Pular para o conteúdo principal

A Morte do Comendador

A equipe do Arquivo Histórico teve a grata satisfação de ser brindada com a doação de exemplares da obra A Morte do Comendador. Eleições, Crimes Políticos e Honra (Antonio Vicente da Fontoura, Cachoeira, RS, 1860), autoria de Paulo Roberto Staudt Moreira, José Iran Ribeiro e Miquéias Henrique Mugge.



A doação foi feita pelo professor Paulo Roberto Staudt Moreira, sendo portador o acadêmico de História, e seu aluno, Jackson Freitas. Tanto o professor Paulo quanto o aluno Jackson têm sido pesquisadores do acervo do Arquivo Histórico. No caso de Paulo Roberto Staudt Moreira, o arranjo documental, bem como a cópia do inquérito sobre o crime de que foi vítima o Comendador Antonio Vicente da Fontoura foram rico material disponível no acervo do Arquivo para embasar a obra ofertada. Professor e pesquisador, Paulo Staudt Moreira atua especialmente nas áreas de História e Historiografia Brasileira do período imperial, é titular do Curso de Graduação e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS e historiógrafo do Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul. A temática da escravidão é uma de suas especialidades.

Jackson Freitas - portador da doação



Flagrantes da recepção da obra pelas assessoras do Arquivo Histórico

A Morte do Comendador, que  integra a coleção EHILA - Estudos Históricos Latino-Americanos, parceria das editoras Oikos e UNISINOS, trata de uma das mais emblemáticas páginas da história cachoeirense e poder disponibilizá-la para futuros pesquisadores e interessados no assunto enriquece a oferta de subsídios do Arquivo Histórico. A doação e a entrega dos exemplares foi motivo de satisfação para toda a equipe que, grata, faz o devido e justo registro.

(MR)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da