Pular para o conteúdo principal

60 Anos sem Liberato e Jenny

Há exatos 60 anos perecia em pavoroso acidente de avião, no aeroporto de Bagé, o jovem e promissor político cachoeirense Dr. Liberato Salzano Vieira da Cunha, então no desempenho das importantes funções de Secretário de Educação e Cultura do Rio Grande do Sul, no governo de Ildo Meneghetti. Pereceram com ele a esposa Jenny Figueiredo Vieira da Cunha, além de outras 38 pessoas que estavam a bordo do Curtiss-Comander C-46, prefixo PP-VCF, da Viação Aérea Riograndense - VARIG.


Liberato S. Vieira da Cunha
20/12/1920 - 7/4/1957
- Arquivo particular João Carlos A. Mór
Jenny F. Vieira  da Cunha
14/11/1922 - 7/4/1957
- Arquivo particular João Carlos A. Mór
Naturais de Cachoeira, Liberato nasceu em 20 de dezembro de 1920, filho de Antônio Peixoto Vieira da Cunha e Angelina Salzano Vieira da Cunha. Jenny, nascida em 14 de novembro de 1922, era filha do comerciante Achylles de Lima Figueiredo e Filadélfia Carvalho de Figueiredo. O casal deixou na orfandade quatro filhos menores: Liberato, Miriam, Maria Bernadete e Eduardo.

A Tremenda Catástrofe, como noticiou o Jornal do Povo, edição do dia 9 de abril de 1957, enlutou não somente as famílias, mas o próprio jornal, do qual Liberato e o irmão Paulo eram então diretores.

Capa do Jornal do Povo de 9/4/1957 - acervo de imprensa do Arquivo

Por todos os recantos do estado e mesmo do país, o acidente produziu tristeza. De Bagé, os corpos foram levados para a capital. No salão nobre do Palácio Piratini, aconteceram exéquias oficiais, com missa celebrada por D. Vicente Scherer. Apesar da chuva que caía naquele 8 de abril, em Porto Alegre, grande acompanhamento teve o cortejo fúnebre até a estação Diretor Pestana, onde os ataúdes foram embarcados para Cachoeira do Sul. 

O povo consternado pranteou a morte do Secretário de Educação, dizia a manchete de contracapa do Jornal do Povo de 9 de abril. Uma multidão superior a cinco mil pessoas, segundo a notícia, tributou homenagens derradeiras ao casal desaparecido, em Cachoeira. De Porto Alegre, vieram acompanhar o cortejo o arcebispo metropolitano, D. Luiz Vitor Sartori, o governador e seu secretariado. Houve discursos no pórtico da Igreja Matriz, onde foi celebrada missa de corpo presente pelo arcebispo, e no Cemitério das Irmandades, onde uma multidão tentara acompanhar os sepultamentos. Finalizou as manifestações, em nome das famílias Figueiredo e Vieira da Cunha, o jornalista e irmão de Liberato, Carlos Salzano Vieira da Cunha. 

Manchete do jornal O Comércio de 10/4/1957 - acervo de imprensa do Arquivo

Na edição de O Comércio, de 10 de abril, a manchete dizia: Enlutada Cachoeira do Sul com o pavoroso acidente aviatório em Bagé. Na recepção aos corpos, na Estação Ferroviária, registrou: Cerca das 15 horas, um trem minuano duplo deu entrada na gare, trazendo os corpos do infortunado casal cachoeirense. Junto veio a comitiva oficial composta de um número aproximado de 100 pessoas, altas autoridades civis, militares e eclesiásticas. (...) Formou-se então, na Estação da Viação Férrea, o imenso cortejo fúnebre em direção à Matriz de N. Senhora da Conceição.

A carreira política de Liberato estava em ascensão. O jovem Secretário de Educação e Cultura era cogitado para candidato ao governo do estado após o mandato de Ildo Meneghetti. Mas quis o destino que tal não se concretizasse.

Cachoeira do Sul mandou erigir, e foi inaugurado no primeiro aniversário da morte do casal, um busto de Liberato, na Praça Dr. Balthazar de Bem, trabalho do conceituado escultor Fernando Corona. Também uma rua e uma escola têm Liberato Salzano como patrono. Jenny dá nome a uma escola na localidade de Forqueta.

Busto na Praça Dr. Balthazar de Bem - obra de Fernando Corona

Passados 60 anos do trágico acidente, o Arquivo Histórico, servindo-se de seu acervo de imprensa, buscou ilustrar um pouco da grande comoção que tomou conta da cidade, do estado e do país, repercutindo dolorosamente o desaparecimento de conterrâneos que ainda muito poderiam ter colaborado para os anseios de seus familiares, amigos e comunidade gaúcha.

(MR)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da