Pular para o conteúdo principal

Cuidados com Sangas e Valos na Cachoeira de 1849

O cuidado com o meio ambiente não é uma prática nova, embora se saiba que fosse atitude esparsa no passado.
José Bonifácio de Andrada e Silva, o Patriarca da Independência, é sabidamente o primeiro e grande personagem da nossa história com preocupações do gênero, e isto remonta ao primeiro quartel do século XIX!
Em razão disto, o Edital abaixo reproduzido, que está preservado no acervo do Arquivo Histórico, revela atitude de bom senso e de preocupação com o meio ambiente na Cachoeira de 1849!
A nossa zona urbana está assentada em terreno cortado por muitas sangas e valos, oferecendo estes acidentes naturais barreiras ao desenvolvimento urbano. Vencer tais barreiras sem descuidar da preservação ambiental é um desafio ainda hoje. E o interessante do Edital é que ele dispõe sobre obras de aterro, exigindo que uma cobertura vegetal seja feita, em uma clara demonstração de que as autoridades do passado sabiam da necessidade de tratar com vegetação terrenos suscetíveis de desmoronamento.
Eis o texto do documento, cujos signatários foram o então Vereador Presidente da Câmara, Dr. José Pereira da Silva Goulart, médico, e o Secretário Fabiano Pereira da Silva:

CM/OF/Editais/Caixa 6 - 13/2/1849
A Camara Municipal desta Villa, manda faser publico, para conhecimento de quem convier fazer pelo menor preço, o aterro de 250 braças de vallos existentes dentro desta Villa, sendo 160 braças nos vallos da Aldeia, 16 braças nos da bica, e 74 braças nos que existem na estrada que vai para o Amorim; devendo quem se propozer faser dito aterro, plantar de leiva a extenção de 60 braças de vallo que partem da estrada que vai para o Cemiterio, até a sanga onde se conclue dito vallo, e neste lugar deverá plantar húa forte estacada de salso, para aqual estacada proporá preço separado; devendo aquem convier apresentar suas propostas nesta Camara, té o dia vinte edois do corrente mez; não excedendo estas propostas, para o aterro de todos os vallos, áq.ta de dusentos equarenta e trez mil reis, importancia designada para dita obra. E para que chegue ao conhecimento de todos, se mandou lavrar o presente edital. - Paço da Camara Municipal da Villa da Cachoeira, aos treze dias do mez de Fevereiro de 1849. - Dor. Je. Pereira da Silva Goulart Vor. Prezidente

Os editais eram afixados em local de grande afluência de público, sendo a maneira encontrada para que todos pudessem ter acesso ao disposto no documento e cumprir com os preceitos legais. Hoje, mesmo que de forma reduzidíssima em razão da multiplicidade das mídias, ainda há quem faça uso deste tipo de divulgação. Um bom exemplo disto são os nossos decantados anúncios fúnebres, que não são editais, mas da mesma forma atendem ao preceito de atingir o maior número possível de pessoas na divulgação de seus conteúdos.

Comentários

  1. Que espetáculo Mirian, vira e meche e ele reaparece, nosso velho e conhecido ancestral, Dr. Goulart, desde ontem campereava teu blog, obrigado !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, o Dr. Goulart definitivamente fez história! Abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da