Pular para o conteúdo principal

1834 - situação dos presos na Vila de Cachoeira

Apesar de estarmos em pleno século XXI e da imensa evolução proporcionada pelo desenvolvimento da ciência e da tecnologia, quando o assunto é o sistema carcerário brasileiro os problemas ainda parecem longe dos avanços experimentados pela era contemporânea. Entre 2014 e 1834, 180 anos nos separam. Os presos de hoje têm muitas benesses, mas as condições de nossas cadeias atuais não diferem muito daquelas do século XIX.

Manuseando documentos relativos à cadeia em Cachoeira, eis que surge um ofício datado de 22 de dezembro de 1834, remetido para a Câmara de Cachoeira pelo Presidente da Província, Antônio Rodrigues Fernandes Braga, referindo a denúncia do carcereiro sobre o estado deplorável dos presos da cadeia da Vila.

Eis o teor do documento:

Enviando-me o Juiz de Direito huma reprezentação do Cacereiro da Cadeia dessa Villa, sobre o deploravel estado a que se achavão reduzidos os prezos, dormindo no chão por não haver huma só tarimba, jazendo na escuridão da noite sem luzes, e esfaimados com huma diminuta comida de vinte em vinte quatro horas; convem que Vmces., fazendo proceder a exame na caza da prizão, mandem organisar hum orçamento da despeza, a que poderá montar a construcção de tarimbas na dita Caza, informando-me a respeito do mais expendido na dita reprezentação; afim de dar as providencias que estiverem ao meu alcance.
Deus Guarde a Vmces.
Porto Alegre 22 de Dezembro de 1834.

Antonio Roiz. Fenz. Braga

A história nos mostrou que a Vila ainda levaria 30 anos para acomodar os presos em uma casa própria para a cadeia... E esta casa, que também era a sede da Câmara e do Júri, veio a se tornar o nosso bem tombado e atualmente conhecido como Paço Municipal, na Praça Dr. Balthazar de Bem.

Câmara Municipal/Série C: Obras e Melhoramentos/Subsérie 2: Ofícios/Caixa 5

Comentários

  1. O Presidente Antonio R.Fernandes Braga estava no cargo no inicio da Guerra dos Farrapos em 35....??????

    ResponderExcluir
  2. A grafia que abreviava dois sobrenomes daquele presidente da província: Antonio Roiz. Fenz. Braga, (Antonio Rodrigues Fernandes Braga) deve-se ao nome correto ser Rodriguez (com Z) e Fernandez (com Z)?

    ResponderExcluir
  3. Se a fonte da informação for confiável: "Quando Bento Gonçalves marchou para Porto Alegre em 20 de setembro de 1835, o presidente Fernandes Braga se refugiou na cidade de Rio Grande, que tornou-se assim a base principal do Império do Brasil no Rio Grande do Sul. Os farroupilhas empossaram Marciano José Pereira Ribeiro como novo presidente. Fernandes Braga teria sido presidente da província entre 2 de maio de 1834 e 21 de setembro de 1835.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Adeus, Guarany!

O Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul, organizado por José Pacheco de Abreu em 1963/1964, traz em sua página 18 um anúncio do Hotel Guarany: Guia Geral do Município de Cachoeira do Sul , de José Pacheco de Abreu (1963/1964) Hotel Guarany - de - ARTHUR MENEGHELLO Situado no ponto mais central da cidade, dispondo de excelentes acomodações, com água corrente em tôdas as suas dependências e com banhos quentes e frios, oferece todo confôrto aos senhores viajantes e exmas. famílias. DIÁRIAS COM OU SEM REFEIÇÕES -o- Rua Julio de Castilhos, 118 - Fone 212 CACHOEIRA DO SUL - R. G. do Sul O Hotel Guarany foi sucessor do Hotel Savoia, do mesmo proprietário Arthur Meneghello, na Rua Júlio de Castilhos, 118 e anteriormente 90, localização apropriada em razão da proximidade da estação ferroviária. Hotel Savoia - Cachoeira Histórica e Informativa, p. 52 (1943) Hotel SAVOIA - de - ARTHUR MENEGHELLO RUA JULIO DE CASTILHOS, nº 90 Telefone 212 CACHOEIRA Rio Grande do Sul Quartos espaçosos e higie

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne