Pular para o conteúdo principal

100 anos da visita de Olavo Bilac a Cachoeira

Há exatos cem anos, no dia 14 de outubro de 1916, o celebrado poeta Olavo Bilac chegou a Cachoeira, uma das tantas cidades brasileiras que visitou em razão de uma grande cruzada que empreendeu pelo país com o objetivo de divulgar a recém-criada Liga da Defesa Nacional, entidade com fins patrióticos.

Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac

A recepção ao poeta, já na Estação Ferroviária, foi festiva. A Banda Musical Estrela Cachoeirense tocava uma marcha quando o trem chegou, às 16h45. Ao desembarcar, o poeta foi saudado em nome do povo cachoeirense pela menina Jenny Pinheiro que lhe ofereceu um ramalhete artístico. Entre vivas do povo que se aglomerava junto à Estação, o poeta desceu a escada do prédio e passou por uma longa ala de alunos e professores do Colégio Elementar Antônio Vicente da Fontoura, liderados pela diretora Cândida Fortes Brandão. Novamente recebeu um ramalhete de flores com dedicatória do colégio das mãos do aluno Waldemar Brum, que proferiu os seguintes versos:

Amai as flores, crianças!
Sois irmãs nos esplendores,
Porque há muitas semelhanças
Entre as crianças e as flores

Olavo Bilac

Em teus versos, da flor tão bem tu falas
E da crença, ó cantor dos cantores!
Que ao passares, é justo que façam alas,
Vivando-te as crianças e as flores...

Cândida F. Brandão

Estação Ferroviária de Cachoeira - fototeca Museu Municipal

Acompanhado pela banda e pelo povo, o poeta foi conduzido ao Hotel do Comércio, onde ficou hospedado.


Hotel do Comércio, Rua Sete de Setembro - fototeca Museu Municipal

O programa da visita constou de recepção ao poeta na Intendência Municipal, à noite, aonde chegou conduzido por automóvel. Lá foi recebido efusivamente e saudado por discurso proferido pelo Dr. João Neves da Fontoura em que, ressaltando o propósito nacionalista do poeta, disse: 

A tua campanha triunfará o Brasil de amanhã, emancipado de tutelas odiosas, esquecido dos erros, reconciliado, unido, no gozo perfeito da sua maioridade nacional..."

Olavo Bilac respondeu com manifestações de reconhecimento pelas elevadas homenagens que lhe rendia o povo da Cachoeira.

Por três dias o poeta conheceu as belezas de Cachoeira e a recepção calorosa do povo: visitou a Granja da Penha, propriedade do Dr. Balthazar de Bem, proferiu uma conferência cívica e outra literária no Cinema Coliseu Cachoeirense, local onde também foi, na tarde do dia 17, alvo de uma festa escolar promovida pelo Colégio Elementar.

Cinema Coliseu Cachoeirense, Praça José Bonifácio - fototeca Museu Municipal

De Cachoeira, Olavo Bilac rumou de trem para Santa Maria. Em dezembro de 1916, em papel timbrado da Liga da Defesa Nacional, entidade por ele representada na difusão do nacionalismo e culto aos símbolos da Pátria, respondeu a carta de um amigo de Cachoeira dizendo, dentre outras coisas:

A leitura das suas linhas deu-me alegria e tristeza: alegria, porque me deu a certeza de que deixei amigos na Cachoeira; e tristeza, pela ardente e viva saudade que me causou: saudade de Cachoeira, e de toda a boa e generosa gente de Cachoeira...

Olavo Bilac faleceu dois anos depois que esteve em Cachoeira, a 28 de dezembro de 1918. Ficou conhecido pela produção literária e pelo espírito nacionalista e patriótico. Dentre as suas bandeiras, estava a defesa do serviço militar obrigatório. A Liga da Defesa Nacional, da qual foi um dos fundadores, existe até hoje e é responsável pela corrida do fogo simbólico, atividade que todo ano enseja o início das comemorações da Semana da Pátria.

Fonte: Coleção do O Commercio, edições de outubro de 1916 - Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico.
(MR)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co