Pular para o conteúdo principal

Placas de ruas - 1880

Quando andamos pelas ruas da cidade, facilmente percebemos nas paredes das casas, sejam elas residenciais ou comerciais, placas esmaltadas na cor azul indicando o nome da rua em que estamos. Muitas destas placas estão afixadas ali há décadas, cumprindo seu papel de orientar as pessoas no espaço urbano.

Em 30 de dezembro de 1880, a Câmara de Cachoeira firmou um contrato para confecção de placas metálicas, de nomenclatura de ruas e numeração de casas com Manoel Theodozio Gonsalves. 

O contrato traz o seguinte teor:
Aos trinta dias do mez de Dezembro do anno de mil oitocentos e oitenta no Paço da Camara Municipal d'esta Cidade da Caxoeira, depois de ter sido deliberado em sessão da mesma n'esta dacta, compareceu o Cidadão Constantino José de Barcellos como bastante procurador de Manoel Theodozio Gonsalves, cujos poderes exibio e ficão archivados na Municipalidade, com o qual foi cellebrado o contracto de collocação de placas metalicas com nomenclatura das ruas e numeração das casas d'esta Cidade, pela forma e condições ao diante exaradas:
1.ª
Manoel Theodozio Gonsalves, por seu procurador, obriga-se a fornecer e collocar em seus respectivos lugares 650 (seis centas e cincoenta) placas metalicas com a numeração das casas; e cento e quarenta (140) com a nomenclatura das ruas d'esta Cidade; aquellas ao preço de mil e sete centos reis (1.700) cada uma e estas á cinco mil reis, ambas com letras em alto relêvo em metal fundido; as primeiras com desenove centimetros de comprimento sobre dose de largura, e as ultimas (de nomenclatura) com quarenta e quatro centimetros de comprimento sobre trinta e dous e meio de largura; tanto umas como outras de cor azul e letras brancas.

Placa da Rua Antonio Gomes Pereira 

Atente o leitor para o cuidado com que os negócios públicos eram tratados pelas autoridades daquela época, detalhe que fica explícito na interessantíssima cláusula 2.ª, qual seja o da espécie de caução feita pelo fabricante das placas à municipalidade, valor que teria direito a reembolsar caso o serviço provasse ser bem feito, resistindo aos caprichos do tempo! E hoje, transcorridos 134 anos, quem duvida que muitas das placas esmaltadas azuis que ainda vemos por aí não foram as confeccionadas pelo Sr. Manoel Theodozio Gonsalves? 
2.ª
No acto de receber da Camara, a importancia das placas, depois d'ellas collocadas, deixará o mesmo Manoel Theodoro [sic] Gonsalves ou seu procurador, depositada nos cofres municipaes pelo espaço de cinco annos, uma letra afiançada por pessoa idonea, representando o valor de trinta por cento sobre a importancia total das chapas que forem collocadas; cuja letra ser-lhe-ha restituida si, no espaço dos cinco annos verificar-se que as chapas collocadas, não sofrerão alteração sensivel com a acção do tempo; sendo porem em caso contrario, obrigado a saptisfazer aos cofres municipaes a importancia da referida letra.

As cláusulas terceira e quarta referem-se às obrigações da Municipalidade com o contratado e a satisfação do pagamento ao final do trabalho de colocação de todas as placas. Terminada a lavratura do contrato, seguem as assinaturas da contratante Câmara Municipal, firmada pelo Presidente João Thomaz de Menezes, pelo procurador do contratado, Major Constantino José de Barcellos, e pelo Secretário da Câmara, Manoel Teixeira Cavalheiro.

Há também o interessante espaço denominado Memorial de Logradouros, no Museu Municipal, acima retratado, que reúne várias placas de ruas e praças da cidade, dentre as quais, possivelmente, há algumas oriundas do contrato que está muito bem conservado no acervo do Arquivo Histórico, no livro CM/OF/TA-007, páginas 6v. a 7v.

Memorial de Logradouros do Museu Municipal
- foto de Maurício Saraiva



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co