Pular para o conteúdo principal

Passo de São Lourenço à espera do Imperador

O Blog do Arquivo Histórico chega hoje a sua 100.ª postagem e tem buscado levar ao conhecimento de seguidores e eventuais consulentes muitos dos documentos que integram o seu acervo, verdadeiros tesouros que contam e comprovam a nossa história!

Em 1865, ano da segunda vinda do Imperador Pedro II à Vila da Cachoeira, as autoridades já se organizavam para dar boa impressão ao ilustre visitante. Eram tempos de dificuldades também por conta da guerra que estava em curso contra o Paraguai. E o Passo de São Lourenço, caminho de passagem para as tropas que se dirigiam à fronteira do Brasil, carecia de melhoramentos.

Em 26 de julho de 1865, a Câmara Municipal recebeu uma correspondência de Angelo Moniz da Silva Ferraz, Ministro dos Negócios da Guerra, em que demonstra indignação com o péssimo estado da barca de passagem do Passo de São Lourenço e exige que os vereadores tomem providências para melhorá-la uma vez que servirá de passagem para a comitiva de Sua Majestade, o Imperador Pedro II, quando de sua vinda.

CM/OM/Ofícios/Caixa 5

Em outra correspondência, datada de 8 de agosto de 1865, Angelo Moniz da Silva Ferraz torna a demonstrar sua indignação com o serviço oferecido no Passo de São Lourenço, citando o momento delicado de guerra em que muitas tropas e material de exército precisavam servir-se do local para sua passagem. 

CM/OM/Ofícios/Caixa 5

Nas duas correspondências há claramente um "puxão de orelhas" nas autoridades. Decorridos quase 150 anos,  pouca coisa evoluiu e o Passo de São Lourenço, que já passou por todas as guerras desde então, continua a provocar velhas batalhas...

Comentários

  1. Isso me lembra as inaugurações de obras públicas, ou as visitas de alguma * autoridade * quando as ruas são caiadas, ajardinadas e outros mimos mais, depois, fica tudo como dantes no quartel de Abrantes.

    ResponderExcluir
  2. Que sorte temos de poder contarmos, com essas criaturas que dedicam suas horas de lazer, a compartilharem o que descobrem e preservam abnegadamente.
    Nossa eterna gratidão e respeito.
    Mirian Ritzel, Ucha Mor e Ione San Martin

    ResponderExcluir
  3. Hugo Vieira da Cunha conseguiu sintetizar os sentimentos que temos em relação a estas abnegadas e cultas guardiãs da nossa historia.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, amigos e incentivadores pela gentil acolhida de nosso trabalho. Divulgar a história é nosso compromisso.

    ResponderExcluir
  5. Afinal Men de Sa faleceu as margens do S Lourenço? ou foi Barro Vermelho? E quando Barbacena esteve acampado em S Lourenço la pelo 1927 existe algum Marco Historico no Local?

    ResponderExcluir
  6. Desculpe .....me enganei.....Digo Baltazar de Bem..no lugar de Mem de Sa.

    ResponderExcluir
  7. O arquivo é excelente! Parabéns pelo trabalho. Estive em outras cidades da região, por dever de ofício, e poucas, até mesmo as de relevo histórico, possuem projeto similar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co