Pular para o conteúdo principal

Prédio antigo a perigo

Todos os lugares, em sua conformação urbana, lidam com questões que envolvem a segurança dos seus moradores não somente ao que tange à sua integridade enquanto pessoas, mas também quanto aos ambientes em que elas circulam e desenvolvem suas atividades. E tais questões sempre foram desafios às autoridades, exigindo a elaboração de códigos urbanos que as regessem, determinando posturas do aparato público e dos cidadãos.

Interessante o conteúdo de um ofício datado de 20 de janeiro de 1890, período em que o município de Cachoeira era regido por uma junta administrativa, denominada Junta Municipal, em que está expressa a preocupação dos administradores com um prédio antigo localizado na Rua 7 de Setembro, cujo estado de ruínas demandava atenção de todos. 

Ofício assinado pelos membros da comissão - 20/1/1890
(JM/OM/Ofícios - Caixa 1)
Para analisar a questão e emitir parecer a fim de que os integrantes da Junta Municipal tomassem as providências necessárias, foi nomeada uma comissão composta por João d'Araujo Bastos e Manoel Gomes Pereira*. Eis o conteúdo do ofício e o resultado do exame procedido pela comissão:

Cachoeira 20 de Janeiro de 1890

Sessão de 31 de Janeiro


Nos abaixo assignados nomeados, por essa Adminstração para examinar o predio sito a rua 7 de Setembro, esquina da rua Conde de Porto Alegre. Respondemos que hoje de accordo examinamos o dito predio e de facto se acha em grande ruinas, do que julgamos necessidade de completa demolição, visto que, já foi arriado o espigão do lado do sul e retirado o material, e com este trabalho ficou desloucada a linha da comieira e os freixaes, ficando assim muitas paredes fora de prumo, que será enivitavel a quéda do resto do predio, do que resultará o prejuizo de materiaes e alguma vida. Pensamos ter cumprido a missiva que nos confiarão.

                                                                Saude e Fraternidade

Aos Cidadãos Administradores
d'este Municipio.

João d'Araujo Bastos
Manoel Gomes Pereira

A Cachoeira de 1890, por ser menor e menos complexa, fiscalizava e resolvia as questões urbanas com aparente maior rapidez. O prédio em ruínas, referido no ofício, não foi identificado. Pode ter cedido espaço para uma das casas que ocupam hoje os quadrantes da Rua 7 de Setembro com a Conde de Porto Alegre...

*Manoel Gomes Pereira foi, mais tarde, o construtor do prédio do primeiro Hospital, hoje sede da Escola de Saúde do HCB.

(MR)

Comentários

  1. Ainda sobre Manoel Gomes Pereira:

    Nasceu possivelmente no ano 1864 em Avintes, Portugal, às margens do Rio Douro. Faleceu em Cachoeira dia 20.10.1917 aos 53 anos, solteiro, causa: "sclerose cardio-renal".
    Tinha um filho de criação de nome Arthur Rodrigues da Silva, conforme o jornal O Commércio de 24.10.1917, páginas 2 e 3.

    Dois anos antes, nas então tradicionais comemorações do Dia do Trabalho, "o conhecido orador popular, Tenente Manoel Gomes Pereira", sócio fundador da Sociedade Beneficente União Operária 1º de Maio "fez uso da palavra, discorrendo estusiasticamente sobre a data, e que alongou-se em várias considerações, sendo muito aplaudido e cumprimentado ao terminar." (jornal O Commércio de 05.05.1915, página 2)

    ResponderExcluir
  2. Hilberto, belas contribuições. Deves ter "alfarrábios" preciosos, a exemplo dos que também coleciono do nosso Comércio. Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Muito boa a contribuição do Hilberto.Qdo o Marcelino Gonçalves da Fonseca construiu a casa da Sete esquina Conde, concluída em 1915,o fez após adquirir um terreno que estendia -se até a Saldanha. É uma hipótese.

    ResponderExcluir
  4. Foi o que pensei, Ione Carlos. Porém, sem meios para afirmar, não levantei a possibilidade. A casa do Marcelino é de 1914.
    Mirian Ritzel

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da