Pular para o conteúdo principal

A Origem de "Grogue"

Quando ouvimos a aplicação da palavra grogue, logo pensamos em alguém que esteja sofrendo os efeitos de uma boa bebedeira, de uma pancada na cabeça ou, quem sabe, do uso de uma substância poderosa...

Pois não é que uma provável origem da palavra, quem diria, associa-se a uma história - estória para alguns - bastante inusitada que fomos encontrar nas páginas do jornal Rio Grande, de Cachoeira, em sua edição de 18 de maio de 1908?
Eis a transcrição da matéria:

ORIGEM DE GROG
--------
Faleceu em uma hospedaria, repentinamente, o opulento capitalista inglês Mr. Heo Ricard Oldam Grimmel, que fazia uma viagem de recreio com o seu primogênito Edward.
Baldados foram os esforços do desolado rapaz para obter o transporto de seu finado pai, em camara ardente, até o lugar de sua residencia.
Nenhuma embarcação a seguir viagem quiz aceitar o corpo.
----
Edward, rapaz de altos recursos, não teve desfallecimento em resolver a objeção.
Arranjou um grande tonel de aguardente de primeira qualidade, acomodou o corpo do finado progenitor dentro, despachou-o á familia, remettendo-lhe o conhecimento que rezava: barril de alcool fino, marca GROG.
Logo depois de embarcado o volume, cujo expeditor pedira para elle o maximo cuidado, por ser artigo fino, um grumete quiz certificar-se do conteúdo e com uma verruma grossa perfurou o tonel donde vasou um liquido amarellado.
Provou a bebida, achou-a magnifica e dentro em pouco toda a tripulação ia matar o bicho pelo orificio feito pelo grumete.
Tres dias eram passados e já o pobre Lord Grimmel achava-se em secco.
----
Chegada a embarcação ao ponto terminal, appareceu a bordo o segundo filho do finado lord, reclamando o corpo de seu pae.
- Não! respondeu o capitão, não conduzimos cadaveres; V. está enganado: é em outra embarcação que deve procural-o.
O moço, que vestia luto pezado, em cujo traje era imitado por umas cincoenta pessoas, que o acompanhavam, protestou assegurando que se não enganava e mostrou ao capitão o seguinte telegramma:
"Papae segue em alcool navio Kaguinche, volume marca GROG; seguirei depois de arrecadar o que aqui deixou. Façam funeraes."
Em vista de semelhante affirmativa, foi chamado o piloto e finalmente toda a população [sic], que asseverava tratar-se não de um cadaver, mas de uma excellente bebida que tinha o nome de grog.
Trazido o volume em questão para o tombadilho, com grande pasmo do consignatario e pavor da tripulação, Mr. Grimmel estava... em secco.
----
Excepção feita do commandante, todo o pessoal de bordo vomitava a um tempo, como se estivesse em alto mar!
E assim se inventou o famoso grog, das iniciais do finado lord G. R. O. G.

Verdadeira ou não a versão que o jornal de 1908 traz, o fato é que há uma bebida quente com este nome, feita à base de rum, água e açúcar.

Outra história relacionada é a de um almirante inglês, de nome Edward Vernon, conhecido por Old Grog em razão do consumo que fazia da bebida, que em 1740 teria mandado os marinheiros aumentarem a quantidade de água do preparado, menos no tonel que serviria aos oficiais!

Almirante Edward Vernon - o Old Grog
A Grogue é pouco conhecida no Brasil. Produzida em quantidade especialmente no Cabo Verde, pode ser consumida pura - tem alto teor alcoólico - ou em infusão com ervas. Na península ibérica sofre também a adição de percebes, pequenos crustáceos muito consumidos na região.

Grogue, a bebida propriamente dita, ou o sujeito que sofre os efeitos dos excessos, é mais uma destas palavras cheias de história e uma das tantas curiosidades que o rico acervo de imprensa do Arquivo Histórico nos oferece.

Comentários

  1. O Inspetor Maigret (personagem criado por Georges Simenon) com frequência é retratado entrando em um bistrô francês e pedindo um grogue, para esquentar-se nos dias de inverno.

    ResponderExcluir
  2. Então a bebida era experimentada por um dos mais conhecidos personagens das histórias policiais.
    Obrigada pelo seu comentário, Ivo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da