, uma das pretendidas formas de comemorar vinha do conhecido pesquisador Aurélio Porto, filho de Cachoeira e por muitos anos residente e atuante na vida local.

O jornal O Commercio, de 28 de julho de 1920, traz a seguinte notícia:

Centenário de Cachoeira.- Esteve na capital o coronel Aurelio Porto, obtendo os ultimos dados, no Archivo e outras repartições publicas, para a terminação de um livro de sua lavra sobre historia e geographia deste municipio.
Essa incumbencia foi commettida ao coronel Aurelio, pela commissão central do centenario desta cidade, a ser commemorado em 12 de outubro vindouro.
A obra, que conterá de 250 a 300 paginas, será illustrada, com retratos dos vultos de maior destaque da historia cachoeirense, abordando, em minucioso estudo, todas as phases da evolução historica deste municipio, desde as mais remotas noticias de sua fundação, em 1735.

A obra pretendida por Aurélio Porto para comemorar o primeiro centenário de Cachoeira não foi ao prelo, mas é provável que parte da pesquisa que ele empreendeu para a publicação tenha sido aproveitada dois anos depois, quando Benjamin Camozato lançou o Grande Álbum de Cachoeira. Em comemoração ao primeiro centenário da independência do Brasil, o álbum começa com o Cachoeira. Resumo Historico por Aurelio Porto (do Instituto Histórico e Geographico do R. G. do Sul).

Grande Álbum de Cachoeira, de Benjamin Camozato - 1922
A comissão que havia encomendado a publicação a Aurelio Porto era composta por: Dr. Annibal Loureiro, presidente; Dr. Balthazar de Bem, Dr. João Neves da Fontoura, Padre Luiz Scortegagna, Manoel Fialho de Vargas, David Soares de Barcellos, Isidoro Neves da Fontoura, Francisco F. N. da Gama, Dr. Arlindo Leal e Pedro Werlang, secretário geral. Seu propósito maior era envolver toda a comunidade em festejos que salientassem Cachoeira, culminando com uma grande exposição industrial marcada para 12 de outubro.

Membros da Comissão Diretora das Comemorações do 1.º Centenário:
1 - Dr. Annibal Loureiro, 2 - Dr. Balthazar de Bem, 3 - Dr. João Neves da Fontoura,
4 - Pe. Luiz Scortegagna, 5 - Manoel Fialho de Vargas, 6 - David Soares de Barcellos,
7 - Isidoro Neves da Fontoura, 8 - Francisco Fontoura Nogueira da Gama.
- Fototeca Museu Municipal
O resumo histórico feito por Aurélio Porto, ainda que em texto reduzido, reflete uma grande pesquisa. Transcorridos cem anos, suas informações seguem norteando o entendimento do processo que conduziu Cachoeira à sua emancipação e instalação como município.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne