Pular para o conteúdo principal

Levantamento dos Cegos na Província

A preocupação em levantar os cidadãos portadores de deficiência visual e oferecer-lhes educação já era manifesta pelas autoridades em meados do século XIX. Portanto, o que parece ser atitude contemporânea é muito mais antiga do que se imagina.

Em 1854, a Câmara Municipal recebeu a cópia de um ofício circular do Palácio da Presidência da Província, em Porto Alegre, datado de 3 de março, em que o Ministro dos Negócios do Império determinava que fosse apresentada uma estatistica aproximativa dos cegos que existem no Imperio, visto estar a crear-se na Côrte hum instituto destinado á educação dos jovens cegos. Além dessas informações, sobretudo o ministro tinha interesse de saber o numero das familias que possuem crianças em estado de serem admittidas no dito estabelecimento, e se fôr possivel devem taes dados estatisticos hirem com documentos assignados pelos Medicos e authoridades civis das Parochias, as quaes certifiquem que a criança he céga, que a cegueira não tem cura, que não he idiota, nem tem lesão organica, e bem assim o estado de fortuna de seus Pais (...)


CM/S/SE/CR/Cx. 17

Em 17 de abril do mesmo ano, o Subdelegado Isaias Baptista Roiz’ Pereira respondeu à Câmara o que a circular de 3 de março solicitava: (...) não consta haverem jovens cégos neste Destrito e que não obtive a informação p.los respectivos Inspectores como a Camara exigia porque os não há.

CM/S/SE/CR/Cx. 17

O Juiz de Paz Jozé Gomes Porto, em ofício de 10 de maio de 1854 também respondeu à Câmara que cumpre-me scientificar a V.S.ª, q.’ nem nesta Freguesia, e nem no seo 2.º Destricto ha jovem algum dos mencionados na Circular de S. Ex.ª de 3 de Março do corr.e anno.

CM/S/SE/CR/Cx. 17

Oliverio Antonio de Athaydes, Subdelegado de Polícia do 3.º distrito da Vila também respondeu à solicitação da Câmara, dizendo que já obtive as percizas informaçoens dos Inspetores dos Quarteirões, de todo este Destricto, e que, não há um só Jovem cego, especialm.e com as qualidades comforme a Circular de Ex.mo Senr" Prezid.e da Prov.ª.

E finalmente, em 9 de junho de 1854, o Delegado de Polícia Jacintho Franco de Godoy informou que só me consta existir neste 1.º Destricto nas circunstancias especificadas na sobredita Circular o Jovem cego de nome Rufino Carneiro da Silva, de idade de oito annos, filho de Quiteria Carneiro da Silva, summam.e pobre que não me parece ser idiota nem ter lesão organica, porem que não sei se a enfermidade que o priva da vista terá ou não cura.

CM/S/SE/CR/Cx. 17

Interessantíssimos tais documentos! Não só por trazerem à luz de nossos dias a intenção de favorecer educacionalmente os portadores de deficiência visual, quando ainda os ditos normais não tinham acesso universal à educação, e por revelar a identidade do único portador de deficiência visual localizado em Cachoeira: um menino de oito anos, de nome Rufino Carneiro da Silva. Os ofícios de resposta das autoridades dos principais distritos revelam também a rede de informações que estava disponível, mostrando-se eficiente no atendimento da solicitação vinda do Império, dentro da lógica e do emprego de tempo possíveis na época.

*O Estado Brasileiro reconhecia apenas duas deficiências no século XIX: a cegueira e a surdez. Em 1854 foi fundado, no Rio de Janeiro, capital do Império, o Imperial Instituto dos Meninos Cegos, atual Instituto Benjamin Constant. Esta instituição, assim como O Imperial Instituto dos Surdos-Mudos, criado dois anos após, funcionavam como internatos e inspiravam-se nos ideais iluministas, objetivando inserir os alunos na sociedade e ensinar-lhes sobre as letras, as ciências e a religião. Na Europa, as instituições congêneres eram normalmente assistenciais ou de caridade. No Império do Brasil, não. Eram consideradas instituições de ensino e, portanto, afeitas à organização da instrução pública.

*(Fonte: www.bengalalegal.com)

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co