Pular para o conteúdo principal

Casa da Aldeia: uma lenda urbana

Uma expressão que se tornou comum em nossos dias é a da "lenda urbana", ou seja, algo que costuma ser afirmado pelas pessoas como se verdade fosse, no entanto, paira sobre esta verdade um quê de interrogação! 

Pois a afirmação inverídica de que a Casa da Aldeia é a mais antiga da cidade é, pode-se dizer, uma "lenda urbana".

Longe de ser a construção mais antiga da cidade, posto ocupado pela Catedral Nossa Senhora da Conceição (1799), a Casa da Aldeia, que foi erguida pelo português Manoel Francisco Cardozo, marido da índia guarani Joaquina Maria de São José, é mais recente do que se supunha.

Até pouco tempo, a época tida como da construção da casa era dada a partir do requerimento, datado de 18 de abril de 1849, em que Manoel Francisco Cardozo:

querendo elle Suppl. Edeficar umas Cazas no lugar da Aldeia ecomo Alli seaxe huns terrenos devolutos na Rua de S. Carlos que faz frente ao Norte efundos ao Sul fazendo canto ao este com a rua principal cujo nome Ignora eao Leste com a Caza da China Maria da Assumpção ecomo o Suppl. já tenha as Madeiras e Telhas prontas e parte das Madeiras no lugar Requerido ecomo não possa levantar as ditas Cazas por isso o Suppl. atenciózamente requer a V.S.ªs leconcedão osditos terrenos afim do Suppl. p. levantar asuas Cazas de cuja Graça Espera. Cachoeira 18 de Abril de 1849. R. Mce. (assina) Manoel Francisco Cardozo.


Requerimento e despachos - CM/OF/Requerimentos - Caixa 8
Os despachos da Câmara, dados no lado esquerdo do requerimento acima transcrito, com datas de 29 de abril e 19 de maio do mesmo ano de 1849, assinados pelo Vereador Presidente da Câmara, são do seguinte teor:

Verso do requerimento de Manoel Francisco Cardozo

Informo a VV.SS.ªs que o terreno de que tracta o requerimento e despacho retro, se acha de vuluto, assim como ja se acha no mesmo terreno algumas madeiras para edeficar. He o quanto posso informar a VV.SS.ªs. que mandarão oque forem devido. Cachoeira 29 de Abril de 1849. O Fiscal (assina) Joaquim Ignacio de Araujo. Leal Ver.ºr Preside.

Visto achar-se com metriais no terreno que siacha devo luto, a Camara concede licença p.ª edificar, devendo requerer o competente Titulo na Presidencia da Provincia. Sala das Secções da Camara Municipal da V.ª da Caxoeira 19 de Maio de 1849 - Leal Ver.ºr Preside.

Como se depreende pelo documento, Manoel Francisco Cardozo foi autorizado a edificar a casa no terreno requerido. A partir desta fonte, o ano de 1849 sempre foi tido como o ano da construção da Casa da Aldeia. No entanto, outro requerimento, com data de 13 de janeiro de 1860, ou seja, 11 anos depois do primeiro pedido de Manoel Francisco Cardozo, lança novas luzes sobre a época da construção daquele patrimônio histórico:

Diz Manoel Franc.º Cardozo que pello documento junto mostra ter tido concessão desta Camara para edificar no terreno constante do mesmo documento, o qual hé situado na Aldeia desta Villa; e como o suplicante o queira possuir com legitimo titulo, epor isso vem requerer a VV.S.ªs a concessão do mesmo terreno por aforamento perpetuo. (assina) Manoel Francisco Cardozo.

Novo requerimento de Manoel Francisco Cardozo
- CM/OF/Requerimentos - Caixa 8
A Câmara indeferiu o pedido do português:

Indeferido, visto que esta Camara consede terrenos a quem quer idificar enão a quem os quer possuir com ligitimo titulo por ostentação; pois q o Supl. desde 1849 que tem estado com licença p.ª edeficar no mmo. terreno, e athé hoje o não tem feito. Paço da Camara Mal. da Cachoeira 13 de Jan.º 1860 (assina) Trindade - Vor. Presidte.

No verso do documento, porém, há duas novas declarações: do Vereador Presidente, Miguel Candido da Trindade, datado de 14 de janeiro de 1860, que diz já se achar edificado o terreno, dando portanto deferimento ao pedido de Manoel Francisco Cardozo, e outro, assinado pelo suplicante, certificando estar edificada a Casa da Aldeia:

Com o divido respeito o suplicante vem perante a V.ªs S.ªs declarar que oterreno que requer já esta ideficado, em virtude da licença desta Cámara constante docomento junto; por isso o suplicante requer a V.ªs S.ªs o titulo de Concessão do mesmo Terreno afim de pusuilo com ligitimo titulo; no que E.R.I. (assina) Manoel Francisco Cardozo.



A lenda urbana sobre ser a Casa da Aldeia a casa mais antiga de Cachoeira não encontra, portanto, sustentação histórica, embora não haja esclarecimento sobre o ano exato em que foi construída, entre o período 1849-1860. O que deve ser divulgado e valorizado no que resta de sua estrutura é o fato de ser ela remanescente de uma época em que a Aldeia era composta ainda pelo elemento étnico formador, o índio, retratando em suas construções já a influência do elemento colonizador, o português. Some-se a estas características a subjetiva relação de Manoel Francisco Cardozo, o português, com a índia Guarani Joaquina Maria. E a reforçar tudo isto, relembremos o historiador Fritz Strohschoen, que reportava como grande qualificativo da Casa da Aldeia o fato de ser a primeira casa particular com pedido formal de construção.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co