Pular para o conteúdo principal

Grades do Cemitério - recortes da história que se preserva

A construção de um outro cemitério para Cachoeira ensejou muitas avaliações e estudos por parte da administração municipal, pois o Cemitério das Irmandades Conjuntas, inaugurado em 1833, já não dava conta dos sepultamentos, além de ser administrado pela Igreja Católica, limitando assim os serviços aos seguidores deste credo.
A decisão sobre o local de instalação do Cemitério Municipal, após análises feitas por uma comissão especialmente nomeada para este fim, recaiu sobre o Alto dos Loretos. Assim sendo, as obras tiveram  começo entre o final da década de 1880 e o início da de 1890. 
Farta documentação há no Arquivo Histórico detalhando todo o processo que envolveu a obra. Em um destes conjuntos documentais destaca-se um ofício de 19 de março de 1890 remetido à Junta Municipal pela Fabrica de Coffres de Ferro e Serralharia E. Berta, de Porto Alegre, famosa até os dias de hoje pela fabricação de cofres de aço, remetendo proposta e desenhos para fornecer ao Município 84 metros de grades de ferro, divididas em 21 partes iguais de 4 metros de comprimento, sendo cada parte constante de 25 varões de ferro redondo, espessura de 5/8 polegadas, com 1,20 metros de altura.

Ofício de E. Berta & Cia. oferecendo seus serviços em ferro

Chama a atenção, nestes dias de programas específicos de computação para elaboração de todo tipo de projeto, incluindo-se design de peças, os desenhos feitos a lápis que conservam preservados com nitidez os traços das grades que ainda podem ser avistadas nos muros do antigo Cemitério Municipal, cuja inauguração oficial se deu no ano de 1891.

Desenho das grades de ferro do Cemitério - projeto E. Berta & Cia.
Ponteiras das grades

Fonte: Fundo B: Junta Municipal/Série C: Obras e Melhoramentos/Subsérie 1: Dossiê do Cemitério/Caixa 1: 19/03/1890.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da