Pular para o conteúdo principal

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo.

Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo:

Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi participarão de atraente "show"

Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4.



Rainha do Carnaval de 1952 - 
Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1

Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary

Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante espetáculo do Carnaval de 1952, reunindo numa festa deslumbrante os associados de todos os clubes locais, num cenário original e encantador. Os jardins da Rádio Cachoeira do Sul se engalanarão festivamente, enchendo-se de luzes e de motivos decorativos notáveis. Enfim, um cenário condizente com a magnificência da festa.

Atrações

Os promotores da sensacional noitada de sábado, não esqueceram detalhes, nem pouparam esforços para abrilhantar o "Garden-Party". A magnífica festa de depois de amanhã, não será um espetáculo para os olhos. A animação do "Garden-Party" será assegurada pela excelência do conjunto musical que o animará e, além da coroação da "Rainha do Carnaval de 1952 - ponto culminante da deslumbrante festa - cuidou a direção da ZYF-4 em apresentar nesta cidade, vários cartazes fulgurantes da radiofonia nacional.

Assim, teremos em movimentado "show" que precederá o "enfeza", o aplaudido sambista Miltom Moreira, atualmente cumprindo contrato na Rádio Farroupilha de Pôrto Alegre. E como presente régio, aos foliões da cidade, pela primeira vez serão apresentados a Cachoeira astros da televisão: a famosa dupla Felix - Sérgio e Luzia - fulgurantes cartazes da Televisão Tupi, de São Paulo.

O programa da festa, descrito pelo jornal, teria início às 23 horas com o desfile das quatro candidatas ao título de Rainha do Carnaval de 1952, sucedido pelas apresentações dos artistas.

As quatro candidatas à rainha eram Ila Lara, representando o Clube Comercial, cuja apuração às vésperas da escolha bateu em 14.591 votos; Nair Jardim, pelo Grêmio Náutico Tamandaré, com 7.629 votos; Eloy Porto Crespo, representante do Clube União Familiar, com parcial de 6.939 votos, e Vera Matte, disputando em nome da Sociedade Rio Branco computava 4.410 votos.


Candidatas e seus votos - Jornal do Povo, 14/2/1952, p. 4

O Jornal do Povo, na mesma edição de 14 de fevereiro de 1952, apresentou o panorama da disputa entre as candidatas:

Em 5 apurações, três candidatas se alternaram na 1a. colocação do sensacional certame para eleger a "Rainha do Carnaval de 1952" que será coroada no "Garden-Party" de sábado: Nair Jardim (Grêmio Náutico Tamandaré), Eloy Porto Crespo (Clube União Familiar) e Ila Lara (Clube Comercial). Sómente a candidata da Sociedade Rio Branco não alcançou até agora posição de destaque na votação, o que sugere uma interrogação - o que é que há com os associados do Rio Branco? - e também faz prever que, nas últimas apurações, é bem provável que os votantes de Vera Matte, preparem uma grande surpresa, nesta eleição que irá demonstrar a pujança dos quadros sociais dos clubes da cidade.

Arrancando sensacionalmente na 4a. apuração, Ila Lara sobrepujou a candidata do União Familiar e, na apuração anunciada ontem, não perdeu a liderança, embora perdesse na apuração para Nair Jardim que avançou para a vice-liderança.

O jornal também esclareceu que os votos deveriam ser depositados nas urnas distribuídas pelas firmas apoiadoras até as 12h de sábado, dia 16 de fevereiro.

Eram as seguintes as firmas: Casa Bacchin, Casa Bastos, Alfaiataria A Fidalga, Casa Pereira, Oficina Rádio, Casa das Sombrinhas, Casa Elétrica, Casa Cantarelli, Antonio Cauduro & Cia. Ltda., Gerd W. Müller, Casa Colombina, Confeitaria Webster, Drogaria Vasco, Casa Geraldo, Casa Rex, Joalheria Feldmann, Casa Colombo, T. C. Burmeister, Assis R. Brandt, Casa Princesa, Sociedade de Criadores e Invernadores Ltda., Casa Alice, Tecelândia; Fogliatto, Spilimbergo & Cia. Ltda., Farmácia São José, Casa Americana, Pedro Emilio Breyer.

Na noite de sábado, 16 de fevereiro, com multidão que tomou conta da frente da Rádio Cachoeira do Sul, procedeu-se ao "Garden-Party" nos jardins da emissora e à coroação da rainha. 

Segundo o Jornal do Povo de 21 de fevereiro de 1952, O Garden-Party constituiu um espetáculo sem precedentes na vida social da Princesa do Jacuí. Os jardins da Rádio Cachoeira do Sul, inundados de luz, repletos de balões e serpentinas, foram cenário de uma noitada inesquecível.

Ila Lara, candidata do Clube Comercial, venceu a votação e conquistou a coroa de Rainha do Carnaval de 1952, somando 85.067 votos. Sagraram-se princesas Vera Matte, com 60.475, Nair Jardim, com 48.279, e Eloí [sic] Pôrto Crespo, com 44.407 votos.

Capa do Jornal do Povo de 21/2/1952

Como se vê, há 70 anos Cachoeira do Sul viveu um de seus mais glamourosos carnavais. E isto foi possível graças à conjugação de esforços das sociedades locais, da imprensa, do rádio e de empresas da comunidade, proporcionando ao povo cachoeirense não só espetáculos de renome do cenário radiofônico e televisivo do país, como também valorização e destaque às jovens beldades que em saudável disputa engrandeceram ainda mais o carnaval.

MR

Comentários

  1. Boa noite, por acaso teria algo de fotos de como era, funcionários, museu do zoológico municipal entre os anos de 2000 a 2002?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da

O açoriano que instalou a Vila Nova de São João da Cachoeira

O que pouca gente sabe é que a autoridade máxima que procedeu à instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira era açoriano de nascimento.  Trata-se do Ouvidor Geral, Corregedor e Provedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa, autoridade constituída que veio à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição para instalar a Vila Nova de São João da Cachoeira no dia 5 de agosto de 1820. Naquele ato, providenciou na abertura dos livros da Câmara, conduziu a escolha e a posse dos três primeiros vereadores e mandou levantar o pelourinho, símbolo da autonomia político-administrativa, segundo a legislação portuguesa. Abertura do Livro 1.º da Câmara, feita por Joaquim B. de Senna Ribeiro da Costa em 3/8/1820  - CM/OF/TA-008 - foto Cristianno Caetano Deste homem pouca coisa se sabe. Natural dos Açores, tinha sido juiz de fora da Ilha Graciosa, em 1803. Era casado com Inácia Emília de Castro Borges Leal, tendo dois filhos: José e Joaquim José.  No mesmo