Pular para o conteúdo principal

Um outro cemitério para a cidade

No início da última década do século XIX, grande era a insatisfação dos cachoeirenses com os serviços de sepultamento no Cemitério das Irmandades, então o único existente no recinto urbano. Havia grande reclamação com o descaso, com as taxas cobradas pela igreja e também pela questão do credo que limitava os sepultamentos apenas aos católicos. Desde a década anterior, ou seja, 1880, a então Câmara Municipal tratava da necessidade da construção de um novo cemitério, tendo escolhido para isto um terreno no Alto dos Loretos.

Em 14 de agosto de 1891, cientificado pela Junta Municipal*, o vigário da Paróquia da Cachoeira, padre Vicente Zeferino Dias Lopes, oficiou a David Soares de Barcellos** dando conta de que já havia feito saber ás Irmandades remettendo uma copia para intelligencia e cumprimento para cessar os sepultamentos no antigo Cemiterio, e fazer-se no novo, o que indicava estar pronto e apto ao funcionamento o Cemitério Municipal.

Correspondência do vigário às autoridades municipais - JM/OF/CR-Cx. 1
Com a abertura do Cemitério Municipal, os sepultamentos das pessoas de outros credos, especialmente os luteranos, já em número significativo na cidade, passaram a ser feitos sem embaraços, legitimando a intenção que havia sido expressa em correspondência de alguns membros da comunidade evangélica local (que seria oficialmente fundada em 1893) dirigida à Junta Municipal em 18 de março de 1890:



Correspondência de membros da comunidade evangélica
- JM/OM/DC-Cx. 1

O teor da correspondência, que é assinada pelos luteranos João Gerdau, Carlos Koch, Phillip Adam, Jacob Trarbach e [Guilherme?] [França?], diz que há tempos era intenção da comunidade evangélica local fundar um cemitério próprio, para o que angariava recursos entre os interessados, mas que diante da notícia publicada no jornal 15 de Novembro de que a Junta Municipal estava na diligencia de construir um novo Cemiterio, vinha oferecer a quantia arrecadada de 400 mil réis para contribuir com a obra. Para tanto, os signatários solicitavam que fosse concedida a dita Comunidade evang. protest. dentro do limite do novo cemiterio que se está construindo, um terreno de [?] 25 Metros de frente e de 50 Metros de fundo. Seria completo o desejo da Comunidade se a fôr concedido o dito terreno correndo o cumprimento do mesmo pela metade da frente do novo cemiterio, obrigando-se a dita comunidade de pôr e conservar o dito terreno em bom estado, avorizar o [ar?] e concorrer deste modo de sua parte para que o cemiterio mostrará uma vista digno ao seu fim: Memoria aos defuntos.

Grande é o número, ainda nos dias atuais, de túmulos, capelas e jazigos perpétuos com inscrições em alemão que remontam àqueles tempos, constituindo-se em monumentos com importância histórica, arquitetônica e simbólica que merecem atenção e respeito das autoridades, devendo ser preservados como testemunhas de uma época.

* Comissão encarregada da administração do município a partir da proclamação da República.
** Erroneamente tratado na correspondência como intendente municipal. A Intendência, e com ela a figura do intendente, só seria instituída em 1892.

(MR)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da