Pular para o conteúdo principal

Ponte do Jacuí

A Ponte do Jacuí, uma das obras mais demoradas e cheia de percalços da nossa história, estava fadada a não funcionar desde que começou a ser planejada. Depois de mais de duas décadas da concorrência para a sua construção, que se deu em 13 de julho de 1849, vencendo Ferminiano Pereira Soares a licitação, só em 1871 ela foi concluída por outro empreiteiro, Giuseppe Obino. 

Pilares da Ponte do Jacuí - foto Méia Albuquerque


De uso efetivo, a Ponte do Jacuí perfez o período de 1871 a 1894, quando um incêndio de seu leito, atribuído a revolucionários, decretou a sua inutilidade.

Logicamente que a supressão de tão importante meio de circulação e acesso causou na municipalidade sérias consequências, especialmente na economia da região.

Em 25 de setembro de 1900, um documento da Secretaria de Negócios das Obras Públicas do Estado do Rio Grande do Sul referiu necessidade de conserto na ponte, ficando a cargo do município de Cachoeira a sua conservação. No ano seguinte, a 23 de março, a mesma secretaria estadual fez nova solicitação à Intendência, pois já era visível o desmoronamento de um pilar, sendo notória a falta de reboco junto à sapata.

Provavelmente nada foi feito, pois em 11 de dezembro de 1906, o intendente do município foi informado ter o estado contratado reparos provisórios, dependendo o início das obras da chegada das madeiras necessárias que deveriam ser adquiridas pela municipalidade.

Quatro anos depois, em 2 de abril de 1910, o secretário de Estado dos Negócios das Obras Públicas oficiou a Intendência de Cachoeira informando que havia mandado fazer um exame da Ponte do Jacuí para as devidas providências de conserto, relembrando ao intendente que a madeira a ser fornecida deveria ser cortada de maio em diante até julho.

 

Ofício de 2/4/1910 - IM/OPV/CCP/Ofícios - Caixa 16


Em 23 de julho, o estado comunicou que devido ao fato de montar a uma quantia elevada o corte e falquejo da madeira a obra não poderia ser providenciada... 


Ofício de 23/7/1910 - IM/OPV/CCP/Ofícios - Caixa 16


Na imprensa local, seguidamente havia queixas da população pelo abandono da ponte e a extrema necessidade de sua recuperação. A respeito disso, assim publicou o Rio Grande de 20 de setembro de 1911, em sua página dois:

Ponte do Jacuhy. Attendendo as justas reclamações do povo, a directoria da viação da Secretaria de Obras Publicas está providenciando para a substituição da superestructora de madeira da ponte do rio Jacuhy por outra metalica. É esta a mais intensa aspiração dos moradores do nosso municipio cuju [sic] transito por esta ponte impõe-se como uma das mais imperiosas necessidades. Registrando esta nova o Rio Grande que servindo de echo ao povo dirigiu em suas columnas esta justa reclamação ao benemerito governo do Estado, satisfeito, deseja que esses trabalhos sejam activados o mais breve possivel.

O resto da história todos nós sabemos. Como o dito popular: "Nem mel, nem porongo".

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne