sexta-feira, 28 de abril de 2017 | By: Arquivo Histórico de Cachoeira do Sul

1.º de Maio - Dia do Trabalho

Não passará despercebido entre nós o dia de hoje, o popular 1.º de maio, consagrado por todos os operarios do mundo civilizado á glorificação do trabalho.
As dignas sociedades "Liga Operaria Internacional Cachoeirense e Beneficente 1.º de Maio" festejal-o-ão devidamente, bem como a laboriosa classe operaria desta cidade.


A nota acima, extraída da edição do jornal O Commercio do dia 1.º de maio de 1901, dá mostras de que Cachoeira, então com duas entidades ligadas aos trabalhadores, não deixava passar em branco o Dia do Trabalho. A Sociedade Beneficente Liga Operária Cachoeirense foi fundada em 1.º de novembro de 1897 e a União Operária 1.º de Maio em 25 de fevereiro de 1900; ambas possuíam, em seu quadro de associados, trabalhadores oriundos de diferentes categorias, como indústria, comércio, profissionais liberais, pequenos proprietários, advogados, médicos, militares.


Maestro Roberto Silva
- fundador e 1.º presidente da Liga Operária Internacional Cachoeirense
- gentileza Sérgio  M. da Silva Pacheco

Um livro de contribuições de sócios da Sociedade Beneficente União Operária 1.º de Maio, com registros a partir de 1910, doado ao Arquivo Histórico, confirma a natureza diversa dos associados, verificando-se na listagem, além de operários, nomes de comerciantes, médicos, farmacêuticos, criadores, bancários e outros.

Livro de contribuições de sócios da Sociedade Beneficente União Operária 1.º de Maio
-  acervo Arquivos Particulares do Arquivo Histórico - 

Segundo Ícaro Bittencourt, em seu trabalho O Mutualismo Operário em Cachoeira (1897-1923): o Caso das Sociedades Beneficentes Liga Operária Cachoeirense e União Operária 1.º de Maio*, UFSM, Santa Maria, 2008, as comemorações do 1.º de Maio em Cachoeira começaram em 1899, ano em que a Liga Operária instituiu em ata a celebração da data com festividades. No ano seguinte, o jornal O Commercio registrou que a classe operária da cidade não deixou passar despercebido o tradicional 1.º de Maio, dando a entender que se tratava de comemoração levada a efeito com regularidade. Segundo a análise de Ícaro, a nota publicada em 1901 fornece elementos interessantes para a percepção da representação da data na Cachoeira do início do século XX, quando em outras cidades as manifestações já começavam a se revestir do propósito de protesto e contestação das condições dos operários:

(...) a partir do adjetivo "popular" é destacado o caráter de aceitação da data entre a sociedade cachoeirense além de, com ele, retirar o caráter classista do dia. Corroborando também essa noção, está a expressão que afirma ser o 1.º de Maio "consagrado à glorificação do trabalho", atribuindo-se a este uma sacralidade, afastando-se da realidade histórico-cultural de exploração. Além disso, os adjetivos "civilizado" e "dignas" e o advérbio "devidamente" representam os horizontes de conduta a serem seguidos pelos operários. A palavra "devidamente" provavelmente indica a comemoração como festa e não como protesto, como acontecia em outras cidades do Rio Grande do Sul e do Brasil nesses anos, ou seja, quem não comemorasse a data devidamente não era integrante do "mundo civilizado". Também a expressão classe operária é adjetivada como "laboriosa", podendo indicar que existissem, dentro da compreensão do jornal, operários que não trabalhassem ou que, provavelmente, fossem desordeiros.

Os tempos mudaram, as classes operárias se fortaleceram, especialmente com a legislação que ora rege o mundo do trabalho e, na esteira disto, as relações entre patrões e empregados passaram por diferentes momentos. Contudo, ambas as entidades operárias de Cachoeira - a Sociedade Beneficente Liga Operária Cachoeirense, com sede na Rua Saldanha Marinho, e a União Operária 1.º de Maio, com sede na Rua Andrade Neves, seguem como bastiões de uma história que teima em subsistir.

*Ícaro Bittencourt utilizou-se da coleção de O Commercio para subsidiar sua pesquisa.

(MR)
quinta-feira, 20 de abril de 2017 | By: Arquivo Histórico de Cachoeira do Sul

21 de abril: dia para lembrar Tiradentes

Vem de tempos a associação de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, à ideia de liberdade e independência. Aguerrido e impetuoso, foi alçado à condição de herói por suas ações contrárias ao estabelecido na época em que o Brasil sequer tinha a condição de país.

Joaquim José da Silva Xavier - o Tiradentes - opiniaoenoticia.com.br

Muito tempo depois da execução de Tiradentes como criminoso, ocorrida no dia 21 de abril de 1792, é que sua morte foi tida como heroica. Na esteira do engrandecimento de sua figura, veio a determinação do dia 21 de abril como feriado nacional. A Lei n.º 1266, de 8 de dezembro de 1950, consagrou a data "à glorificação de Tiradentes e anseios de independência do País e liberdade individual."

Imagem: Faculdade Jangada

Recorreu-se ao acervo de imprensa do Arquivo Histórico para buscar notícias relacionadas ao dia 21 de abril, extraindo-se uma de época anterior e outra da primeira vez que a comunidade cachoeirense gozou o feriado de Tiradentes.

O jornal Rio Grande, em sua edição de 23 de abril de 1908, traz a seguinte nota:

21 de Abril. Passou ante-hontem, a data consagrada aos precursores da Republica, symbolisados em Tiradentes.

21 de Abril sempre disperta na alma nacional um toque de enthusiasmo "patrio", relembrando paginas sagradas da historia, escriptas com sangue, mas redivivas e brilhantes, attestando o surto de uma nacionalidade incipiente para a liberdade e para a luz.

Tiradentes revive nos corações genuinamente republicanos que sabem medir do quanto seria capaz aquella alma votada para o bem e para a liberdade patrios.

Apezar de passar despercebida essa data gloriosa, intimamente o coração republicano se eleva atè à memoria do inconfidente, abençoando-a e cobrindo-a das flores que o seu amor à Patria faz hoje desabrochar.

A lembrança da data, a julgar pela redação da notícia, certamente estava associada ao ideário do jornal Rio Grande, que era órgão do Partido Republicano.

O Jornal do Povo, volume de 1951, primeiro ano em que seria comemorado o feriado de Tiradentes a partir da lei que o instituiu, publicou uma pequena nota de alerta destinada especialmente aos trabalhadores da indústria e comércio:

O Feriado de Sábado. Informa a Associação do Comércio e Indústria que o próximo sábado, dia 21, é feriado nacional, consagrado à memória de Tiradentes, o mártir da liberdade.

Não será, pois, permitida, nesse dia, a atividade no comércio e indústria, em todo o território nacional.

O feriado, novidade que era, mereceu da redação do Jornal do Povo também um aviso aos seus leitores:

JORNAL DO POVO. AVISO. Em virtude do feriado de sábado próximo não se trabalhará nas diversas secções desta folha, motivo por que o JORNAL DO POVO não circulará em sua edição habitual de domingo, voltando a fazê-lo sómente terça-feira próxima, com maior número de páginas.

(MR)
quinta-feira, 13 de abril de 2017 | By: Arquivo Histórico de Cachoeira do Sul

A Semana Santa de 100 anos atrás

A edição do jornal O Commercio do dia 11 de abril de 1917, assim registrou as atividades da Semana Santa:

Semana Santa. - Como era de esperar, revestiram-se de muito esplendor as solemnidades da Semana Santa.

Quinta-feira Santa, na occasião da missa cantada, mais de 300 pessoas de todas as classes sociaes receberam a santa communhão. A' tarde, querendo commemorar o facto essencialmente caridoso de Jesus Christo na vespera de sua morte ter lavado os pés aos doze apostolos, para mostrar aos homens a necessidade de amor reciproco, o vigario da parochia, acolytado por dous sacerdotes, praticou a cerimonia de lavar os pés a doze meninos devidamente preparados em bancos sobre estrados. Acabado o acto, o revmo. padre Feliciano* pronunciou eloquente discurso sobre a caridade christã.

Sexta-feira Santa foram feitas, de manhã, todas as cerimonias religiosas prescriptas, sendo cantada a Paixão de Nosso Senhor.

A's 17,20 sahiu a procissão do encontro, que foi extraordinariamente concorrida. Os dous andores, que levavam as imagens de Nosso Senhor e de N. Senhora das Dôres, encontraram-se na Avenida das Paineiras, occasião em que o revmo. padre Feliciano, da sacada da casa da exma. sra. d. Ignacia Amelia de Oliveira, prendeu por uns quinze minutos a attenção de todos os circumstantes, fazendo innumeras pessoas derramar lagrimas.

Casa de Ignacia Oliveira, à esquerda, na Rua 7 de Setembro - sem data
- fototeca Museu Municipal


Sabbado santo começaram as respectivas cerimonias ás 8 horas e só ás 10 horas os sinos da igreja matriz deram alegremente o signal do alleluia.

Igreja Matriz em flagrante de procissão religiosa - sem data
- fototeca Museu Municipal

Tanto nesse, como nos dias precedentes, a concurrencia de fieis foi numerosissima.

Domingo da Resurreição, na missa das 8 horas, houve communhão geral.

A's 10 horas a missa solemne foi cantada pelo vigario da parochia, servindo de diacono o revmo. padre Feliciano e de subdiacono o revmo. padre Angelo Ceresér. Ao Evangelho o revmo. padre Feliciano, subindo á tribuna, pronunciou o discurso de occasião, em que procurou demonstrar a realidade do facto da resurreição, refutando as pretendidas objecções dos incredulos. Os canticos da missa e de todas as festividades da semana foram magistralmente executados pelo côro do Apostolado, com o auxilio benevolo dos srs. Affonso Gregory e Alexandre Santini.

Na mesma edição do jornal, uma nota sobre as celebrações da Páscoa entre os luteranos e os metodistas:

Pelos templos. - Perante crescida assistencia de crentes effectuou-se. á noite de sexta-feira da paixão, a cerimonia da santa ceia no templo da Communidade Evangelica, situado no Bairro Rio Branco.

Domingo ultimo, ás 9 1/2 horas da manhã, ainda houve bem concorrido culto divino no mesmo templo, officiando o sr. pastor Germano Dohms, director espiritual daquella communidade.

- No templo da Igreja Methodista, á rua Moron, ralizaram-se cultos divinos em a noite de sexta-feira e na manhã de domingo, sendo celebrante o sr. pastor Eduardo M. Barreto Jayme.

Antigo prédio da Igreja Metodista - sem data - fototeca Museu Municipal

O jornal de 1917, além do distanciamento temporal de cem anos, expresso na diferença de grafia e de costumes, revela também uma diferença abissal na forma como nossos antepassados viviam a Semana Santa e celebravam a Páscoa...

*Pe. Feliciano Yagüe.

(MR)
sexta-feira, 7 de abril de 2017 | By: Arquivo Histórico de Cachoeira do Sul

60 Anos sem Liberato e Jenny

Há exatos 60 anos perecia em pavoroso acidente de avião, no aeroporto de Bagé, o jovem e promissor político cachoeirense Dr. Liberato Salzano Vieira da Cunha, então no desempenho das importantes funções de Secretário de Educação e Cultura do Rio Grande do Sul, no governo de Ildo Meneghetti. Pereceram com ele a esposa Jenny Figueiredo Vieira da Cunha, além de outras 38 pessoas que estavam a bordo do Curtiss-Comander C-46, prefixo PP-VCF, da Viação Aérea Riograndense - VARIG.


Liberato S. Vieira da Cunha
20/12/1920 - 7/4/1957
- Arquivo particular João Carlos A. Mór
Jenny F. Vieira  da Cunha
14/11/1922 - 7/4/1957
- Arquivo particular João Carlos A. Mór
Naturais de Cachoeira, Liberato nasceu em 20 de dezembro de 1920, filho de Antônio Peixoto Vieira da Cunha e Angelina Salzano Vieira da Cunha. Jenny, nascida em 14 de novembro de 1922, era filha do comerciante Achylles de Lima Figueiredo e Filadélfia Carvalho de Figueiredo. O casal deixou na orfandade quatro filhos menores: Liberato, Miriam, Maria Bernadete e Eduardo.

A Tremenda Catástrofe, como noticiou o Jornal do Povo, edição do dia 9 de abril de 1957, enlutou não somente as famílias, mas o próprio jornal, do qual Liberato e o irmão Paulo eram então diretores.

Capa do Jornal do Povo de 9/4/1957 - acervo de imprensa do Arquivo

Por todos os recantos do estado e mesmo do país, o acidente produziu tristeza. De Bagé, os corpos foram levados para a capital. No salão nobre do Palácio Piratini, aconteceram exéquias oficiais, com missa celebrada por D. Vicente Scherer. Apesar da chuva que caía naquele 8 de abril, em Porto Alegre, grande acompanhamento teve o cortejo fúnebre até a estação Diretor Pestana, onde os ataúdes foram embarcados para Cachoeira do Sul. 

O povo consternado pranteou a morte do Secretário de Educação, dizia a manchete de contracapa do Jornal do Povo de 9 de abril. Uma multidão superior a cinco mil pessoas, segundo a notícia, tributou homenagens derradeiras ao casal desaparecido, em Cachoeira. De Porto Alegre, vieram acompanhar o cortejo o arcebispo metropolitano, D. Luiz Vitor Sartori, o governador e seu secretariado. Houve discursos no pórtico da Igreja Matriz, onde foi celebrada missa de corpo presente pelo arcebispo, e no Cemitério das Irmandades, onde uma multidão tentara acompanhar os sepultamentos. Finalizou as manifestações, em nome das famílias Figueiredo e Vieira da Cunha, o jornalista e irmão de Liberato, Carlos Salzano Vieira da Cunha. 

Manchete do jornal O Comércio de 10/4/1957 - acervo de imprensa do Arquivo

Na edição de O Comércio, de 10 de abril, a manchete dizia: Enlutada Cachoeira do Sul com o pavoroso acidente aviatório em Bagé. Na recepção aos corpos, na Estação Ferroviária, registrou: Cerca das 15 horas, um trem minuano duplo deu entrada na gare, trazendo os corpos do infortunado casal cachoeirense. Junto veio a comitiva oficial composta de um número aproximado de 100 pessoas, altas autoridades civis, militares e eclesiásticas. (...) Formou-se então, na Estação da Viação Férrea, o imenso cortejo fúnebre em direção à Matriz de N. Senhora da Conceição.

A carreira política de Liberato estava em ascensão. O jovem Secretário de Educação e Cultura era cogitado para candidato ao governo do estado após o mandato de Ildo Meneghetti. Mas quis o destino que tal não se concretizasse.

Cachoeira do Sul mandou erigir, e foi inaugurado no primeiro aniversário da morte do casal, um busto de Liberato, na Praça Dr. Balthazar de Bem, trabalho do conceituado escultor Fernando Corona. Também uma rua e uma escola têm Liberato Salzano como patrono. Jenny dá nome a uma escola na localidade de Forqueta.

Busto na Praça Dr. Balthazar de Bem - obra de Fernando Corona

Passados 60 anos do trágico acidente, o Arquivo Histórico, servindo-se de seu acervo de imprensa, buscou ilustrar um pouco da grande comoção que tomou conta da cidade, do estado e do país, repercutindo dolorosamente o desaparecimento de conterrâneos que ainda muito poderiam ter colaborado para os anseios de seus familiares, amigos e comunidade gaúcha.

(MR)
quinta-feira, 6 de abril de 2017 | By: Arquivo Histórico de Cachoeira do Sul

Reiniciados os trabalhos da parceria Arquitetura UFSM/Arquivo Histórico

Foram retomadas as atividades dos acadêmicos do Curso de Arquitetura da Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, Campus Cachoeira do Sul, no trabalho de seleção e identificação do acervo cartográfico e de plantas arquitetônicas do Arquivo Histórico.

Os acadêmicos assessorados pela pesquisadora Mirian Ritzel

Os acadêmicos Andreza Oliveira Nunes, Gustavo Severo e Schayane Dias, sob a coordenação da Prof.ª Ms. Letícia de Castro Gabriel e acompanhamento das assessoras do Arquivo Histórico, tiveram o primeiro encontro da segunda etapa de trabalho na última terça-feira, dia 4, quando se depararam com plantas arquitetônicas bastante significativas, como as do engenheiro-arquiteto alemão Júlio Rieth, responsável por um bom número de residências construídas em Cachoeira, onde morou com a família, e outras de casas e espaços ainda existentes.



O trabalho tem sido de grande valia, ainda que não concluído, porque já permitiu mostras da riqueza do material que em breve poderá ser disponibilizado para consultas da comunidade.

Para saber mais: Parceria Arquitetura UFSM/Arquivo Histórico

(MR)