Pular para o conteúdo principal

Instituto Estadual de Educação João Neves da Fontoura - 90 anos

O mês de maio de 2019 está marcado por um momento significativo na história da educação de Cachoeira do Sul. No dia 22, o Instituto Estadual de Educação João Neves da Fontoura chegou aos seus 90 anos carregando, neste transcurso de tempo, desafios, dificuldades e conquistas. Muitas crianças e jovens passaram por seus bancos escolares, assim como professores e servidores dedicados à desafiadora tarefa educativa.

A história do João Neves, como popularmente é chamado aquele importante educandário, tem vínculos enormes com seu patrono. Em 1929, quando a instituição foi criada com o nome de Escola Complementar, o Dr. João Neves da Fontoura era vice-presidente do estado e há pouco havia concluído uma gestão de grandes obras como intendente de Cachoeira. 

Em 1927, ano em que Borges de Medeiros resolveu criar escolas complementares no estado para a formação de alunos-mestres, imediatamente João Neves empenhou-se para que uma destas escolas fosse instalada em Cachoeira, município por ele então dirigido. Seus argumentos foram irrefutáveis: Cachoeira ficava no centro do estado, era o quarto município em população e já possuía um Colégio Elementar. Na decisão de Borges, certamente, pesou a influência e o prestígio do próprio João Neves da Fontoura.

Dr. João Neves da Fontoura - Wikipédia

Em março de 1929, pelo Decreto n.º 4284, foi criada a Escola Complementar de Cachoeira e, no dia 22 de maio, às 11h22, foi inaugurada na presença de autoridades e do representante de João Neves no ato, o seu cunhado José Gomes de Oliveira. O local era o mesmo do Colégio Elementar Antônio Vicente da Fontoura, sede do antigo Teatro Municipal, próximo ao prédio da Intendência Municipal e quase fronteiro ao Château d'Eau.

Alunos do Curso de Aplicação da Escola Complementar no prédio antigo (1941)
- Coleção Emília Xavier Gaspary

A comunidade cachoeirense abraçou a causa da Escola Complementar e muitas campanhas para aquisição de mobiliário e equipamentos foram levadas a efeito. A Intendência, por sua vez, tinha promovido melhorias no prédio. 

Por solicitação dos professores, em 1931 a instituição recebeu o nome de Escola Complementar João Neves da Fontoura. Em visita à escola no ano seguinte, João Neves deixou registrado, de próprio punho, no livro de visitas, a seguinte mensagem:

Poucas honras terei por me elevar em minha humilde vida do que a de patrocinar este estabelecimento que tanto honra o Rio Grande do Sul. 
João Neves da Fontoura, 2/4/1932.

Em 16 de agosto de 1944, foi solenizada a inauguração do prédio em que atualmente funciona o Instituto Estadual de Educação João Neves da Fontoura, edificação projetada pelo engenheiro civil João Baptista Pianca para abrigar 705 alunos.

Escola Normal "Dr. João Neves da Fontoura" (1944) - Coleção Emília X. Gaspary

Parabéns, Instituto Estadual de Educação João Neves da Fontoura! Muito poderia ser contado de sua rica história, das diferentes denominações que teve, influenciadas pelas próprias modificações sofridas pelo ensino, da sua condição de escola-modelo no Rio Grande do Sul, da divisão de espaço com outro gigante, o Colégio Estadual Dr. Liberato Salzano Vieira da Cunha. Deixemos que o hino da escola, letra da professora Ely Costa Marciniak, sintetize na estrofe final o seu ideal de educandário e a sua senda através do tempo:

Liberdade, moral e progresso
Tu espalhas sem nunca parar
Os teus filhos caminham seguros
Pois suas vidas tu sabes nortear


MR

Comentários

  1. Sempreatenta, Mirian!!! E que foto!!!

    ResponderExcluir
  2. Meu inicio foi aí. Tres anos de Jardim da Infância, 5 anos de Primário e 4 anos de Ginásio (era assim que chamávamos os Cursos). Jamais será esquecido. Sempre que vou à Cachoeira faço uma visita em todo o quarteirão, impossivel esquecer .

    ResponderExcluir
  3. A Escola que embasou minha trajetória como professora . A ela agradeço pelos ensinamentos recebidos .Conclui o Curso Normal em 1966 . Obrigada Escola querida !

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co