Pular para o conteúdo principal

A Vila retratada por Johann Martin Buff

A primeira planta de Cachoeira, trabalho do engenheiro da Comarca Johann Martin Buff, mais do que um retrato da conformação urbana da Vila em 1850, foi um importante instrumento para que as autoridades da época disciplinassem a concessão de terrenos e colocassem em prática, com segurança, as exigências do Código de Posturas vigente desde 1830.

Mas a elaboração da planta não foi tarefa simples. Em primeiro lugar, a Câmara não dispunha na Vila de um profissional capacitado a levantar os dados e registrá-los cartograficamente. Diante da necessidade de disciplinar a concessão de terrenos, demarcar quadras, alinhar ruas e definir a expansão do recinto urbano, em 17 de setembro de 1829 o vereador Manoel Alvares dos Santos Pessôa sugeriu que a Câmara solicitasse à Presidência da Província o envio de um engenheiro para efetuar o serviço. Passaram-se 21 anos até que a planta finalmente fosse confeccionada!

Em 31 de maio de 1849, cientificados de que os trabalhos de levantamento dos dados para elaboração da planta exigiriam a participação dos cidadãos proprietários de terrenos, a Câmara emitiu um edital com o seguinte teor:

CM/OF/Editais - Caixa 12

A Camara Municipal desta Villa, convida atodos os proprietarios de terrenos dentro do recinto desta mesma Villa, queirão apresentar os Titulos de concceção, ou Escriptura de venda dos mesmos terrenos ao Engenheiro da Comarca, Martins Buff, que actualmente aqui se acha, athe o dia quatro do proximo mez entrante, afim de que o mesmo possa vir no conhecimento dos terrenos que se achão de voluto dentro desta Villa. E para que chegue ao conhecimento de todos os habitantes desta Villa, a necessidade de dar-se este conhecimento ao sobredito Engenheiro, se mandou lavrar o presente. Villa da Cachoeira 31 de Maio de 1849.-
Alexandre Coelho Leál
Ver.ºr Presidente
O Secretario
Fabiãno Per.ª da Silva

Os editais eram comunicados oficiais que deviam ter o conhecimento geral dos cidadãos. Assim, para cumprir com sua função, eram afixados em locais públicos de grande visibilidade e circulação de pessoas. Em Cachoeira, certamente o prédio da Igreja Matriz era um destes locais. 

O chamado da Câmara foi atendido. O engenheiro Buff conseguiu levantar e registrar na planta e no cadastro (CM/S/SE/RCT-001 e 003) que a acompanhava 422 terrenos no recinto da Vila, anotando devidamente o nome dos proprietários, o ano da concessão/posse do mesmo, o nome da autoridade que concedeu o título de posse e se os mesmos achavam-se edificados ou não. Por este esplêndido registro, é possível verificar que ruas estavam demarcadas e as denominações que possuíam, quantos terrenos já eram habitados e quantos ainda estavam baldios. E mais: com este importante instrumento na mão, os trabalhos de concessão de licenças para construção e mesmo de ocupação de terrenos ganharam disciplinamento, facilitando imensamente as tarefas do arruador, que era o oficial da Câmara encarregado de medir e delimitar áreas para construção e/ou abertura de ruas.

Planta da Cidade da Cachoeira - 1850 - Johann Martin Buff
- acervo Museu Municipal
A planta elaborada por J. M. Buff sobreviveu inclusive a um incêndio, marcas que carrega em seu delicado suporte de papel. Tentativas de mantê-la íntegra também agrediram sua estrutura, determinando que fosse enviada para restauro por especialista em Porto Alegre. Permanece lá, aguardando o término do restauro e que recursos municipais a resgatem, devolvendo-a em plenitude para que as gerações futuras conheçam o que hoje poderia ser definido como centro histórico, ou seja, o coração da cidade que se expandiu, mas que ainda pulsa em sua conformação original.

(MR)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co