Pular para o conteúdo principal

Sua Majestade O Álcool

Um dos mais combatidos vícios do ser humano é o alcoolismo. A pandemia que assola o mundo desde 2020 serviu também para aumentar o consumo de álcool entre as pessoas. No Brasil, segundo pesquisa feita com mais de 40 mil internautas, 18% deles revelaram estar bebendo mais durante a pandemia, contribuindo para potencializar os problemas advindos dessa prática. 


blog.bancadoramon.com.br

Atravessam-se as eras e a luta para convencer as pessoas dos efeitos nefastos do álcool segue a mesma. Isto pode ser comprovado pela matéria publicada no jornal O Commercio de 24 de abril de 1900, reproduzindo texto do jornal Patria, de Rio Pardo, escrito por Catulle Mendes. Apesar dos 121 anos que separam a publicação dos nossos dias, ainda assim o texto mantém a atualidade, pois apesar do tempo decorrido e dos novos hábitos e vícios que surgiram o álcool segue soberano em suas "conquistas".

S. M. O ALCOOL

"Me conheceis?... Eu sou o principe de todas as alegrias; o companheiro de todos os gozos modernos, o mensageiro da morte, o principe que governa o mundo.

Eu estou presente em todas as cerimonias e nenhuma reunião tem lugar sem a minha presença.

Eu fabrico os ciumes, faço nascer nos corações os pensamentos máos, mancho os lugares, sou pae dos filhos sem pae, enveneno a raça, trago o envelhecimento, a depravação, os suicidios, a loucura, o crime em todas as suas formas imaginaveis.

Eu acábo com as familias, persigo os avós nos netos, faço perder a vergonha, a dignidade, a honra, a boa educação.

Eu ponho um véu sobre os olhos, sobre a consciencia e faço apparecer o crime como vingança, a abjecção como dignidade, a immoralidade como passa tempo, o adulterio como conquista galante.

Eu tenho ganho mais victorias que Alexandre, hei junguido [sic] mais povos ao meu carro que Roma, hei dominado mais povos que Attila.

Eu faço os deputados, obtendo-lhes votos para que façam leis que augmentem meu reino, que é de toda a terra.

Eu aspiro converter o mundo em um hospital, em um manicomio, em um circo onde estejam encerrados tigres, asnos, porcos, falcões e abutres, quero sangue, desolação, ruina, leviandades, rancores, guerras, desesperos e blasphemia.

Eu estou em todas as partes, conheço as frias regiões da Laponia e Siberia, as ardorosas do Egypto e Italia: tenho origem no trigo, arroz, o milho, a cevada, o succo da uva, a vide [sic], o leite, minha patria é a terra, meus escravos os homens, o que me envia o principe do mal.

Eu sei que me conheceis, porém não quereis declarar o meu nome, porque todavia vos resta o pudor dos homens, ja que haveis perdido dos factos.

- Eu sou vosso rei.

Eu sou D. Alcool!!

Parte da publicação em O Commercio, 25/4/1900, p. 2

O consumo moderado de bebidas alcoólicas não oferece maiores riscos à integridade física e à saúde. O problema surge quando o álcool se torna um hábito. A sociedade padece os efeitos dos vícios que a acometem, seja em que tempo for. O importante é conscientizar as pessoas das consequências das suas ações, tanto individual como coletivamente.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne