Pular para o conteúdo principal

Instituto Estadual de Educação João Neves da Fontoura - 90 anos

O mês de maio de 2019 está marcado por um momento significativo na história da educação de Cachoeira do Sul. No dia 22, o Instituto Estadual de Educação João Neves da Fontoura chegou aos seus 90 anos carregando, neste transcurso de tempo, desafios, dificuldades e conquistas. Muitas crianças e jovens passaram por seus bancos escolares, assim como professores e servidores dedicados à desafiadora tarefa educativa.

A história do João Neves, como popularmente é chamado aquele importante educandário, tem vínculos enormes com seu patrono. Em 1929, quando a instituição foi criada com o nome de Escola Complementar, o Dr. João Neves da Fontoura era vice-presidente do estado e há pouco havia concluído uma gestão de grandes obras como intendente de Cachoeira. 

Em 1927, ano em que Borges de Medeiros resolveu criar escolas complementares no estado para a formação de alunos-mestres, imediatamente João Neves empenhou-se para que uma destas escolas fosse instalada em Cachoeira, município por ele então dirigido. Seus argumentos foram irrefutáveis: Cachoeira ficava no centro do estado, era o quarto município em população e já possuía um Colégio Elementar. Na decisão de Borges, certamente, pesou a influência e o prestígio do próprio João Neves da Fontoura.

Dr. João Neves da Fontoura - Wikipédia

Em março de 1929, pelo Decreto n.º 4284, foi criada a Escola Complementar de Cachoeira e, no dia 22 de maio, às 11h22, foi inaugurada na presença de autoridades e do representante de João Neves no ato, o seu cunhado José Gomes de Oliveira. O local era o mesmo do Colégio Elementar Antônio Vicente da Fontoura, sede do antigo Teatro Municipal, próximo ao prédio da Intendência Municipal e quase fronteiro ao Château d'Eau.

Alunos do Curso de Aplicação da Escola Complementar no prédio antigo (1941)
- Coleção Emília Xavier Gaspary

A comunidade cachoeirense abraçou a causa da Escola Complementar e muitas campanhas para aquisição de mobiliário e equipamentos foram levadas a efeito. A Intendência, por sua vez, tinha promovido melhorias no prédio. 

Por solicitação dos professores, em 1931 a instituição recebeu o nome de Escola Complementar João Neves da Fontoura. Em visita à escola no ano seguinte, João Neves deixou registrado, de próprio punho, no livro de visitas, a seguinte mensagem:

Poucas honras terei por me elevar em minha humilde vida do que a de patrocinar este estabelecimento que tanto honra o Rio Grande do Sul. 
João Neves da Fontoura, 2/4/1932.

Em 16 de agosto de 1944, foi solenizada a inauguração do prédio em que atualmente funciona o Instituto Estadual de Educação João Neves da Fontoura, edificação projetada pelo engenheiro civil João Baptista Pianca para abrigar 705 alunos.

Escola Normal "Dr. João Neves da Fontoura" (1944) - Coleção Emília X. Gaspary

Parabéns, Instituto Estadual de Educação João Neves da Fontoura! Muito poderia ser contado de sua rica história, das diferentes denominações que teve, influenciadas pelas próprias modificações sofridas pelo ensino, da sua condição de escola-modelo no Rio Grande do Sul, da divisão de espaço com outro gigante, o Colégio Estadual Dr. Liberato Salzano Vieira da Cunha. Deixemos que o hino da escola, letra da professora Ely Costa Marciniak, sintetize na estrofe final o seu ideal de educandário e a sua senda através do tempo:

Liberdade, moral e progresso
Tu espalhas sem nunca parar
Os teus filhos caminham seguros
Pois suas vidas tu sabes nortear


MR

Comentários

  1. Sempreatenta, Mirian!!! E que foto!!!

    ResponderExcluir
  2. Meu inicio foi aí. Tres anos de Jardim da Infância, 5 anos de Primário e 4 anos de Ginásio (era assim que chamávamos os Cursos). Jamais será esquecido. Sempre que vou à Cachoeira faço uma visita em todo o quarteirão, impossivel esquecer .

    ResponderExcluir
  3. A Escola que embasou minha trajetória como professora . A ela agradeço pelos ensinamentos recebidos .Conclui o Curso Normal em 1966 . Obrigada Escola querida !

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da