Pular para o conteúdo principal

Aviso da chegada do Imperador

Inverno de 1865. Corria a Guerra do Paraguai.
Em Cachoeira, o prédio da Casa de Câmara, Júri e Cadeia estava quase concluído. Ferminiano Pereira Soares, o construtor, finalizava as obras e em 1.º de agosto deu-a por pronta.
Poucos dias antes, a Câmara Municipal recebeu uma correspondência do Gabinete do Ministro da Guerra, datado de 26 de julho, prevenindo-a que em pouco tempo o Imperador Pedro II chegaria a Cachoeira:

Porto Alegre. Gabinete do Ministro da Guerra em 26 de Julho de 1865.

Previno a Vm.ces do que no dia 28 do corrente daqui seguirá S. M. O Imperador com destino a cidade do Rio Pardo, onde chegará naturalmente no dia 29, ficando Vm.ces na intelligencia de que S. M. Imperial partirá logo para essa cidade.

Deos Guarde a Vm.ces
(assinatura) Angelo Moniz da S.a Ferraz

CM/DA/Ofícios/Caixa 7
- acervo documental do Arquivo Histórico

De pronto a Câmara tratou de providenciar a melhor forma de receber o Imperador, que veio ao Sul em resposta à invasão do território brasileiro pelas forças inimigas paraguaias. Antes de chegar a Cachoeira, havia passado por Rio Grande, por onde entrou no Rio Grande do Sul, depois por Porto Alegre e Rio Pardo. 
Em Cachoeira, D. Pedro II chegou pelas águas do Jacuí, a bordo do vapor Tupy. Quando avistou o prédio concluído da Casa de Câmara, Júri e Cadeia, logo o requisitou para que nele se instalasse uma enfermaria a fim de que praças do Exército que se dirigiam ao cenário da guerra e se encontravam enfermos pudessem ter ali o atendimento necessário.
Diante da solicitação do Imperador, a Câmara entregou o sobrado em 6 de agosto de 1865. Mas, em novembro daquele ano, já o reclamava:

Illm.mo e Exm.mo Snr.~ = A Camara Municipal da cidade da Cachoeira communica a V. Ex.ça, que achando-se concluida a factura da casa de suas sessões, Jury e cadeia, tomou de ella posse no dia 6 de Agosto do corrente anno, mas que, avista do excessivo numero de doentes militares então aqui existentes e a requisição do Exm.mo Ministro da Guerra, fez d'ella cessão para ahi estabelecer=se o Hospital. Hoje, porem, que está terminada tal necessidade, por só restarem quatro doentes, tendo os demais sido transportados á Capital e juntamente grande parte do trem dos mesmos, pede esta Camara a V. Ex.ça se sirva expedir as suas ordens, para que a vista do estado defficiente dos cofres desta Camara, é medida economica de que tanto ella necessita. = D.s G.e a V. Ex.ça = Sala das sessões da Camara Municipal da cidade da Cachoeira 9 de Novembro de 1865. = Illm.mo Exm.mo Snr.~ Visconde da Boa Vista, Presidente da Provincia. = Isaias Baptista Rodrigues Pereira Lourenço, Jose da S.ª Bandeira = João Alves de Almeida = Mauricio Jose d'Almada = Miguel Candido da Trindade.
(CM/S/SE/RE-002, fls. 52 e 52v.)

Em 1.º de dezembro de 1865, em razão do pequeno número de militares doentes em tratamento no sobrado, a Câmara novamente requisitou-o:

Illm.mo Snr.~= A requisição do Exm.mo Ministro da Guerra e em consideração ao cressido numero de doentes militares, que, então havia, foi posto a disposição para enfermaria, não só o salão do Jury como o sobrado das sessões da Camara; hoje porem que se acha limita dissima a quantidade de doentes, podendo talvez serem convenientemente, não só estes como todos os uttencis accommodados na sala do Jury e peças anexas, e attendendo a necessidade de commodos, e por medida economica, a Camara Municipal pede a V.S.ª como digno director d'aquelle estabelecimento, se digne dar suas providencias para que lhe sejão entregues as chaves do referido D.or Agostinho Jose da Costa Figueredo. = Isaias Baptista Rodrigues Pereira - Vereador Presidente - Antonio Jose d'Almada, Secretario.
(CM/S/SE/RE-007, fls. 54 e 54v.)

A Guerra do Paraguai, acontecida há 150 anos, apesar de ter se desenrolado a quilômetros e quilômetros de Cachoeira, entrou para a história da nossa Casa de Câmara, Júri e Cadeia, determinando que a sua ocupação inicial não se desse pelos ilustres vereadores que, a muito custo, aguardavam por ela desde 1834... 

Inverno de 2015. O velho sobrado que guarda em suas paredes tantas e tantas histórias, como a que acima se vê, espera ansiosamente o início das tão sonhadas obras de restauro!
Fachada frontal da Casa de Câmara, Júri e Cadeia
- Autor: arquiteto Júlio Ramos
(MR)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da