quinta-feira, 21 de novembro de 2013 | By: Arquivo Histórico de Cachoeira do Sul

Cariocas com raízes cachoeirenses visitam Arquivo Histórico

O Arquivo Histórico recebeu na quinta-feira, dia 14 de novembro, a visita de um grupo de cariocas com raízes cachoeirenses que vieram visitar a terra dos antepassados em busca de informações históricas e genealógicas.
São eles descendentes das famílias Lauer, Stringuini e Cruz Lima: Carlos Henrique da Cruz Lima, Sérgio Augusto de Lima e as esposas Martha Morato e Terezinha Maria Barcelos Esteves.
Em sua visita ao Arquivo, fizeram buscas nos jornais O Commercio e Rio Grande, década de 1910, consultaram outras publicações históricas, como o Grande Álbum de Cachoeira, de Benjamin Camozato, e conversaram com as pesquisadoras da instituição sobre fatos históricos ligados à sua família em Cachoeira do Sul.
Carlos Henrique da Cruz Lima, que incursiona na literatura, aproveitou a visita para presentear as servidoras do Arquivo Histórico com duas de suas últimas obras.
O Arquivo Histórico, como é da natureza de suas atribuições e de seu acervo, cumpriu, mais uma vez, seu papel além-fronteiras de Cachoeira do Sul.

Terezinha Esteves e Martha Morato

Carlos Henrique da Cruz Lima e Sérgio Augusto de Lima
conversam com a pesquisadora Ucha Mór

sexta-feira, 8 de novembro de 2013 | By: Arquivo Histórico de Cachoeira do Sul

Grades do Cemitério - recortes da história que se preserva

A construção de um outro cemitério para Cachoeira ensejou muitas avaliações e estudos por parte da administração municipal, pois o Cemitério das Irmandades Conjuntas, inaugurado em 1833, já não dava conta dos sepultamentos, além de ser administrado pela Igreja Católica, limitando assim os serviços aos seguidores deste credo.
A decisão sobre o local de instalação do Cemitério Municipal, após análises feitas por uma comissão especialmente nomeada para este fim, recaiu sobre o Alto dos Loretos. Assim sendo, as obras tiveram  começo entre o final da década de 1880 e o início da de 1890. 
Farta documentação há no Arquivo Histórico detalhando todo o processo que envolveu a obra. Em um destes conjuntos documentais destaca-se um ofício de 19 de março de 1890 remetido à Junta Municipal pela Fabrica de Coffres de Ferro e Serralharia E. Berta, de Porto Alegre, famosa até os dias de hoje pela fabricação de cofres de aço, remetendo proposta e desenhos para fornecer ao Município 84 metros de grades de ferro, divididas em 21 partes iguais de 4 metros de comprimento, sendo cada parte constante de 25 varões de ferro redondo, espessura de 5/8 polegadas, com 1,20 metros de altura.

Ofício de E. Berta & Cia. oferecendo seus serviços em ferro

Chama a atenção, nestes dias de programas específicos de computação para elaboração de todo tipo de projeto, incluindo-se design de peças, os desenhos feitos a lápis que conservam preservados com nitidez os traços das grades que ainda podem ser avistadas nos muros do antigo Cemitério Municipal, cuja inauguração oficial se deu no ano de 1891.

Desenho das grades de ferro do Cemitério - projeto E. Berta & Cia.
Ponteiras das grades

Fonte: Fundo B: Junta Municipal/Série C: Obras e Melhoramentos/Subsérie 1: Dossiê do Cemitério/Caixa 1: 19/03/1890.