Pular para o conteúdo principal

Cuidados com Sangas e Valos na Cachoeira de 1849

O cuidado com o meio ambiente não é uma prática nova, embora se saiba que fosse atitude esparsa no passado.
José Bonifácio de Andrada e Silva, o Patriarca da Independência, é sabidamente o primeiro e grande personagem da nossa história com preocupações do gênero, e isto remonta ao primeiro quartel do século XIX!
Em razão disto, o Edital abaixo reproduzido, que está preservado no acervo do Arquivo Histórico, revela atitude de bom senso e de preocupação com o meio ambiente na Cachoeira de 1849!
A nossa zona urbana está assentada em terreno cortado por muitas sangas e valos, oferecendo estes acidentes naturais barreiras ao desenvolvimento urbano. Vencer tais barreiras sem descuidar da preservação ambiental é um desafio ainda hoje. E o interessante do Edital é que ele dispõe sobre obras de aterro, exigindo que uma cobertura vegetal seja feita, em uma clara demonstração de que as autoridades do passado sabiam da necessidade de tratar com vegetação terrenos suscetíveis de desmoronamento.
Eis o texto do documento, cujos signatários foram o então Vereador Presidente da Câmara, Dr. José Pereira da Silva Goulart, médico, e o Secretário Fabiano Pereira da Silva:

CM/OF/Editais/Caixa 6 - 13/2/1849
A Camara Municipal desta Villa, manda faser publico, para conhecimento de quem convier fazer pelo menor preço, o aterro de 250 braças de vallos existentes dentro desta Villa, sendo 160 braças nos vallos da Aldeia, 16 braças nos da bica, e 74 braças nos que existem na estrada que vai para o Amorim; devendo quem se propozer faser dito aterro, plantar de leiva a extenção de 60 braças de vallo que partem da estrada que vai para o Cemiterio, até a sanga onde se conclue dito vallo, e neste lugar deverá plantar húa forte estacada de salso, para aqual estacada proporá preço separado; devendo aquem convier apresentar suas propostas nesta Camara, té o dia vinte edois do corrente mez; não excedendo estas propostas, para o aterro de todos os vallos, áq.ta de dusentos equarenta e trez mil reis, importancia designada para dita obra. E para que chegue ao conhecimento de todos, se mandou lavrar o presente edital. - Paço da Camara Municipal da Villa da Cachoeira, aos treze dias do mez de Fevereiro de 1849. - Dor. Je. Pereira da Silva Goulart Vor. Prezidente

Os editais eram afixados em local de grande afluência de público, sendo a maneira encontrada para que todos pudessem ter acesso ao disposto no documento e cumprir com os preceitos legais. Hoje, mesmo que de forma reduzidíssima em razão da multiplicidade das mídias, ainda há quem faça uso deste tipo de divulgação. Um bom exemplo disto são os nossos decantados anúncios fúnebres, que não são editais, mas da mesma forma atendem ao preceito de atingir o maior número possível de pessoas na divulgação de seus conteúdos.

Comentários

  1. Que espetáculo Mirian, vira e meche e ele reaparece, nosso velho e conhecido ancestral, Dr. Goulart, desde ontem campereava teu blog, obrigado !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, o Dr. Goulart definitivamente fez história! Abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co