Pular para o conteúdo principal

Registros de marcas de gado

Há no acervo do Arquivo Histórico, tanto nos fundos Câmara e Intendência Municipal, que estão indexados, quanto no conjunto documental da Prefeitura, livros e documentos avulsos registrando marcas de gado dos criadores cachoeirenses. Além de fornecerem os nomes dos pecuaristas e os locais de criação, tais documentos trazem os desenhos que serviam de marcas para o gado, identificando sua procedência e propriedade. 

Da infinidade de desenhos empregados na identificação das reses, há padrões que se repetem, normalmente associados à figura do animal, a números ou às iniciais dos proprietários. 

O primeiro livro de marcas de gado traz o título Registo das marcas e signaes dos creadores, residentes no Municipio da Villa da Cachoeira, em virtude dos Art.os 25 e 26 da Lei Prov.cal n.º 203 de 12 de Desembro de 1850, estando subdividido em Datas dos registos / Nomes dos creadores / Estancieiro, chacareiro ou piq.no creador / Em que Destricto / Nome de sua Fazenda / Desenho das marcas / Explicação dos Signaes. A riqueza deste volume é tanta que é possível levantar várias informações históricas interessantes sobre a pecuária, atividade que serviu para embasar o desenvolvimento econômico de Cachoeira.

Livro de marcas (1850) - CM/S/SE/RM-001

O criador Sinfronio Vieira dos Santos foi o primeiro criador a ter lançamento no referido livro, cuja data de registro foi a 26 de março de 1851. Sinfronio era estancieiro no segundo distrito, proprietário da Fazenda Barro Vermelho e usava como sinais ou marcas uma palmatoria em uma orelha e mossa para baixo em outra.

Marca de gado de Sinfronio Vieira dos Santos (seta) - 1851

Um requerimento de 23 de novembro de 1895 solicita registro de marca em nome de Aurora Amalia d'Oliveira, filha de Anastacio Pedroso d'Oliveira, criador residente no segundo distrito. Com a marca desenhada à margem esquerda do documento, o criador, em nome da filha, pede o registro, dizendo que com cuja marca, a mesma marca todos os animaes de sua propiedade. A marca em questão traça as iniciais AP.

IM/S/SRM - Requerimentos - Caixa 12

Há uma imensa variedade de marcas e sinais registrados nos livros correspondentes e requerimentos, sendo alguns bastante curiosos, constituindo-se documentos preciosos para a identificação daqueles que ao longo da história de Cachoeira do Sul tiveram na pecuária a sua atividade econômica.

Vez ou outra, algum pesquisador recorre ao Arquivo Histórico atrás desse rico material, como foi o caso de Helmut Weibben, de Santa Maria, cuja pesquisa ocorreu antes da atual pandemia. Levou consigo ótima impressão da qualidade e pluralidade do acervo disponível.

Pesquisador Helmut Weibben


MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne